Como a Dinamarca se tornou o posto de escuta da NSA na Europa

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O Serviço de Inteligência Estrangeiro Dinamarquês trabalha há décadas em estreita colaboração com agentes americanos (Imagem: iStock).

O Serviço de Inteligência Estrangeiro Dinamarquês trabalha há décadas em estreita colaboração com agentes americanos (Imagem: iStock).

As revelações de que agentes dinamarqueses ajudaram a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) a monitorar líderes europeus destacaram o papel central que o país escandinavo tem desempenhado para os serviços de inteligência dos EUA, uma colaboração que se intensificou ao longo dos anos.

A Dinamarca serviu como posto avançado para agentes da NSA espionando a chanceler alemã Angela Merkel e outros políticos do Reno, bem como personalidades francesas, norueguesas e suecas entre 2012 e 2014, se não mais. Essa revelação, tornada pública em 30 de maio, foi o resultado de uma investigação da televisão pública dinamarquesa (DR), com a cooperação de vários meios de comunicação europeus, incluindo o diário francês Le Monde.

A ambição dos ciberespiões americanos que querem grampear o mundo inteiro, incluindo seus aliados, não é nova. As revelações de Edward Snowden em 2012 expuseram o amplo alcance do enorme programa de vigilância cibernética do país. A investigação da TV dinamarquesa é baseada em um relatório interno da inteligência dinamarquesa encomendado em 2013 em resposta ao escândalo de Snowden, para determinar até que ponto os Estados Unidos colocaram suas orelhas grandes em solo dinamarquês.

Membro não oficial do clube “Five Eyes”

Muitos ficaram surpresos ao saber que os EUA haviam escolhido este pequeno país no norte da Europa como base para espionar seus aliados continentais, e que o Serviço de Inteligência de Defesa Dinamarquês (FE, Forsvarets Efterretningstjeneste) concordou em colaborar com eles.

Especialistas dizem que isso não deveria ser surpresa.

“Não é tão surpreendente, e essas novas revelações apenas adicionam mais detalhes a um escândalo que estourou no ano passado na Dinamarca”, disse Flemming Splidsboel Hansen, especialista em questões de segurança internacional do Instituto Dinamarquês de Relações Internacionais, à France 24. De fato, a FE tem estado na berlinda desde a primavera de 2020 por ter permitido à NSA grampear personalidades dinamarquesas e grupos industriais.

“Na época, as autoridades foram bastante enigmáticas, dizendo apenas que lamentavam que o Serviço de Inteligência de Defesa não tivesse intervindo para impedir ‘uma potência estrangeira’ de espionar solo dinamarquês”, disse Splidsboel Hansen. Foi necessária a tenacidade da mídia local para descobrir que os espiões não identificados eram os americanos. “Esse é provavelmente o único país que pode fazer isso em nosso solo sem temer as consequências”, acrescentou Splidsboel Hansen.


LIVRO RECOMENDADO

Eterna vigilância: Como montei e desvendei o maior sistema de espionagem do mundo

  • Snowden Edward (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Se a NSA parece ser capaz de usar a Dinamarca como base para espionar a Europa com impunidade, é graças a uma longa tradição de colaboração entre os serviços de inteligência dos dois países. “A Dinamarca se tornou uma espécie de membro de fato e não oficial do clube ‘Five Eyes’ (o agrupamento dos serviços de inteligência dos cinco principais países de língua inglesa)”, escreveu o semanário dinamarquês Weekendavisen.

Cabos e guerras

A conexão entre a nação do norte da Europa e a superpotência americana remonta ao início dos anos 1990. Naquela época, Copenhague percebeu que estava sobre uma mina de ouro de espionagem: os cabos submarinos que transportavam comunicações eletrônicas entre os Estados Unidos e a Europa percorriam suas águas territoriais. A FE secretamente teve sucesso em acessá-los e foi aos serviços de inteligência dos EUA para lucrar com esse acesso. “A NSA agarrou a oportunidade”, escreveu o Süddeutsche Zeitung, o principal jornal de centro-esquerda da Alemanha.

Da mesma forma, a Dinamarca está engajada em uma política de apoio militar a Washington que quase faz o Reino Unido parecer um aliado de segunda classe. “Lutamos ao lado dos americanos na Líbia, na Síria e no Afeganistão. Você poderia dizer que somos um país beligerante, e isso tem acontecido por quase 30 anos”, disse Splidsboel Hansen.

Essa colaboração militar “necessariamente implica um aumento na troca de inteligência”, acrescentou Splidsboel Hansen.

Quando a NSA estava considerando, no final dos anos 2000, montar um data center no norte da Europa para processar algumas das informações que coleta no continente, a Dinamarca parecia a opção natural. Com a ajuda americana, o Serviço de Inteligência de Defesa construiu um grande centro de processamento de dados na ilha de Amager, a leste de Copenhague, que permitiu aos dois serviços de inteligência explorar comunicações interceptadas pela vigilância cibernética dos Estados Unidos.



O que a Dinamarca ganha em troca?

Washington valoriza seu aliado do norte da Europa ainda mais por causa de sua localização estratégica no Mar do Norte, não muito longe do Oceano Ártico, que provavelmente se tornará ainda mais importante nos próximos anos. “Acho que a colaboração aumentará ainda mais, devido às questões em torno do Ártico”, disse Splidsboel Hansen, referindo-se à crescente competição por recursos naturais entre as nações do Ártico.

Esta parceria entre agentes aliados não é uma via de mão única. “Isso permitiu que a Dinamarca tivesse inteligência americana de melhor qualidade do que a Alemanha, por exemplo”, disse Splidsboel Hansen. Também confere a Copenhague “peso político em Washington que não teríamos de outra forma”, continuou ele.

Mas isso é o suficiente? A cascata de revelações no ano passado sobre a assistência oferecida por agentes dinamarqueses a seus colegas da NSA tem um custo para a imagem do país. “Isso certamente não vai tornar as relações entre a Dinamarca e os outros estados da União Européia mais fáceis”, disse Splidsboel Hansen.

No momento, porém, ele acredita que parece ter valido o risco para as autoridades dinamarquesas. “O que importa para os líderes é o impacto na opinião pública nacional e até agora as consequências têm sido limitadas”, disse ele.

Ainda assim, se mais revelações forem reveladas, Splidsboel Hansen prevê que a pressão aumentará sobre o governo dinamarquês para provar que Washington não está apenas explorando a Dinamarca como uma torre de celular barata para seus espiões cibernéticos.

Fonte: France24.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também