UAV MQ-25 realiza histórico reabastecimento aéreo não tripulado

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O UAV MQ-25 T1 reabastece um F/A-18 da US Navy durante teste realizado em 4 de junho. O teste marcou a primeira operação de reabastecimento aéreo entre uma aeronave tripulada e um reabastecedor não tripulado (Foto: Boeing).

O UAV MQ-25 T1 reabastece um F/A-18 da US Navy durante teste realizado em 4 de junho. O teste marcou a primeira operação de reabastecimento aéreo entre uma aeronave tripulada e um reabastecedor não tripulado (Foto: Boeing).

Um veículo aéreo não tripulado (UAV) fez história na aviação em 4 de junho com um reabastecimento ar-ar de outra aeronave. O Demonstrador MQ-25 da Boeing, T1, reabasteceu um caça de ataque F/A-18F Super Hornet da Marinha dos EUA, um passo importante na jornada do MQ-25A Stingray para se tornar o reabastecedor aéreo baseado em porta-aviões da US Navy.

O T1 e o F/A-18F da Boeing, pilotados por uma tripulação do Esquadrão 23 de Teste e Avaliação Aérea, juntaram-se e o MQ-25 passou um total de 325 galões de combustível para o Super Hornet em dois eventos de reabastecimento separados.

O MQ-25 carregava um depósito de reabastecimento construído pela Cobham com uma mangueira de reabastecimento tipo drogue, o mesmo usado atualmente na frota da Super Hornet. A US Navy planeja usar o MQ-25 na função de reabastecimento para liberar mais Super Hornets para operações de combate, para as quais foi projetado.

Durante uma mesa redonda de mídia em 7 de junho, o gerente do programa MQ-25 da Boeing, Dave Bujold, descreveu a sequência de eventos para o voo histórico. O F/A-18 voou em formação para observar as características dinâmicas – principalmente a estabilidade – do MQ-25. Com a avaliação de segurança concluída, o F/A-18 se aproximou e o controlador de solo do T1 lançou o drogue. Por cerca de 30 segundos, a tripulação do F/A-18 conduziu uma avaliação e observou que era muito estável. Enquanto o avião-paquera filmava, a telemetria foi coletada e o F/A-18 fez uma conexão “seca” sem transferência de combustível.

O F/A-18 recuou e depois se reconectou para uma transferência de 300 libras de combustível no compartimento de reabastecimento (o T1 não tem tubulação para transferência de combustível a partir da fuselagem, que será uma capacidade do MQ-25 de produção). As duas aeronaves fizeram outra conexão seca a 15.000 pés e então se juntaram para outra transferência bem-sucedida de 25 libras de combustível. A taxa de transferência de combustível foi de 220 galões por minuto durante o vôo de 4,5 horas.


LIVRO RECOMENDADO

Drones: Guia das aeronaves não tripuladas que estão tomando conta de nossos céus

  • Martin J. Dougherty (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Bujold observou que a tripulação do F/A-18 comentou sobre o silêncio do encontro, que com dois F/A-18 é muito barulhento.

“O voo de teste fornecerá dados iniciais importantes sobre as interações, bem como orientação e controle”, disse Reed em um comunicado da Marinha. “A equipe analisará esses dados para determinar se quaisquer ajustes são necessários e fará atualizações de software antecipadamente, sem impacto no cronograma de teste do programa.”

“O marco vem após 25 voos do T1, testando aeronaves e aerodinâmica em todo o envelope de voo, bem como extensas simulações de reabastecimento aéreo usando modelos digitais do MQ-25”, disse a Boeing em um comunicado. “O MQ-25 T1 continuará os testes de voo antes de ser enviado para Norfolk, Virgínia, para testes de operação em convés a bordo de um porta-aviões ainda este ano”.

O capitão Chad Reed, gerente do programa MQ-25 da US Navy, disse que os testes de operação de convés para o T1 estão programados para dezembro, dependendo da disponibilidade de um porta-aviões. Sem gancho, o T1 ainda não pode conduzir pousos em um porta-aviões.

Os sete MQ-25 que estão sendo construídos pela Boeing serão usados ​​em vários testes pela US Navy no início dos testes de solo no outono de 2022, incluindo lançamentos por catapulta de campo e pousos antes dos voos de um porta-aviões. Reed disse que os testes provavelmente incluirão o reabastecimento de uma aeronave de gerenciamento de batalha E-2 Hawkeye no futuro, incluindo equipes tripuladas e não tripuladas.


LIVRO RECOMENDADO

The world’s greatest aircraft carriers: An illustrated history

  • David Ross (Autor)
  • Em inglês
  • Capa dura

“Esta é a nossa missão, uma aeronave não tripulada que libera nossos caças de combate da função de reabastecedores e fornece à Ala Aérea maior alcance, flexibilidade e capacidade”, disse Reed. “Ver o MQ-25 cumprindo sua tarefa principal hoje, abastecer um F/A-18, é um momento significativo e emocionante para a US Navy e mostra um progresso concreto em direção à realização das capacidades do MQ-25 para a frota.”

“Este evento histórico é um crédito para a equipe conjunta da Boeing e da US Navy, que está empenhada em fornecer a capacidade crítica de reabastecimento aéreo do MQ-25 para a frota o mais rápido possível”, disse Leanne Caret, presidente e CEO da Boeing Defense, Espaço e Segurança, no lançamento da Boeing. “Seu trabalho é a força motriz por trás da integração segura de sistemas não tripulados no futuro imediato das operações de defesa.”

“Este vôo estabelece a base para a integração com o ambiente de porta-aviões, permitindo uma maior capacidade em relação aos conceitos de equipes tripuladas e não tripuladas”, disse o contra-almirante Brian Corey, diretor executivo do programa de aviação não tripulada e armas de ataque. “O MQ-25 aumentará muito o alcance e a resistência da futura ala aérea dos porta-aviões – equipando nossos porta-aviões com ativos adicionais no futuro.”

A US Navy mudou os planos para uma estação de controle terrestre construída pela Lockheed Martin para o o MQ-25, não apenas para proteção cibernética, mas para ter a arquitetura para o conceito Joint All-Domain Command and Control.

A US Navy contará com vários links de comunicação para controlar e executar missões para o MQ-25, disse Reed. A lista inclui o Mobile User Objective Satellite da Lockheed Martin para controle além do horizonte.

Atualmente em produção pela Boeing estão o primeiro teste MQ-25A e a primeira fuselagem de teste estático. A capacidade operacional inicial do MQ-25A está prevista para 2025.

Fonte: Seapower Magazine.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também