Com 10.000 tropas da OTAN na fronteira, Putin diz esperar que a Aliança considere propostas para reduzir tensões

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O presidente da Rússia, Vladimir Putin (Foto: Alexei Nikolsky/Escritório de Imprensa Presidencial da Rússia).

O presidente da Rússia, Vladimir Putin (Foto: Alexei Nikolsky/Escritório de Imprensa Presidencial da Rússia).

Unidades militares dos países extrarregionais da OTAN estão estacionadas na Europa Oriental de forma permanente, disse o chefe do Estado-Maior da Rússia, general Valery Gerasimov, na Conferência Internacional de Segurança de Moscou na quarta-feira.

“Até 10.000 soldados dos países extrarregionais da aliança estão estacionados no Leste Europeu de forma permanente.”

Ele advertiu que a força das forças avançadas da OTAN, incluindo o contingente de tropas dos EUA perto das fronteiras ocidentais da Rússia, continuaria crescendo. “Isso é bem visto no acordo de 2020 entre Washington e Varsóvia, que prevê a implantação adicional de centros de comando, unidades logísticas, forças de operações especiais e aviação do exército em território polonês”, disse ele.

Em mensagem de vídeo aos participantes da conferência, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Rússia não pode deixar de se preocupar com o contínuo aumento militar da OTAN perto de suas fronteiras, mas Moscou espera que a aliança considere suas iniciativas para diminuir as tensões.

“Claro, não podemos deixar de nos preocupar com o acúmulo interminável de capacidades militares e infraestrutura da OTAN perto das fronteiras russas, bem como o fato de que a aliança se recusa a considerar construtivamente nossas propostas para diminuir as tensões e reduzir o risco de imprevisibilidade incidentes”, disse o líder russo.


LIVRO RECOMENDADO

As entrevistas de Putin

  • Oliver Stone (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Putin enfatizou que Moscou “espera que o bom senso e o desejo de desenvolver relações construtivas conosco acabem prevalecendo”. Segundo Putin, os esforços da Rússia visam reduzir riscos, garantir previsibilidade e resolver diferenças por meio do diálogo e de acordos particulares, inclusive no campo do controle de armas.

Neste contexto, ele enfatizou que a nova “equação de segurança” deve levar em conta todos os fatores que afetam a estabilidade estratégica. “Anteriormente, a Rússia apresentou uma proposta sobre o desenvolvimento de uma nova ‘equação de segurança’. Ela deve levar em consideração todos os fatores que afetam a estabilidade estratégica em seu inter-relacionamento.”

O líder russo diz estar convencido de que “a vontade política e a prontidão para compromissos podem produzir um resultado positivo”. Segundo ele, um exemplo claro disso é a prorrogação do New START (Tratado de Redução de Armas Estratégicas) Rússia-EUA até 2026.

A Conferência de Segurança Internacional de Moscou tem sido realizada anualmente sob a égide do Ministério da Defesa da Rússia desde 2012.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também