Chefe da Guarda Costeira dos EUA diz que é preciso maior presença em ambas as regiões polares

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O cutter Healy, quebra-gelo polar da Guarda Costeira americana, transita pelas águas do sudeste do Alasca em 24 de novembro de 2018 (Foto: Kellen Browne/US Coast Guard).

O cutter USCGC Healy, quebra-gelo polar da Guarda Costeira americana, transita pelas águas do sudeste do Alasca em 24 de novembro de 2018 (Foto: Kellen Browne/US Coast Guard).

Almirante da Guarda Costeira dos EUA disse no Congresso americano que é necessária uma maior presença no Ártico e na Antártica e reafirmou a necessidade de quebra-gelos mais pesados.

“Nós absolutamente precisamos estar no Ártico e na Antártica de forma mais persistente do que somos hoje”, disse o almirante Karl Schultz, comandante da Guarda Costeira dos EUA, testemunhando em 23 de junho perante o Comitê de Segurança Interna da Câmara.

“A grande competição de potências está viva e bem lá [no Ártico]. A China operou ao largo do Ártico do Alasca por seis dos últimos nove a 12 anos. A Rússia está construindo uma frota cada vez maior de quebra-gelos que pretende usar na Rota do Mar do Norte, potencialmente como uma rota com pedágio.

“Haverá questões de liberdade de navegação no futuro e teremos a capacidade doméstica orgânica para pressionar e projetar nossos interesses soberanos”, disse Schultz.

Ele disse que a Guarda Costeira está enviando o navio quebra-gelo médio USCGC Healy para o Ártico neste verão para pesquisas científicas por cerca de 30 dias, seguido por um trânsito pela Passagem Noroeste sobre a costa norte do Canadá.


LIVRO RECOMENDADO

Endurance: A lendária expedição de Shackleton à Antártida

  • Caroline Alexander (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Alguns pesquisadores canadenses, marinheiros britânicos e outros estarão a bordo do Healy para a viagem. Os planos atuais prevêem uma escala em um porto na Groenlândia e depois retorno à Seattle via Canal do Panamá.

Shultz também observou que os cutters de média resistência da Guarda Costeira exercitaram-se com as forças holandesas e francesas na região do Ártico. A Guarda Costeira designou um adido para Copenhague, Dinamarca, o país com soberania sobre a Groenlândia. “Estamos tentando ter certeza de que estamos tocando em todos os membros do Conselho Ártico”, disse o almirante.

A Guarda Costeira tem apenas um quebra-gelo pesado operacional, o USCGC Polar Star. O Congresso forneceu fundos para os dois primeiros cutters de segurança polares (PSC), que serão quebra-gelos pesados. Um contrato foi concedido à VT Halter em 2019 para o primeiro deles.

“Estamos lamentavelmente mal equipados em termos de capacidade nas altas latitudes e em quebra-gelos”, disse Schultz. “Nós não construímos um navio quebra-gelo pesado há mais de 45 anos. … De quatro a seis quebra-gelos pesados ​​é o que realmente precisamos, e precisamos de alguns quebra-gelos médios.

Fonte: Seapower Magazine.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também