China rejeitou telefonemas de Lloyd Austin “depois que o secretário de defesa dos EUA solicitou a pessoa errada”

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O secretário de Defesa Lloyd Austin, à esquerda (Foto: AP).

O secretário de Defesa Lloyd Austin, à esquerda (Foto: AP).

Mal-entendidos e desacordos de protocolo afetaram o diálogo entre os militares chineses e norte-americanos, mas sem causar uma crise imediata, segundo analistas.

Uma fonte militar chinesa disse que houve um mal-entendido quando o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, pediu para falar com o vice-presidente da Comissão Militar Central Chinesa (CMC), Xu Qiliang, ofendendo o ministério da defesa chinês.

Falando sob condição de anonimato, citando a delicadeza do assunto, a fonte disse que a contraparte de Austin deveria ser o ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, ao invés de Xu – o número 2 no CMC abaixo do presidente Xi Jinping, que preside o órgão.

“Tanto Xu quanto Wei se reportam a Xi, mas no protocolo diplomático, a contraparte de Austin é Wei”, disse a fonte. “O Pentágono percebeu isso quando [os predecessores de Austin] Mark Esper e James Mattis estavam no cargo.”

O Financial Times relatou que Pequim rejeitou em três ocasiões os pedidos de Austin para falar com Xu por telefone, citando uma fonte anônima do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Na segunda-feira, o tabloide nacionalista chinês Global Times disse que o Pentágono “não seguiu o protocolo diplomático”.

Especialistas em relações internacionais da China disseram que os canais de comunicação entre os governos dos dois países e os militares foram quase suspensos desde as acaloradas negociações entre seus principais diplomatas no Alasca, em março.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Nessas negociações, o principal diplomata chinês Yang Jiechi, que ultrapassa o ministro das Relações Exteriores Wang Yi, disse ao secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e ao conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, que a China não aceitaria acusações injustificadas dos EUA.

Outros observadores discordaram que o pedido de Austin quebrou o protocolo diplomático e foi a causa de uma falha nos canais de comunicação. Zhu Feng, professor de relações internacionais da Universidade de Nanjing, disse que o contexto é mais importante do que os cargos.

“Os dois países não se importariam com os títulos oficiais de seus parceiros de negociação, mas com sua autoridade executiva”, disse Zhu. “As disputas atuais indicam que os dois países chegaram a um estágio em que os dois lados precisam se relacionar melhor.”

Shi Yinhong, professor de relações internacionais da Universidade Renmin em Pequim, disse que profundas divisões entre Xi e seu homólogo americano Joe Biden causaram a interrupção da comunicação.

“É compreensível que o ministério da defesa chinês rejeite pedidos de seus homólogos americanos durante sua competição acirrada, com Pequim sentindo que seu resultado financeiro foi desafiado pelos EUA”, disse Shi, referindo-se aos esforços de Washington para promover um relacionamento mais próximo com Taiwan e suas sanções contra Pequim por supostas violações dos direitos humanos em Xinjiang.

“Todos esses argumentos causaram o fracasso em estabelecer mecanismos regulares de comunicação nos governos e militares de ambos os lados desde que Biden assumiu o cargo em janeiro.”


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

No início deste mês, Kurt Campbell, coordenador Indo-Pacífico de Biden, disse que linhas diretas entre os dois países simplesmente tocaram em “salas vazias”, levantando preocupações de que a ausência de um canal de comunicação de crise poderia levar a conflitos militares, possivelmente desencadeados por tensões em o Estreito de Taiwan e o Mar da China Meridional.

Os EUA enviaram neste ano cinco navios militares pelo Estreito de Taiwan e realizaram três operações de liberdade de navegação no Mar da China Meridional, além de consolidar esforços com seus aliados para uma presença mais forte na região.

No entanto, Shi disse que, desde o final de abril, houve alguns indícios de que os principais líderes em Pequim e Washington haviam coincidentemente ordenado que suas tropas da linha de frente fossem contidas durante os encontros e engajamento na região.

“Apesar de sua guerra de palavras, tanto o Exército de Libertação Popular quanto seus colegas americanos são bastante cuidadosos para evitar qualquer movimento provocativo para inflamar um ao outro”, disse Shi, acrescentando que a Marinha dos EUA até agora não havia cruzado a linha mediana no Estreito de Taiwan.

A fonte militar concordou com Shi, dizendo que o PLA espera que a marinha e a força aérea americanas retornem ao Mar do Sul da China para seus exercícios regulares de verão no próximo mês.

“Depois de vários anos de encontros na região, os militares dos dois países estão se acostumando com a presença um do outro”, disse a fonte. “Seus navios de guerra e aeronaves manteriam distâncias seguras durante os combates para evitar a ocorrência de quaisquer acidentes em potencial.”

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também