Indicado ao Pentágono diz que os EUA podem “deter e derrotar” a agressão chinesa

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Ely Ratner (Foto: Center for a New American Security).

Ely Ratner, indicado por Biden para Secretário Adjunto de Defesa para Assuntos de Segurança do Indo-Pacífico no Departamento de Defesa (Foto: Center for a New American Security).

Os Estados Unidos têm a capacidade de “deter e derrotar” a agressão chinesa e continuarão a garantir que a cooperação de defesa EUA-Taiwan seja “compatível com a ameaça” representada pela China, disse um indicado ao Pentágono na quarta-feira.

Ely Ratner, que foi indicado pelo presidente dos EUA Joe Biden para servir como secretário assistente de defesa para assuntos de segurança do Indo-Pacífico no Departamento de Defesa, fez os comentários em sua audiência de confirmação e em depoimento por escrito.

Ratner é atualmente assistente especial do secretário de Defesa e diretor da Força-Tarefa do departamento para a China. Ele foi conselheiro adjunto de Segurança Nacional do então vice-presidente Biden entre 2015 e 2017.

Questionado pelo senador Josh Hawley sobre a possibilidade de um fato consumado chinês contra Taiwan, Ratner disse que era uma “preocupação real”, já que a China “ainda não renunciou ao uso da força contra Taiwan e está usando cada vez mais sua agressão e coerção no região”.

“Na ausência dos Estados Unidos para impor custo suficiente e capacidade de negação, acho que há potencial para que eles usem a agressão contra Taiwan para atingir seus objetivos políticos”, disse ele.

“Minha opinião pessoal é que a maneira absolutamente certa de dissuadir a China de usar a agressão é garantir que eles não consigam atingir esse objetivo. Devo sugerir também no momento que estou confiante, hoje, de que temos essa capacidade de dissuadir e derrotar a agressão chinesa”, continuou.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Ele acrescentou que, se confirmado para o cargo, trabalhará com o comitê das Forças Armadas do Senado para garantir que essa capacidade seja mantida.

Em resposta à pergunta de Hawley sobre o progresso de Taiwan na adoção de uma estratégia de defesa assimétrica, Ratner disse que acha que a presidente Tsai Ing-wen está “comprometida em levar os militares de Taiwan na direção certa”.

“Estou encorajado pelas medidas que ela está tomando para tentar desenvolver militares mais móveis e resilientes”, disse ele, e se comprometeu a avançar ainda mais com essa agenda, se confirmada.

Quando questionado pelo senador Daniel Sullivan sobre se ele concordava com o almirante Philip Davidson que a China poderia retomar Taiwan à força dentro de seis anos, Ratner disse que concordava com o senso de urgência de Davidson sobre o assunto, mas não achou “particularmente útil colocar um alfinete em uma linha do tempo”.

Os EUA devem garantir que manterão uma dissuasão de combate confiável daqui para frente, seja em cinco, 10 ou 15 anos a partir de agora, disse ele.

Sobre o tema do equilíbrio militar no Estreito de Taiwan, Ratner declarou em seu depoimento por escrito ao Comitê de Serviços Armados do Senado que a China está “focada na missão, tem recursos suficientes e está se desenvolvendo rapidamente em termos de pressão militar direta sobre Taiwan e através outras capacidades do PLA destinadas a dissuadir, atrasar ou negar a intervenção de terceiros em uma crise”.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

É por isso que, se confirmado para o posto, Ratner disse que iria “revisar cuidadosamente o equilíbrio militar atual em todo o Estreito de Taiwan” para garantir que a cooperação de defesa EUA-Taiwan seja “compatível com a ameaça representada pela RPC”.

Os EUA continuarão a promover a cooperação de defesa com Taiwan e a fornecer a Taiwan os artigos e treinamento de defesa necessários, disse ele.

Sobre a questão de saber se chegou a hora de os EUA declararem explicitamente que responderiam militarmente a qualquer uso de força chinesa contra Taiwan como meio de impedir tais ações, Ratner não respondeu diretamente.

Ele disse, em vez disso, que o apoio dos EUA a Taiwan é sólido como uma rocha e reflete “mais de 40 anos de uma política consistente, bipartidária e de uma única China baseada na Lei de Relações com Taiwan, nos Três Comunicados Conjuntos EUA-RPC e nas Seis Garantias”.

Ele disse que, se confirmado, “continuará a apoiar esses compromissos proporcionais à ameaça que a RPC representa para Taiwan”.

Fonte: Focus Taiwan.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também