EUA manterão cerca de 650 tropas no Afeganistão após a retirada

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Tropas de operações especiais dos EUA embarcam em aeronave no Afeganistão (Foto: Jaerett Engeseth/US Army).

Tropas de operações especiais dos EUA embarcam em aeronave no Afeganistão (Foto: Jaerett Engeseth/US Army).

Espera-se que cerca de 650 tropas dos EUA permaneçam no Afeganistão para fornecer segurança aos diplomatas depois que a principal força militar americana concluir a retirada, que deve ser realizada nas próximas duas semanas, conforme disseram oficiais à Associated Press na quinta-feira.

Além disso, várias centenas de tropas americanas adicionais permanecerão no aeroporto de Cabul, potencialmente até setembro, para ajudar as tropas turcas que fornecem segurança, como um movimento temporário até que uma operação de segurança mais formal liderada pela Turquia seja realizada, disseram as autoridades.

No geral, autoridades disseram que os EUA esperam que o comando militar americano e da coalizão, sua liderança e a maioria das tropas saiam até 4 de julho ou logo depois disso, cumprindo um prazo esperado que os comandantes planejaram meses atrás.

A partida da maior parte dos mais de 4.000 soldados que estiveram no país nos últimos meses está ocorrendo bem antes do prazo de 11 de setembro, estipulado pelo presidente Joe Biden. E isso acontece em meio aos ganhos cada vez maiores do Talibã no campo de batalha, alimentando os temores de que o governo afegão e seus militares possam entrar em colapso em questão de meses.

As autoridades têm enfatizado repetidamente que a segurança no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul, é um requisito fundamental para manter o pessoal diplomático dos EUA no Afeganistão. Ainda assim, a decisão de manter tropas adicionais por vários meses torna mais complicado para o governo Biden declarar o verdadeiro fim da guerra mais longa dos EUA até o final deste outono. E mantém o país em apuros perto da vanguarda dos desafios à segurança nacional enfrentados pelos EUA, enquanto a Casa Branca tenta deixar para trás a guerra de 20 anos e se concentrar mais nas ameaças da China e da Rússia.


LIVRO RECOMENDADO

12 Heróis

  • Doug Stanton (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Na sexta-feira, o presidente afegão, Ashraf Ghani e o presidente do Conselho Superior para a Reconciliação Nacional, Abdullah Abdullah, se reuniram com Biden na Casa Branca. Os dois líderes afegãos também devem se encontrar no Pentágono com o secretário de Defesa Lloyd Austin e possivelmente outros funcionários do governo, anunciou o Pentágono.

A retirada da maioria das tropas no início de julho estava em dúvida devido a complicações, incluindo um surto de covid-19 na embaixada dos EUA e o esforço para conseguir enviar intérpretes afegãos e outros que ajudaram os EUA para fora do país. Oficiais disseram que comandantes e aliados da OTAN no Afeganistão conseguiram superar obstáculos logísticos que podem ter prolongado o processo de retirada. Mas também alertaram que os planos para as etapas finais da retirada militar dos EUA podem mudar se os acordos de segurança do aeroporto falharem ou se houver outros desenvolvimentos importantes e imprevistos.

Recentemente, na semana passada, houve uma discussão sobre a possibilidade de estender a presença de tropas dos EUA no campo de aviação de Bagram, ao norte de Cabul, mas autoridades disseram que espera-se que a presença na base termine nos próximos dias.

As cerca de 650 tropas planejadas para atuar como uma força mais permanente no Afeganistão fornecerão segurança para a embaixada dos EUA e algum apoio contínuo no aeroporto. Oficiais disseram que os EUA concordaram em deixar um sistema C-RAM (Counter-Rocket, Artillery, Mortar, Contra-Foguetes, Artilharia e Morteiros) no aeroporto, bem como tropas para operá-lo, como parte de um acordo com a Turquia. Os EUA também planejam deixar uma tripulação para apoio de helicópteros no aeroporto.

De acordo com as autoridades, a Turquia concordou amplamente em fornecer segurança no aeroporto, desde que receba o apoio das forças americanas. Oficiais militares americanos e turcos estão se reunindo em Ancara esta semana para finalizar os preparativos.

Na quarta-feira, o general Mark Milley, presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior, disse que ainda não há um acordo escrito com os turcos sobre a segurança do aeroporto. Ele disse que não queria falar sobre detalhes antes de haver um acordo final, mas acrescentou que sente-se “muito confortável com a manutenção da segurança no aeroporto de Cabul e que os turcos farão parte disso”.


LIVRO RECOMENDADO

Calor Afegão: Operações SAS no Afeganistão

  • Steve Stone (Autor)
  • Em português
  • eBook Kindle

A partida das tropas americanas, que começou com o anúncio de Biden, em abril, de que estava acabando com o envolvimento militar dos EUA no Afeganistão está aumentando enquanto o governo avança com planos para evacuar dezenas de milhares de intérpretes e outros que trabalharam com as forças americanas durante a guerra e agora temem por sua segurança.

Um alto funcionário do governo disse na quinta-feira que o planejamento se acelerou nos últimos dias para realocar os afegãos e suas famílias para outros países ou para os EUA enquanto seus pedidos de visto são processados. O funcionário falou sob condição de anonimato para discutir planos não anunciados. O governo pretende realizar a evacuação ainda neste verão, provavelmente em agosto, de acordo com um segundo funcionário familiarizado com as deliberações, mas não autorizado a discuti-las publicamente.

O Pentágono disse que os militares estão preparados para ajudar o Departamento de Estado conforme necessário, mas indicou que voos charter podem ser adequados para transportar os solicitantes de visto afegão, portanto, não necessariamente exigindo transporte aéreo militar.

Autoridades disseram que aliados da OTAN, como a Alemanha, também estão muito próximos de estarem totalmente fora do país.

Os principais líderes do Pentágono, incluindo Austin, têm sido cautelosos nas últimas semanas quando questionados sobre a retirada das tropas, e se recusaram a fornecer quaisquer detalhes públicos sobre quando as últimas tropas partiriam, alegando preocupações com a segurança.

Fonte: Military Times.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também