China diz aos EUA para “fazerem o que dizem” para melhorar o diálogo entre os militares

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Foto: EPA-EFE.

Foto: EPA-EFE.

O ministério da Defesa da China disse na quinta-feira que os Estados Unidos deveriam mostrar “sinceridade” sobre como melhorar a comunicação entre seus militares, após relatos de que as tentativas dos EUA de estabelecer negociações foram rejeitadas por Pequim.

O ministério também alertou que a estratégia do Indo-Pacífico dos EUA está “puxando a região por um caminho perigoso”, com os EUA intensificando o reconhecimento contra a China e um recente encontro próximo entre seus navios de guerra.

As tensões têm aumentado entre a China e os EUA sobre tudo, desde direitos humanos até atividades militares em Taiwan e no Mar da China Meridional, e há temores crescentes de um possível conflito armado entre as duas superpotências.

Funcionários de defesa dos EUA dizem que o relacionamento militar é tenso e que há muito procuram abrir linhas de comunicação com seus colegas chineses para mitigar uma crise potencial.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, supostamente tentou várias vezes estabelecer conversas com Xu Qiliang, o principal general da China, mas seus pedidos foram rejeitados por Pequim, alegando que os EUA haviam passado por cima do protocolo diplomático.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

O tabloide estatal Global Times disse na terça-feira que Pequim havia procurado Austin logo depois que ele assumiu o cargo e se ofereceu para marcar uma conversa com o ministro da Defesa, general Wei Fenghe.

Isso não aconteceu e a insistência de Austin em falar com Xu, vice-presidente da Comissão Militar Central, ofendeu o ministério da Defesa chinês, que vê seu homólogo como Wei e não Xu, de acordo com fontes militares. Xu é o número dois no CMC depois do presidente Xi Jinping.

O porta-voz do Ministério da Defesa, Tan Kefei, disse na quinta-feira que os dois militares ainda estavam conversando. “Por muito tempo, os militares chineses e americanos mantiveram a comunicação por meio de vários canais, incluindo uma linha direta entre os dois ministérios da defesa”, disse Tan a repórteres.

Em um pedido dos EUA para estabelecer uma linha direta de crise, Tan disse que os EUA “não deveriam alegar que querem estabelecer uma linha direta enquanto continuam aumentando sua presença militar na Ásia-Pacífico, aumentando a atividade de reconhecimento contra a China e até mesmo criando intencionalmente um perigoso encontro próximo entre navios de guerra”.

“Pedimos aos EUA que façam o que dizem, mostrem sinceridade e encontrem o lado chinês no meio do caminho para fortalecer o diálogo e a comunicação e administrar adequadamente as disputas”, disse ele.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O ministério da defesa disse anteriormente que o aumento das atividades de reconhecimento dos EUA perto da costa da China levou a um incidente no início de abril, quando o destroier de mísseis guiados USS Mustin teve que ser avisado enquanto conduzia um “reconhecimento de perto” do porta-aviões chinês Liaoning e seu grupo de batalha.

Tan também negou as afirmações feitas pelo chefe da Força Espacial dos EUA de que a China e a Rússia desenvolveram “armas que podem interromper ou destruir nossos satélites, seja no solo ou no espaço, ou no ciberespaço”. O general John W. “Jay” Raymond, chefe de operações espaciais da Força Espacial dos EUA, fez as afirmações em uma entrevista ao The Washington Post no início deste mês.

Tan disse que eram uma desculpa para os EUA aumentarem suas forças armadas e que a China se opõe a uma corrida armamentista no espaço sideral. “São os Estados Unidos que definem o espaço sideral como um campo de batalha, construindo uma força espacial independente e frequentemente organizando exercícios no espaço sideral”, disse ele.

Tan também disse que o “armamento do espaço sideral” se tornou uma ameaça iminente à segurança global e que os EUA deveriam assumir a maior parte da responsabilidade por isso.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também