China ataca “provocação” da US Navy depois que navio de guerra transita pelo Estreito de Taiwan

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
A Marinha dos EUA disse que o destroier USS Curtis Wilbur conduziu um “trânsito de rotina no Estreito de Taiwan” (Foto: AFP).

A Marinha dos EUA disse que o destroier USS Curtis Wilbur conduziu um “trânsito de rotina no Estreito de Taiwan” (Foto: AFP).

A Marinha dos Estados Unidos enviou um navio de guerra pelo sensível estreito de Taiwan na terça-feira – o quinto trânsito desse tipo desde que o presidente Joe Biden assumiu o cargo em janeiro – provocando um protesto furioso do Exército de Libertação Popular da China.

Analistas disseram que os trânsitos da Marinha dos EUA pela hidrovia estão se tornando a norma, assim como os alertas do PLA em resposta, e que aumentam o risco de conflito devido às tensões e falta de comunicação entre os dois lados.

A 7ª Frota da Marinha dos EUA disse que o destroier de mísseis guiados classe Arleigh Burke, USS Curtis Wilbur, realizou um “trânsito de rotina no Estreito de Taiwan” na terça-feira, de acordo com a lei internacional.

“O trânsito do navio pelo Estreito de Taiwan demonstra o compromisso dos EUA com um Indo-Pacífico livre e aberto”, disse o comunicado. “Os militares dos EUA continuarão a voar, navegar e operar em qualquer lugar que a lei internacional permitir.”

O porta-voz do PLA Eastern Theatre Command, coronel Zhang Chunhui, classificou a última passagem pelo estreito de “uma provocação”. “O movimento dos EUA envia sinais errados para as forças de independência de Taiwan, deliberadamente perturbando e sabotando a situação regional e colocando em risco a paz e a estabilidade em todo o Estreito de Taiwan”, disse ele.



Pequim considera o governo autônomo de Taiwan parte de seu território e não renunciou ao uso da força para re-colocá-lo sob controle do continente.

Enquanto o destroier transitava pelo estreito, uma patrulha antissubmarina dos EUA, uma aeronave de reconhecimento e um avião espião sobrevoavam o Mar do Sul da China, de acordo com o South China Sea Strategic Situation Probing Initiative. O think tank baseado em Pequim, que monitora a atividade militar na região, twittou que a aeronave estava “provavelmente fornecendo o apoio de inteligência para o navio de guerra”.

Shi Yinhong, professor de relações internacionais da Universidade Renmin da China em Pequim, disse que tanto o PLA quanto os militares dos EUA reconhecem que o estreito de Taiwan pode se tornar “um lugar perigoso” se as tensões continuarem a aumentar.

“O risco está se intensificando, já que quase todos os canais de comunicação estão travados desde o primeiro telefonema entre o presidente chinês Xi Jinping e Biden [em fevereiro] e a reunião China-EUA em Anchorage, Alasca”, disse ele, referindo-se às acaloradas negociações entre funcionários em março.

“Mas parece que os dois militares estão usando outra abordagem … com trânsitos de rotina e avisos se tornando a norma desde então.” Shi disse que o fato de a resposta ter vindo do PLA, e não do Ministério da Defesa chinês, significa que “a situação não é tão ruim”.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

O Comando do Teatro Oriental do PLA – que é responsável pela costa leste e pelo estreito que separa a China continental de Taiwan – fez uma declaração semelhante depois que os EUA enviaram o destroier de mísseis guiados USS John Finn através da hidrovia em março.

O especialista em defesa e comentarista da mídia em Taipé, Chi Le-yi, disse que a passagem do navio de guerra pode ser vista como uma mensagem de que Washington manterá sua promessa de manter a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan.

“O trânsito dos EUA visa alertar o Partido Comunista Chinês para não calcular mal a situação atual, e também é uma exortação o PLA para não ser precipitado”, disse Chi.

Ele observou que o navio de guerra dos EUA evitou cruzar a linha mediana do estreito, a fronteira não oficial entre Taiwan e a China continental.

“Se os navios de guerra dos EUA ultrapassarem a linha média, o PLA terá uma desculpa para dar uma resposta crítica”, disse Chi.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também