Afeganistão: o Cemitério de Impérios e a nova realidade geopolítica na Ásia

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Afegãos praticando Buzkashi, esporte nacional do país (Foto: Nasim Dadfar/Unsplash).

Afegãos praticando Buzkashi, esporte nacional do país (Foto: Nasim Dadfar/Unsplash).

Depois de vinte anos, os Estados Unidos estão deixando o Afeganistão, encerrando aquela que foi a guerra mais longa de sua história. Essa retirada traz implicações e altera o cenário geopolítico, com impactos não apenas locais. Também traz oportunidades que poderiam ser aproveitadas pelo Brasil.


Depois de quase 20 anos, os Estados Unidos começam a retirar suas tropas do Afeganistão, marcando o fim de uma invasão longa e de poucos resultados; o Afeganistão prova ao mundo que seu apelido, ‘’Cemitério de Impérios’’, é mais do que devido.

Mas por que os americanos decidiram invadir o Afeganistão? Qual foi sua intenção? Qual foi o motivo? Para responder a estas perguntas, precisamos voltar um pouco no tempo.

Contexto histórico

Quase todas as grandes potências passaram por estas terras montanhosas: mongóis, britânicos, soviéticos e agora americanos. Na época da guerra-fria, os Estados Unidos faziam de tudo para impedir o avanço do Comunismo ao redor do mundo e, em cada país, traçaram uma estratégia diferente.

Na Europa, ajudaram a reestruturar a economia através do plano Marshall, por crer que um país economicamente próspero rejeitaria o Comunismo/Socialismo. Nos países islâmicos, promoviam o reavivamento do Islamismo, pois acreditavam que um país religioso rejeitaria o comuno-socialismo.

Curiosamente, países ricos e seculares estão a cada dia mais votando em partidos de Esquerda, enquanto países islâmicos estão livres da ameaça comuno-socialista, provando que religião e nacionalismo são armas mais fortes para vencer Marx do que apenas crescimento econômico e prosperidade financeira.

Em 1979, a União Soviética invade o Afeganistão para ajudar o governo comunista local contra os insurgentes islâmicos conhecidos como mujahideens, financiados pelos americanos, sauditas e paquistaneses. Em 1989, depois de anos de luta armada, os mujahideens não foram derrotados e os soviéticos deixaram o Afeganistão desmoralizados e quebrados financeiramente: a aventura afegã custou vastos recursos financeiros.

Depois da saída dos soviéticos, o Afeganistão experimentou vários conflitos internos e guerras civis, até que, finalmente, o Talibã (que significa “alunos” em árabe) toma o controle do país e instaura um regime teocrático.

Acontece que os mujahideens acreditavam na Jihad, a guerra santa, a expansão islâmica pela espada (ou pela ponta do fuzil), e planejavam continuar essa guerra além das fronteiras afegãs. Assim, o país se transformou em porto seguro para terroristas islâmicos do mundo todo e em ameaça para os interesses americanos.


LIVRO RECOMENDADO

Calor Afegão: Operações SAS no Afeganistão

  • Steve Stone (Autor)
  • Em português
  • eBook Kindle

Em 2001, ocorre o ataque às torres gêmeas e os EUA iniciam sua guerra ao terror: o Afeganistão é invadido com o objetivo de livrar o povo afegão da ditadura islâmica, capturar Osama bin Laden e implementar a democracia naquela nação.

Passados 20 anos, o Talibã continua vivo, a democracia não foi estabelecida no Afeganistão, os americanos estão voltando para a casa muito mais pobres, com muito mais dívidas e tendo a China e a Rússia revisionistas questionando a sua hegemonia. Resumindo: os americanos saíram do país muito mais fracos e com mais problemas do que quando entraram.

Nova realidade: A volta do Talibã ao poder

O Afeganistão tem um governo apoiado pela OTAN que controla as grandes cidades e a capital, mas os Talibãs controlam o restante do país e, ao que tudo indica, tomarão todo o território das forças governamentais, se assim o desejarem.

O Afeganistão é extremamente rico em minérios; mineradoras do mundo inteiro cobiçam as riquezas do país e, quando Bush o invadiu, ele tinha em mente, além de levar democracia, explorar os riquíssimos recursos naturais afegãos, abrindo o país para que as gigantescas mineradoras multinacionais enriquecessem.

Com a iminente saída americana, a China já iniciou negociações com o Talibã (pelo menos formalmente, todos sabiam que já o fazia antes) e, como resultado, o Talibã já deixou claro que vai proteger os investimentos chineses no país: as empresas chinesas serão de facto as donas dos minérios afegãos. A mesma China que destrói mesquitas em seu próprio território não tem nenhum problema em apertar as mãos de terroristas islâmicos, pois a China é o país mais pragmático do mundo (algo que o Brasil deveria aprender).

China e Paquistão serão os maiores ganhadores da saída americana; o Talibã não existiria sem apoio do Paquistão e, com sua volta ao poder, o Paquistão ganha um país aliado como vizinho. Os maiores perdedores serão os Estados Unidos e, principalmente, a Índia.

Os EUA, porque os americanos gastaram rios de dinheiro em seu projeto de nation-building: tentar reconstruir o país de acordo com os moldes liberal-democratas, algo em que, infelizmente, falharam miseravelmente. Enquanto os americanos gastavam tempo e dinheiro no Afeganistão, a China e a Rússia se fortaleciam para, em breve, desafiar a hegemonia global americana.

A Índia, porque os indianos investiram muito no atual governo afegão; eles não querem um Afeganistão aliado do Paquistão e da China e, com a volta do Talibã, além de ver seus investimentos perdidos, a Índia se encontra ainda mais cercada geopoliticamente.

Observando o mapa do subcontinente indiano, percebe-se que a Índia está cercada por aliados da China: Paquistão, Sri Lanka e Nepal. O único aliado que lhe restou foi Bangladesh (que também tem boas relações com a China) e, de certa forma, Mianmar.


LIVRO RECOMENDADO:

O vulto das torres: A Al-Qaeda e o caminho até o 11/9

  • Lawrence Wright (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Mianmar é um caso à parte: os militares que hoje controlam o país meteram muita bala nos rebeldes comunistas apoiados pelo PC chinês no passado; contudo, a China tem investido pesadamente em Mianmar e, com a tomada do poder pelos militares, tem lhes dado todo o apoio político e econômico. A Índia sabe muito bem disso, razão pela qual não criticou o novo governo birmanês quando Aung San Suki foi retirada do poder pelas forças armadas.

Com a saída americana do Afeganistão, a configuração geopolítica da Ásia mudará ainda mais: a influência chinesa será aumentada e fortalecida e o acirramento da rivalidade entre China e Índia atingirá níveis mais elevados.

A Rússia é um caso à parte: tanto a presença americana no Afeganistão quanto sua saída representam riscos e oportunidades.

A presença dos EUA no Afeganistão, de certa forma, impedia que o país se transformasse em uma fortaleza islâmica que envia terroristas aos países vizinhos, começando pela Ásia Central, e futuramente ameaçando a própria Rússia; por outro lado, representa o declínio do poder global americano: os Estados Unidos estão recuando e isso é extremamente positivo para a Rússia (a despeito do fato de que os EUA terão mais recursos para focar na Europa contra a influência russa).

O acirramento das tensões entre Índia e China favorece muito a Rússia, pois tanto a um como o outro vêem na Rússia o único ator capaz de desequilibrar a balança de poder entre os dois; a Índia tem se aproximado ainda mais da Rússia para resolver o impasse afegão.

Uma nova realidade geopolítica

O cenário geopolítico está passando por transformações tectônicas: a China tem avançado, os Estados Unidos têm recuado e alguns países, como a Índia, estão percebendo que precisam se fortalecer e desenvolver seu próprio plano e objetivo nacionais, pois a PAX AMERICANA está com os dias contados. O futuro pertencerá àqueles países que desenvolvem sua própria estratégia geopolítica e não dependem dos outros.

Toda esta movimentação internacional pode servir como exemplo para nós: o Brasil precisa urgentemente desenvolver sua própria estratégia geopolítica, o domínio global dos EUA está com os dias contados, os americanos estão em decadência, e isso abre uma janela de riscos e oportunidades.

Se agirmos agora e encararmos a nova realidade geopolítica mundial como uma oportunidade, seremos senhores do nosso próprio destino. Caso contrário, nos arriscamos a continuar colonizados pela próxima potência dominante, mais provavelmente a China, permanecendo na condição de país medíocre, com um povo dominado. Nossos descendentes pagarão o preço da nossa inércia.

O trem da história está passando aceleradamente e de forma descontrolada; alguns países tomarão assento, outros o volante, e quem assumir a direção em suas próprias mãos conduzirá o restante.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

3 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também