Oficial do Hamas prevê cessar-fogo em dias; Israel e Gaza continuam os ataques

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Foto tirada de Sderot, no sul de Israel, na fronteira com Gaza, mostra foguetes disparados pelo sistema de defesa anti-mísseis Iron Dome de Israel, em 13 de maio de 2021 (Foto: Emmanuel Dunand/AFP).

Foto tirada de Sderot, no sul de Israel, na fronteira com Gaza, mostra foguetes disparados pelo sistema de defesa anti-mísseis Iron Dome de Israel, em 13 de maio de 2021 (Foto: Emmanuel Dunand/AFP).

O presidente dos EUA, Joe Biden, exortou o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu a buscar uma “desaceleração” na quarta-feira no caminho para um cessar-fogo. Uma fonte de segurança egípcia disse que os lados concordaram em princípio com um cessar-fogo após a ajuda de mediadores, mas que os detalhes ainda estavam sendo negociados em segredo.

“Acho que os esforços contínuos em relação ao cessar-fogo terão sucesso”, disse o oficial político do Hamas, Moussa Abu Marzouk, à TV libanesa al-Mayadeen. “Espero que um cessar-fogo seja alcançado dentro de um ou dois dias, e será baseado em acordo mútuo.”

A televisão Aljazeera, do Catar, informou que o enviado de paz da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland, estava se encontrando com o chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, no Catar.

Mas a luta continuou com Israel e os militantes islâmicos expressando desafio. Israel realizou mais de uma dúzia de ataques aéreos em Gaza depois da meia-noite, incluindo dois que destruíram duas casas no sul do enclave. Médicos disseram que quatro pessoas ficaram feridas em um ataque aéreo na cidade de Khan Younis, no sul de Gaza.

Os militares israelenses disseram que suas aeronaves na quinta-feira atingiram o que eles chamam de “unidade de armazenamento de armas” localizada na cidade de Gaza, casa de um oficial do Hamas, e “infraestrutura militar localizada nas residências” de outros comandantes do Hamas, incluindo Khan Younis.

Sirenes de foguetes soaram na manhã de quinta-feira na cidade de Beersheba, no sul de Israel, e em áreas na fronteira com Gaza. Não houve relatos imediatos de vítimas ou danos.


LIVRO RECOMENDADO

A porta dos leões: Nas linhas de frente da Guerra dos Seis Dias

  • Steven Pressfield (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Desde o início dos combates em 10 de maio, as autoridades de saúde palestinas dizem que 228 pessoas foram mortas em bombardeios aéreos que pioraram a já terrível situação humanitária de Gaza.

As autoridades israelenses estimam em 12 o número de mortos em Israel, onde repetidos ataques de foguetes causaram pânico e enviaram pessoas apressadamente para abrigos.

Biden busca “redução significativa”

Netanyahu saudou repetidamente o que descreveu como o apoio dos Estados Unidos, o principal aliado de Israel, ao direito de autodefesa do país na luta contra os ataques de Gaza, onde vivem dois milhões de palestinos. Mas Biden avisou o líder israelense em um telefonema de que era hora de diminuir a intensidade do conflito.

“O presidente comunicou ao primeiro-ministro que esperava uma desaceleração significativa hoje no caminho para um cessar-fogo”, disse a porta-voz da Casa Branca Karine Jean-Pierre a repórteres na quarta-feira.

Washington e várias capitais do Oriente Médio buscaram o fim da violência por meio da diplomacia. Os 193 membros da Assembleia Geral das Nações Unidas deveriam se reunir na quinta-feira com a participação de vários ministros das Relações Exteriores, mas não se esperava uma ação.

A missão dos EUA disse que não apoiaria um impulso francês por uma resolução no Conselho de Segurança da ONU, de 15 membros, dizendo acreditar que tais ações “minariam os esforços para diminuir” a violência.


LIVRO RECOMENDADO

Hamas: Um guia para iniciantes

  • Khaled Hroub (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

O Hamas começou a disparar foguetes em 10 de maio em retaliação ao que chamou de abusos dos direitos israelenses contra os palestinos em Jerusalém durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã.

Os ataques com foguetes seguiram-se a confrontos da polícia israelense com fiéis na Mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém e a um processo judicial por colonos israelenses para expulsar palestinos de um bairro em Jerusalém Oriental anexada a Israel.

As hostilidades são as mais sérias entre o Hamas e Israel em anos e, distanciando-se dos conflitos anteriores em Gaza, ajudaram a alimentar a violência nas ruas de cidades israelenses entre judeus e árabes. O conflito também se espalhou para a fronteira Israel-Líbano e alimentou a violência na Cisjordânia ocupada.

Quatro foguetes foram lançados contra Israel do Líbano na quarta-feira, o terceiro incidente desde o início do conflito em Gaza, disseram os militares. Não houve reivindicação de responsabilidade.

Na Cisjordânia, tropas israelenses mataram a tiros uma mulher palestina que, segundo os militares, disparou um rifle contra soldados e civis. Pelo menos 21 palestinos foram mortos em confrontos com tropas israelenses ou outros incidentes na Cisjordânia desde 10 de maio, disseram autoridades palestinas.

Fonte: França 24.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também