Marinha dos EUA cria escritório do programa DDG (X) após anos de atrasos para substituição de grandes combatentes

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O destroier USS Pinckney (DDG 91), à frente, e o navio de combate litorâneo USS Omaha (Foto: Alex Corona/US Navy).

O destroier USS Pinckney (DDG 91), à frente, e o navio de combate litorâneo USS Omaha (Foto: Alex Corona/US Navy).

A Marinha dos EUA criou um novo escritório de programa para introduzir sua próxima classe de destróieres, depois que lutou para encontrar um substituto para seus antigos cruzadores e destróieres na última década.

O escritório do programa Guided Missile Destroyer (DDG (X), ou PMS 460, se enquadra no Escritório Executivo do Programa para Navios em Washington Navy Yard e é liderado pelo capitão David Hart. A US Navy realizou uma pequena cerimônia lá em 4 de junho, depois que o secretário adjunto interino da Marinha para Pesquisa, Desenvolvimento e Aquisição, Jay Stefany, aprovou formalmente a criação do escritório em um memorando do final de abril.

Embora a US Navy não pretenda comprar os primeiros navios DDG (X) até o ano fiscal de 2028, o escritório do programa supervisionaria o desenvolvimento de uma estratégia de aquisição e, posteriormente, seria responsável pelo projeto da classe do navio, desenvolvimento do pacote de dados técnicos, construção, testes, e planos de introdução na frota e sustentação, de acordo com um comunicado à imprensa.

Ao mesmo tempo, a Marinha tinha um fluxo de novos projetos de grandes combatentes de superfície e sistemas de combate para a frota para garantir que ela ficaria à frente das ameaças aéreas e de superfície. Por exemplo, o projeto bem-sucedido do contratorpedeiro da classe Spruance inspirou o projeto do cruzador da classe Ticonderoga, que emprestou seu Sistema de Combate Aegis ao contratorpedeiro da classe Arleigh Burke, que passou por tantas evoluções que não pode mais suportar crescimento futuro além do projeto Flight III do destroier que está em construção. Quaisquer atualizações futuras além do atual Aegis Baseline 10 e AN/SPY-6 Air and Missile Defense Radar terão que passar por um novo projeto de casco com maior espaço, peso, potência e margens de resfriamento.

E é aí que a Marinha tem lutado.

A US Navy cancelou um programa de substituição do cruzador CG (X) em 2010 porque os custos cresceram muito além do que podia pagar. A força, então, adotou uma abordagem de sistemas da família Future Surface Combatant que incluiria um grande e pequeno combatente tripulado e um grande e médio combatente não tripulado – todos os quais estão em teste ou em produção hoje, exceto o grande combatente tripulado. A data de início da aquisição do Large Surface Combatant foi adiada de 2023 para 2025 e depois para 2028, enquanto a marinha se esforça para definir o navio.

Entre os desafios da marinha está a identificação de qual capacidade ela precisa de um grande combatente e quanto está disposta a pagar – especialmente porque a força tem cada vez mais claro que as operações futuras dependerão mais fortemente de combatentes pequenos e não tripulados dispersos por todo o espaço de batalha. Nesta abordagem, menos grandes combatentes irão conduzir apenas as missões que os navios menores não podem realizar.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A principal dessas missões é transportar um grande radar e grandes mísseis. O DDG (X) provavelmente começará com o SPY-6 AMDR e o sistema de combate Aegis Baseline 10, com espaço para crescer à medida que radares mais poderosos são desenvolvidos ao longo da linha. O DDG (X) provavelmente também será solicitado a carregar mísseis hipersônicos ou outras armas de longo alcance que são muito grandes para caber nos tubos do sistema de lançamento vertical Mk 41 atuais. E será solicitado a hospedar armas de energia direcionada, ferramentas de guerra eletromagnética e outras que consomem uma grande quantidade de energia.

A marinha americana espera que sua grande frota de combatentes de superfície, que hoje é composta por cerca de 92 cruzadores e destroieres, caia para cerca de 74 no futuro, refletindo a sua preferência em fazer dos combatentes menores o burro de carga da frota e guardar os DDG para onde eles são mais necessários.

“O Destroier de Mísseis Guiados fornecerá a flexibilidade e as margens necessárias para suceder a classe DDG-51 como o próximo combatente de grande superfície da US Navy, combinando os elementos do sistema de combate DDG 51 FLT III com uma nova forma de casco, um Sistema de Energia Integrado eficiente e muito mais resistência [que reduz] a carga logística da frota”, diz o comunicado à imprensa.

Devido à importância do sistema de energia integrado para o desenvolvimento do DDG (X), o escritório do programa de Navios Elétricos da PEO Ships fará a transição para o escritório do programa DDG (X), observa o comunicado à imprensa. Dos 16 alojamentos disponíveis para o novo escritório do programa, 11 serão preenchidos por cargos titulares do escritório de Navios Elétricos.

“O Sistema de Energia Integrado DDG (X) é a base principal do navio, e o amadurecimento de maneira oportuna e econômica requer recursos dedicados e experientes nos navios PEO. A experiência [em navios elétricos] e os esforços de desenvolvimento anteriores são essenciais para o sucesso do programa DDG (X) na realização de um Sistema de Energia Integrado. Outras áreas de missão do Escritório de Navios Elétricos, como Sistemas de Potência e Energia, Desenvolvimento de Tecnologia de Energia Naval e Integração e Transição de Plataformas, são vitais para o futuro da US Navy, e os esforços continuarão sob a égide do PMS 460”, diz o comunicado à imprensa.

Ao longo deste ano fiscal em curso, observa o comunicado, a US Navy trabalhou nos esforços de projeto conceitual e começou a conversar com a General Dynamics Bath Iron Works e com o Ingalls Shipbuilding, os dois estaleiros que constroem os destróieres classe Arleigh Burke, para discutir o custo potencial, cronograma e metas de desempenho para DDG (X). O orçamento da US Navy para o ano fiscal de 2022 “financia a transição do projeto conceitual para o projeto preliminar, traz as equipes da indústria totalmente a bordo e continua as atividades de teste do sistema integrado de energia e do casco em terra para garantir a redução do risco do programa O projeto preliminar do AF22 levará ao projeto detalhado do AF26 e ao início da construção no AF28.”

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também