EUA estendem a mão ao Egito por causa da violência entre Israel e Palestina

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Pessoas se reúnem em meio aos escombros em frente à torre Al-Sharouk, que desabou após ser atingida por um ataque aéreo israelense, na Cidade de Gaza, em 12 de maio de 2021 (Foto: Mohammed Abed/AFP).

Pessoas em meio aos escombros em frente à torre Al-Sharouk, que desabou após ser atingida por um ataque aéreo israelense, na Cidade de Gaza, em 12 de maio de 2021 (Foto: Mohammed Abed/AFP).

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, falou com oficiais do governo egípcio ontem sobre a recente explosão de violência entre Israel e grupos militantes palestinos em Gaza.

“Eles discutiram medidas para restaurar a calma nos próximos dias e concordaram em manter contato próximo”, dizia um comunicado do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos. Não mencionou o nome dos funcionários egípcios.

A chamada veio no mesmo dia em que Sullivan falou com o conselheiro de segurança nacional de Israel, Meir Ben Shabbat, para condenar os ataques com foguetes do Hamas contra Israel e prometer “apoio inabalável à segurança de Israel e ao seu legítimo direito de defender a si mesmo e a seu povo, ao mesmo tempo em que protege os civis”.

O telefonema parece ser o primeiro esforço tangível da administração dos EUA para resolver a violência, que aumentou rapidamente na segunda-feira quando o Hamas e a Jihad Islâmica Palestina dispararam mais de mil foguetes contra Israel, atraindo uma rápida retaliação das Forças de Defesa de Israel.

O governo do presidente Joe Biden está sendo criticado por sua resposta morna ao último surto de conflito.

Os sinais de alerta ficaram visíveis por semanas. Violentas altercações de rua abalaram Jerusalém enquanto colonos israelenses avançavam em uma manobra legal para remover famílias palestinas de suas casas no bairro de Sheikh Jarrah, no leste de Jerusalém.


LIVRO RECOMENDADO

Filho do Hamas

  • Mosab Hassan Yousef (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Na semana passada, as forças israelenses mataram dois palestinos perto de Jenin, na Cisjordânia, no que as IDF disseram ser um ataque às suas forças. A barragem estourou na segunda-feira, depois que a polícia israelense fez uma batida no complexo da mesquita de Al Aqsa em resposta a atiradores de pedras, supostamente ferindo mais de 300 palestinos no processo.

Pelo menos 35 palestinos foram mortos no último surto de violência, incluindo pelo menos 10 crianças. Mais de 200 palestinos ficaram feridos na noite de terça-feira. Cinco civis israelenses foram mortos e mais de 200 feridos.

O que vem a seguir: não está claro se os governos do Hamas ou do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu têm vontade política para parar os combates ainda.

Netanyahu está enfrentando um desafio político de uma coalizão de vários partidos da oposição, cujas diferenças políticas sobre o conflito podem aumentar à medida que avança.

As IDF disseram na quarta-feira que mataram um comandante do Hamas em ataques aéreos em Gaza apenas um dia depois de anunciar o assassinato do maior especialista em foguetes da Jihad Islâmica Palestina.

Fonte: Al-Monitor.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também