China condena mais recente trânsito de navio de guerra dos EUA no Estreito de Taiwan

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O destroier de mísseis guiados da US Navy USS Curtis Wilbur no mar das Filipinas em agosto de 2013 (Foto: Declan Barnes/US Navy).

O destroier da US Navy USS Curtis Wilbur (Foto: Declan Barnes/US Navy).

A China condenou os Estados Unidos na quarta-feira como o maior “criador de risco” à segurança da região, depois que um navio de guerra dos EUA navegou novamente pela sensível hidrovia que separa Taiwan da China.

A 7ª Frota da Marinha dos EUA disse que o destroier de mísseis guiados classe Arleigh Burke USS Curtis Wilbur conduziu um “trânsito de rotina no Estreito de Taiwan” na terça-feira, de acordo com a lei internacional. “O trânsito do navio pelo Estreito de Taiwan demonstra o compromisso dos EUA com um Indo-Pacífico livre e aberto.”

O Comando do Teatro Oriental do Exército de Libertação Popular disse que suas forças monitoraram o navio durante sua passagem e o alertaram.

“O lado dos EUA está intencionalmente jogando os mesmos velhos truques, criando problemas e atrapalhando as coisas no Estreito de Taiwan”, disse o documento. Isso “mostra plenamente que os Estados Unidos são o maior criador de riscos para a segurança regional, e nós nos opomos firmemente a isso”.

O Ministério da Defesa de Taiwan disse que o navio navegou na direção norte através do estreito e que “a situação estava normal”. O mesmo navio cruzou o estreito há um mês, o que levou a China a acusar os Estados Unidos de ameaçar a paz e a estabilidade.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A última missão ocorre cerca de uma semana depois que Taiwan disse que 28 aeronaves da força aérea chinesa, incluindo caças e bombardeiros com capacidade nuclear, entraram na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan (ADIZ), na maior incursão relatada até agora.

Esse incidente ocorreu após os líderes do Grupo dos Sete emitirem uma declaração conjunta repreendendo a China por uma série de questões e enfatizando a importância da paz e da estabilidade em todo o Estreito de Taiwan, comentários que a China condenou como “calúnia”.

A US Navy tem conduzido tais operações no Estreito de Taiwan a cada mês ou mais. Como a maioria dos países, os EUA não têm laços diplomáticos formais com Taiwan, mas são seu patrocinador internacional mais importante e um importante vendedor de armas.

A tensão militar entre Taiwan e Pequim aumentou no ano passado, com Taipé reclamando que a China enviou repetidamente sua força aérea para a zona de defesa aérea de Taiwan.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também