Armênia acusa o Azerbaijão de nova infiltração territorial

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Soldado armênio perto do vilarejo de Taghavard, em Nagorno-Karabakh (Foto: Artem Mikryukov/Reuters).

Soldado armênio perto do vilarejo de Taghavard, em Nagorno-Karabakh (Foto: Artem Mikryukov/Reuters).

O líder da Armênia acusou as tropas do Azerbaijão de cruzar a fronteira sul e tentar reivindicar o território em uma nova escalada de tensões entre os inimigos regionais.

Nikol Pashinyan, o primeiro-ministro interino do país, convocou uma reunião de emergência de seu conselho de segurança na quinta-feira, dizendo que o exército do Azerbaijão avançou mais de três quilômetros no sul da Armênia.

Ele disse que seu vizinho estava tentando “sitiar” o Lago Sev Lich, que é compartilhado pelos dois países. “É uma usurpação do território soberano da República da Armênia”, disse Pashinyan. “Este é um ato de infiltração subversiva.”

Ele disse que os soldados armênios responderam com “manobras táticas apropriadas”, mas enfatizou que as últimas tensões devem ser resolvidas por meio de negociações. O ministério da defesa da Armênia disse que o lado armênio impediu o avanço do Azerbaijão e forçou suas tropas a retornar às suas posições.

O Ministério das Relações Exteriores do Azerbaijão rejeitou as acusações na noite de quinta-feira, dizendo que o Azerbaijão estava reforçando sua própria fronteira e está comprometido em aliviar as tensões na região.

Ele classificou a reação da Armênia aos acontecimentos como “inadequada” e “provocativa”, acrescentando que as autoridades do Azerbaijão estavam conversando com os guardas de fronteira armênios.

“As medidas para fortalecer o sistema de proteção de fronteira implementado dentro da integridade territorial do Azerbaijão são realizadas com base em mapas disponíveis para cada um dos lados que definem a linha de fronteira entre a Armênia e o Azerbaijão”, diz o comunicado do Azerbaijão.

“Desde a reconquista da independência, não houve fronteira estatal entre os dois países por motivos óbvios, e por isso falamos do complicado processo técnico, que atualmente é acompanhado por desentendimentos entre as partes.”


LIVRO RECOMENDADO

Uma viagem pelos países que não existem

  • Guilherme Canever (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Conflito de seis semanas

No ano passado, a Armênia e o Azerbaijão entraram em guerra pela região de Nagorno-Karabakh. O conflito de seis semanas deixou cerca de 6.000 mortos e terminou depois que a Armênia cedeu áreas de território que controlava por décadas.

Os Estados Unidos – uma das três nações do chamado “Grupo de Minsk” que lidera a diplomacia em Nagorno-Karabakh – disseram na quinta-feira que estão “acompanhando de perto” o aumento das tensões.

“Entendemos que a comunicação entre as partes está em andamento e pedimos moderação para desescalar a situação pacificamente”, postou o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, no Twitter.

Pashinyan está sob uma pressão tremenda para lidar com o conflito. Ele renunciou em abril enquanto permanecia como interino, preparando o cenário para uma eleição parlamentar de 20 de junho com o objetivo de acalmar a crise política.

Moscou intermediou um acordo de paz entre a Armênia e o Azerbaijão, mas as tensões persistem. No mês passado, Yerevan e Baku trocaram acusações de abrir fogo em Karabakh e ao longo de sua fronteira comum.

Os armênios étnicos declararam independência da região de Nagorno-Karabakh, no Azerbaijão, e tomaram o controle do enclave montanhoso em uma guerra brutal na década de 1990 que deixou dezenas de milhares de mortos e forçou centenas de milhares a deixar suas casas.

Fonte: Aljazeera.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também