Nem Israel nem o Hamas recuarão

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Foguetes são lançados em direção a Israel de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, em 12 de maio de 2021 (Foto: Said Khatib/AFP).

Foguetes são lançados em direção a Israel de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, em 12 de maio de 2021 (Foto: Said Khatib/AFP).

O ministro das Relações Exteriores egípcio, Sameh Shoukry, não poderia ter sido mais claro. “Nossas conversas com Israel não produziram os resultados desejados”, disse ele na terça-feira em uma reunião de emergência dos ministros das Relações Exteriores da Liga Árabe. Os esforços do Cairo não deram frutos, foram rejeitados com educação, mas com firmeza. De acordo com fontes egípcias citadas na mídia árabe, a frieza de Israel levou o Egito a apoiar a escalada, encorajando o Hamas a continuar seus ataques da Faixa de Gaza enquanto instruía a mídia egípcia a não criticar o grupo.

Os porta-vozes do Hamas deixaram claras as condições de seu “ultimato” a Israel: Remover as forças do complexo da Mesquita de Al Aqsa e do Sheik Jarrah e libertar todos os ativistas presos nos últimos dias, ou então o lançamento de foguetes continuará. Se os relatos sobre a ira dos egípcios estiverem corretos e o Hamas estiver livre para agir, então o movimento que lidera a Faixa de Gaza está sujeito aos termos de seu ultimato – especialmente considerando que está exigindo mudanças de política que Israel não está disposto a fazer.

A experiência mostra, no entanto, que as posições iniciais do Hamas e de Israel geralmente são apenas isso, e não ofertas finais. Além disso, nenhum deles pode tolerar um confronto militar prolongado.

Embora houvesse consternação em Israel de que o Hamas ousou lançar um ultimato, os líderes do Fatah na Autoridade Palestina temem que o patrocínio do Hamas às tensões em Jerusalém os coloque de lado como líderes da crise. As tensões de Jerusalém, que incluem a saga Sheikh Jarrah e os confrontos no Monte do Templo “caíram nas mãos do Hamas como frutas maduras para a colheita”, disse ao Haaretz um agente do Hamas que vive em Hebron. “Desde que Mahmoud Abbas cancelou as eleições parlamentares palestinas no mês passado em vingança pela recusa de Israel em permitir eleições em Jerusalém, o Hamas tem pressionado para reverter a decisão.”

Ismail Haniyeh, o chefe do gabinete político do Hamas, estendeu a mão ao emir xeque Tamim bin Hamad Al Thani do Catar, pedindo-lhe que pressionasse o presidente palestino. Haniyeh também falou com altos funcionários egípcios e até tentou recrutar o presidente turco Recep Tayipp Erdoğan para a causa.


LIVRO RECOMENDADO

Os israelenses: Pessoas comuns em uma terra extraordinária

  • Donna Rosenthal (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Esses esforços, obviamente, não deram frutos. Abbas se manteve firme, o Hamas denunciou e protestou, mas entendeu que teria que esperar a próxima oportunidade. E então as tensões começaram e, graças à má gestão de Israel, o Hamas identificou uma oportunidade de destituir a instável AP como guardiã dos lugares sagrados e consolidar seu lugar como líder da crise.

Assim, a velha equação segundo a qual o Hamas é apenas responsável por Gaza, e Jerusalém é um assunto interno de Israel – que nem mesmo os amigos de Israel nos Estados Unidos e na Jordânia têm espaço para intervir, essa divisão absoluta, que permaneceu na base da diplomacia de Israel desde 2007, derreteu e não apenas por causa do que parece ser a nova política do Hamas em relação a Jerusalém. Porque quando Israel está administrando seu campo de batalha contra o Hamas por causa do disparo de mísseis, e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu define a linha vermelha como foguetes em Jerusalém e não na área de fronteira de Gaza, ele dá legitimidade à posição do Hamas como representante da “questão de Jerusalém”.

O Hamas, aliás, nunca desistiu de seu papel em Jerusalém Oriental ou na luta pelo Monte do Templo, e por sua própria estimativa não cruzou a linha vermelha. Israel é quem definiu este ataque como uma linha vermelha, apesar do fato de Jerusalém já ter sido alvo de foguetes em conflitos anteriores.

Nesse equilíbrio diplomático de poder, não importa quem negocia o cessar-fogo, seja Egito, Estados Unidos ou uma combinação de mediadores árabes e americanos. Qualquer fórmula dará crédito ao Hamas, que se apropriou do conflito violento. Quer sejam realizadas eleições palestinas ou não, o Hamas se estabeleceu em Jerusalém.

Isso é particularmente preocupante para a Jordânia, a Autoridade Palestina e o Egito. Enquanto Israel “usar” o Hamas para administrar a Faixa de Gaza e renunciar à responsabilidade pela ocupação da Faixa, deixando o Hamas comandar o show, e até mesmo permitindo que recebesse milhões de dólares do Catar, para a Jordânia e a AP este desenvolvimento é uma perda de poder político e diplomático.

Para o Egito, que controla o Hamas e a Faixa através das passagens de fronteira com o território, o fortalecimento do Hamas em Jerusalém expande a influência do Catar e da Turquia, seus rivais, na questão palestina.


LIVRO RECOMENDADO

Hamas: Um guia para iniciantes

  • Khaled Hroub (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Até poucas semanas atrás, era inimaginável que o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, e seu homólogo egípcio, conversassem sobre qualquer coisa, muito menos sobre os palestinos. Nesta semana, eles já falaram sobre restaurar a calma em Jerusalém e Gaza. Dado o novo status do Catar e da Turquia como “países kosher”, Cavusoglu até visitou a Arábia Saudita e se encontrou com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. Eles discutiram o “problema palestino”, enquanto o emir do Catar chegava ao reino onde foi calorosamente recebido pelo príncipe herdeiro. Esses líderes têm suas próprias razões para se encontrar, que se originam da nova atitude conciliatória da Arábia Saudita para com seus vizinhos, incluindo o Irã.

Agora, os conflitos em Gaza e Jerusalém, bem como o status do Hamas, geraram um denominador comum digno entre esses ex-rivais. Todos esses chefes de estado, incluindo o Egito, deram as mãos para condenar Israel.

Em circunstâncias diferentes, teria sido possível para Israel e o Hamas apresentar uma imagem de vitória até agora. Eles podem ter sido capazes de demonstrar, como de costume, um equilíbrio imaginário de realizações e formular um novo acordo de cessar-fogo.

Mas Israel é atualmente governado por um governo e um primeiro-ministro que estão lutando por suas vidas políticas. Cada ataque aéreo da Força Aérea de Israel, cada baixa em Gaza, não visa apenas demonstrar a vitória sobre o Hamas. Eles agora fazem parte de um equilíbrio de poder político interno que visa provar qual regime político pode lidar melhor com a guerra e quais ameaças à segurança o país enfrentaria se fosse controlado por um governo “de esquerda”.

O primeiro-ministro que ganhou o título de “o líder mais anti-guerra da história de Israel” agora parece que está tentando se livrar do título o mais rápido possível, enquanto ameaça sua posição política. Esse é o verdadeiro desafio que os mediadores que tentam alcançar um cessar-fogo terão que enfrentar.

Fonte: Haaretz.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também