Peças canibalizadas e sistemas sem conserto: os problemas de manutenção dos LCS podem piorar, alerta o GAO

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Relatório de agência do governo adverte que o sistema da Marinha para manter navios de combate litorâneos pode levar a desafios ainda mais difíceis (Foto: US Navy).

Relatório de agência do governo adverte que o sistema da US Navy para manter os navios de combate litorâneos pode levar a desafios ainda mais difíceis (Foto: US Navy).

Quando começaram a preencher as fileiras da frota de superfície, 13 anos atrás, os LCS (navios de combate litorâneos) da US Navy eram classificados como embarcações ágeis e eficientes, capazes de realizar uma variedade de missões.

Parte dessa eficiência envolvia pequenas equipes, o que por sua vez exigia grande dependência de empreiteiros de defesa até mesmo para manutenção de rotina.

Mas tais escolhas levaram a classe a enfrentar desafios de manutenção não vistos em outras partes da frota, problemas que podem colocar em risco a capacidade de tais navios de sair da manutenção a tempo e, portanto, diminuir o número de navios disponíveis para operações, de acordo com um recente Relatório do GAO (Government Accountability Office).

Os investigadores do GAO descobriram que a US Navy nem mesmo sabe como consertar muitos dos sistemas comerciais a bordo do LCS e está começando a pagar aos fabricantes desses sistemas pelos dados necessários para solucionar e corrigir problemas nos navios.

Em um caso, uma peça quebrada a bordo de um LCS foi substituída por uma peça de trabalho canibalizada de outro LCS porque o fabricante da peça “não tinha um procedimento para consertá-la”, de acordo com o GAO. “Com isso, a marinha teve que pegar a peça de outro navio para consertar o primeiro e guardar a peça quebrada”, afirma o relatório.

Mas mesmo enquanto a marinha trabalha para melhorar na manutenção de seus próprios navios de combate litorâneos, os contratados ainda terão que voar ao exterior para realizar a manutenção de rotina, resultando em custos de viagem cobrados do governo que variam de alguns milhares de dólares a mais de um milhão, afirma o relatório.

Como os fabricantes originais são os únicos que sabem como consertar determinados sistemas, a falta de reparadores disponíveis também pode colocar em risco os cronogramas de manutenção do LCS, descobriu o GAO.

“Esses desafios colocam pressão sobre o cronograma de manutenção planejada para os LCS e os efeitos são provavelmente exacerbados à medida que um número maior de navios inicia as operações e entra no ciclo de manutenção”, escreveu o GAO.



Os problemas de manutenção dos LCS relatados pelo GAO ocorrem quando a marinha lida com um problema de transmissão de engrenagem combinada em toda a classe na variante Freedom.

Os módulos de missão LCS há muito prometidos também não se materializaram nos navios, o que significa que a classe ainda não assumiu a diversidade de missões para as quais foi destinada.

O Chefe de Operações Navais, almirante Michael Gilday, disse à Defense News no mês passado que a marinha está trabalhando para trazer mais manutenção LCS de volta para a marinha e para longe dos contratados como parte de um esforço para controlar os custos de operação dos navios.

“Então, se você olha os números hoje, os custos são muito altos, especialmente em comparação com um DDG [destroier de mísseis guiados]”, disse Gilday. “Mas o que estamos tentando fazer é passar de um modelo de manutenção centrado nos empreiteiros para um modelo de manutenção centrado na marinha.”

O relatório do final de abril do GAO observa que o LCS inclui vários sistemas comerciais que não são usados ​​em outros navios da marinha, e que os fabricantes não forneceram o serviço com os dados técnicos para manter tais sistemas, o que significa que a marinha está voando às cegas quando se trata de componentes em seus próprios navios.

Essa falta de dados pode levar a períodos de manutenção mais longos devido à coordenação extra necessária para os fabricantes auxiliarem ou concluírem esse trabalho, de acordo com o GAO. “Embora a marinha esteja estabelecendo equipes de seu pessoal para realizar a manutenção de rotina, os empreiteiros continuarão realizando parte desse trabalho”, afirma o relatório do GAO.

O GAO analisou 18 pedidos de entrega de manutenção de LCS do ano fiscal de 2018 a abril de 2020 e descobriu que a marinha “teve que contratar mais reparos do que o planejado originalmente, aumentando o risco de concluir a manutenção de LCS dentro do cronograma”.

“A maior parte desse trabalho não planejado ocorreu porque a marinha não entendeu totalmente a condição do navio antes de iniciar a manutenção”, escreveu o GAO, acrescentando que a marinha está começando a coletar dados de manutenção sistematicamente para planejar com mais precisão esse trabalho.

O relatório do GAO encontrou “trabalho não planejado significativo” entre os pedidos de entrega examinados, “indicando uma maior probabilidade de risco de custo e cronograma na conclusão da manutenção dos LCS”.

Os LCS estão lutando com várias instâncias de manutenção não planejada – conhecidas como “trabalho de crescimento” – mesmo quando se trata de trabalhos de rotina, aumentando o risco de custos mais altos e atrasos de cronograma, escreveu o GAO. “Um oficial sênior de manutenção da marinha afirmou que a quantidade de trabalho de crescimento para LCS é ‘inacreditável’”, afirma o relatório.


LIVRO RECOMENDADO

Arrume a sua cama: Pequenas coisas que podem mudar a sua vida… e talvez o mundo

  • William H. McRaven
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Em sua análise de 18 pedidos de entrega LCS – 16 dos quais eram para manutenção secundária ou de rotina – o GAO descobriu que havia 651 solicitações de mudança de contrato para o trabalho de crescimento, e que 52% dessas solicitações envolviam trabalho que surgiu apenas depois que o navio estava em disponibilidade.

A relativa novidade dos navios e suas operações limitadas significa que a marinha não teve oportunidades suficientes para coletar dados sobre o trabalho de crescimento, de acordo com o GAO.

A estratégia de aquisição e sustentação dos LCS consiste em “uma forte dependência de empreiteiros, ao invés de marinheiros, para todos os tipos de manutenção”, escreveu o GAO, uma configuração que requer empreiteiros para manutenção de rotina e uma forte dependência de fabricantes de sistemas comerciais.

Esses empreiteiros de manutenção, mencionados no relatório como “equipes aéreas”, viajam para o exterior para realizar até mesmo pequenas manutenções de de rotina, dando à empresa, já cara, um preço ainda mais alto.

Por depender fortemente de sistemas comerciais a bordo dos LCS e permitir que os empreiteiros determinem quais sistemas foram usados ​​em seus projetos, a marinha não tem acesso consistente às informações técnicas necessárias para manter tais sistemas, de acordo com o GAO. O GAO informou em março de 2020 que, como o programa LCS planejava usar a manutenção contratada, a marinha nunca comprou a documentação técnica necessária para manter os sistemas dos navios.

“Esse acesso limitado às informações contrasta com outras classes de navios que possuem sistemas que proporcionam à marinha maior acesso aos dados técnicos para informar as tarefas de manutenção”, afirma o relatório.

Os fabricantes originais também colocaram marcações em dados que obscurecem “informações importantes”, e a marinha “teve que trabalhar com sua equipe jurídica para remover essas marcações e obter os direitos necessários às informações”. “Isso requer mais tempo e estende o processo de manutenção”, escreveu o GAO.

A marinha começou recentemente a trabalhar com os fabricantes para adquirir dados de manutenção sobre os navios e criou uma “equipe de ataque” no verão passado para lidar com as falhas do sistema LCS, mas o GAO observa que a marinha só recentemente começou a financiar esforços que envolvem planos para substituir os sistemas comerciais dos LCS por sistemas próprios da marinha.

Fonte: Navy Times.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também