Além de regozijar-se com a vitória do Talibã: A visão alternativa de um paquistanês comum

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Imagem: The Quint.

Escrito por um paquistanês comum (HP), enviado por Reza Hasan, traduzido e adaptado por Aureo Vieira*

Imagem: The Quint.

A fulminante tomada do poder pelo Talibã no Afeganistão, forçando os Estados Unidos a uma humilhante e caótica retirada de Cabul, gerou certa satisfação no Paquistão, ainda que isso não traga benefícios tangíveis ao país. No entanto, a resposta oficial paquistanesa foi comedida e baseada em realidades preocupantes.


Há um grande prazer no Paquistão com a impressionante tomada do poder do Afeganistão pelo Talibã. Isso se deve principalmente à “humilhação” infligida aos Estados Unidos por uma força maltrapilha de 60.000 a 70.000 combatentes do Talibã, cujo avanço relâmpago inesperadamente forçou os americanos a uma retirada caótica de Cabul.

O fato de a Índia também ter que sair às pressas é a cereja do bolo. Não importa se a “humilhação” sofrida pelos EUA e pela Índia oferece poucos benefícios substantivos para o Paquistão. Somos movidos por emoções e aplaudimos de maneira mesquinha os eventos que terão consequências para o Paquistão. É hora de fazer uma pausa e colocar nossas comemorações em espera.

O resultado final no Afeganistão não pode ser previsto – a situação continua a evoluir. Mas em meio a todo o entusiasmo com a “vitória” do Talibã, existem alguns fatos preocupantes que devemos conhecer.

  1. A Tomada do Poder pelo Talibã tem muito pouco impacto na ordem global. O Afeganistão não figura na rivalidade de grande poder, que está centrada em grandes questões como a geopolítica ártica e a soberania chinesa no Mar da China Meridional;
  2. Existem outras áreas de conflito que são o campo de batalha das grandes disputas de poder. Para citar alguns: o surgimento da China como um desafio ao domínio ocidental na economia mundial, a pegada crescente da China na África, América Latina e outras partes da Ásia e a postura assertiva da Rússia na Europa como resultado do aumento da confiança em sua potente capacidade militar;
  3. Os coturnos dos EUA podem ter deixado o Afeganistão, mas a presença dos EUA continuará. A CIA agora assumirá de onde os soldados partiram e será um jogador ativo no Afeganistão. Os Estados Unidos não permitirão uma passagem tranquila para a China e a Rússia, que fizeram movimentos conciliatórios em relação ao Talibã. O concurso está definido para continuar. Embora possamos gritar e aplaudir a vitória do Talibã, o interesse global no Afeganistão deve ser visto em contraposição a essa perspectiva mais ampla.

O curso futuro dos eventos tem implicações para os cinco países que fazem fronteira com o Afeganistão e para a região em geral. O país mais afetado por esses eventos é, sem dúvida, o Paquistão. Precisamos ter muito cuidado. É encorajador notar que a resposta oficial do Paquistão à Tomada do Poder pelo Talibã foi medida e baseada em realidades preocupantes.

  1. O Tehreek e Taliban Pakistan (TTP) sempre foi e continua a ser uma ameaça existencial ao Paquistão. Sua intenção declarada de estabelecer um Emirado Islâmico em áreas que incluem o KP e o ex-FATA encontra ressonância em segmentos de nossa população;
  2. O TTP foi totalmente derrotado pelo Exército do Paquistão, mas encontrou refúgio no Afeganistão. Ela se reagrupou sob o patrocínio do Talibã, de agências de inteligência hostis e do governo de Cabul;
  3. O TTP e o Talibã compartilham uma ideologia e ambições políticas comuns. O Talibã permitiu espaço para o TTP e ficou em silêncio ou pior, facilitou o ataque deste último ao Paquistão, mais recentemente aos postos do Exército do Paquistão na fronteira Afeganistão-Paquistão. Que o Talibã use o TTP para alavancar suas demandas sobre o Paquistão – o primeiro sendo permitir a entrada de todos os afegãos no Paquistão com base em seus cartões de identidade nacionais – é uma possibilidade distinta;
  4. A versão 2 do Talibã é uma organização mais sofisticada do que o Talibã da década de 1990. Eles estão fazendo os ruídos certos, mas a verdadeira história só se revelará nos próximos dias e semanas;
  5. Eles, entretanto, compreenderam o valor do comportamento internacionalmente aceitável, sabendo que a assistência internacional, tão crucial para a sobrevivência, será concomitante com tal comportamento. Mas o Talibã não é uma organização monolítica e, como sugerem os relatórios, os comandantes locais estão realizando buscas de casa em casa por pessoas que trabalharam para o governo de Cabul. Isso contradiz a anistia geral anunciada pela liderança do Talibã em Cabul;
  6. O Paquistão provavelmente está consternado, mas não surpreso, que o Talibã tenha convidado os indianos de volta ao Afeganistão para concluir o trabalho em projetos de infraestrutura inacabados. Nenhuma atividade hostil ao Paquistão deve ser permitida, afirma o Talibã, mas isso ainda está para ser visto. É evidente que o Talibã manterá boas relações comerciais com a Índia e, no futuro, pode muito bem exigir a há muito negada conectividade terrestre com a Índia.

LIVRO RECOMENDADO:

O afegão (edição de bolso)

  • Frederick Forsyth (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Alguns resultados potencialmente perigosos merecem consideração:

  1. A propensão de culpar o Paquistão pelo fracasso dos EUA e de seus aliados em vencer a “guerra para sempre” está prestes a ganhar ímpeto. Autoridades dos EUA e da Índia há muito apontam o dedo para o Paquistão e, quando se contabiliza uma guerra de 20 anos que custou mais de um trilhão de dólares e resultou na perda de quase 2.000 soldados americanos, todas as armas serão apontadas para o Paquistão;
  2. O objetivo final é isolar o Paquistão e encontrar uma boa “razão” para impor sanções paralisantes ao país. O suposto papel “dúbio” do Paquistão no Afeganistão, abrigando e auxiliando a Haqqani Network e o Quetta Shura, deveria fornecer aos EUA justificativa suficiente para fazer exatamente isso. Uma campanha de mídia hostil, organizada e direcionada para pintar o Paquistão como um país que abriga e patrocina organizações terroristas tem sido eficaz. A contra narrativa do Paquistão não tem aceitadores;
  3. O GAFI* imporá outras condições a serem cumpridas pelo Paquistão, caso seja retirado da sua “lista cinza”. A ameaça sinistra de ser colocado na “lista negra” é onipresente.

*A Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF, Financial Action Task Force), também conhecida pela sigla GAFI, do francês Groupe d’Action Financière, é uma organização fundada pelo G7 para desenvolver políticas de combate à lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo.

Os perigos no Paquistão decorrentes da Tomada do Poder pelo Talibã não devem ser subestimados.

  1. O hasteamento da bandeira talibã na capital do Paquistão, Islamabad (em Jamia Al Hafsa) deve ser motivo de preocupação. É uma indicação do que está por vir?
  2. O confronto em Peshawar entre afegãos que comemoram o dia nacional de seu país e os paquistaneses demonstra a crescente assertividade dos afegãos que vivem no Paquistão;
  3. A afiliação tribal e étnica dos pashtuns nas áreas fronteiriças do KP e da antiga FATA com o predomínio do Talibã pashtun tem implicações. A lealdade dos elementos “nacionalistas” (PTM) poderia ser minada e os interesses de segurança do estado do Paquistão comprometidos.

Haverá enormes benefícios para o Paquistão se um Afeganistão pacífico e amigável vier a existir. O caminho a seguir inclui:

  1. Estar ciente das implicações da evolução da situação no Afeganistão. Muito corretamente, o Paquistão declarou inequivocamente que o reconhecimento de um governo talibã só virá em consulta com potências globais, especialmente os EUA;
  2. Para se proteger contra possíveis represálias (sanções e GAFI), o Paquistão deve se concentrar em mudar as percepções internacionais sobre si mesmo. Uma maneira de fazer isso foi sugerida pelo colunista Nadeem F Paracha: “Precisamos diluir muito a narrativa nacionalista islâmica. Ela se tornou muito integrada à militância islâmica. Esta é a lente da qual a comunidade internacional mais ampla vê o Paquistão”.

O primeiro-ministro Imran Khan e seus ministros precisam ouvir esse conselho sensato. Devemos avaliar objetivamente onde estão nossos próprios interesses e não permitir que nosso bom senso seja influenciado por sentimentos nacionalistas-islâmicos. Por enquanto, coloque as celebrações em espera.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também