A China, uma vítima?

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Veículo militar com míssil DF-21D passando por uma tela com imagem da Grande Muralha da China em Pequim após um desfile militar (Foto: Greg Baker/AFP/Getty Images).

Veículo militar com míssil DF-21D passando por uma tela com imagem da Grande Muralha da China em Pequim após um desfile militar (Foto: Greg Baker/AFP/Getty Images).

A atividade de navios militares e aviões de vigilância dos EUA direcionados à China aumentou significativamente sob o governo Biden, disse um porta-voz do Ministério da Defesa chinês no último 29 de abril. Como exemplo, Wu Qian disse que o destroier USS Mustin, da US Navy, recentemente conduziu uma observação de perto do porta-aviões chinês Liaoning e seu grupo de batalha.

Isso havia “interferido seriamente nas atividades de treinamento do lado chinês e ameaçava seriamente a segurança da navegação e do pessoal de ambos os lados”, disse Wu. O navio foi avisado para partir e um protesto formal protocolado com os EUA, acrescentou.

Em comparação com o mesmo período do ano passado, a atividade dos navios militares americanos aumentou 20% e das aeronaves 40% em áreas que a China reivindica como seu território desde que o presidente Joe Biden assumiu o cargo em janeiro, disse Wu. Ao mesmo tempo, a China continua a modernizar suas forças armadas em todos os domínios em meio ao que considera diversas e complexas ameaças à segurança e desafios de atores estrangeiros.

A China se opõe rotineiramente à presença militar dos EUA no Mar da China Meridional, que reivindica praticamente em sua totalidade, bem como à passagem de navios da US Navy pelo Estreito de Taiwan.

O país comemorou recentemente o 20º aniversário da colisão entre um avião de vigilância dos EUA e um caça a jato da marinha chinesa perto da província chinesa de Hainan, que resultou na morte do piloto chinês. Ele foi chamado de herói que se sacrificou pela defesa da pátria. Os EUA afirmam que seu avião estava em espaço aéreo internacional, descrevendo o evento como um acidente provocado por vôo imprudente por parte da China.

A “ameaça imediata mais grave”

Mas Taiwan continua sendo o principal foco do governo chinês. O documento de defesa mais recente do governo declarou que as ameaças à segurança global e regional estão aumentando, incluindo ameaças cibernéticas e biológicas, bem como a pirataria. Além disso, as forças separatistas apoiadas por partidos externos em lugares como o Tibete continuam a representar “ameaças à segurança nacional e à estabilidade social da China”, segundo o documento.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

O White Paper também reconheceu que uma série de disputas territoriais na região da Ásia-Pacífico, incluindo aquelas envolvendo a China, continuam sem solução, embora o governo tenha uma visão relativamente otimista sobre o assunto (essas declarações foram feitas antes dos confrontos fatais do ano passado entre as tropas chinesas e indianas ao longo de sua disputada fronteira montanhosa).

No entanto, o documento classificou a abordagem independente do governo taiwanês do continente como a “mais grave ameaça imediata à paz e estabilidade” no Estreito de Taiwan e a maior barreira para a reunificação pacífica da China.

A China vê a ilha autônoma de Taiwan como uma província rebelde e prometeu reunificá-la com o continente, se necessário à força. A ilha experimenta independência desde 1949, quando os nacionalistas chineses fugiram para lá após a derrota para as forças comunistas na guerra civil chinesa.

Os EUA mantêm apenas relações não oficiais com Taiwan em deferência a Pequim, mas fornecem à ilha armas defensivas e são legalmente obrigados a tratar as ameaças a ela como questões de “grave preocupação”.

Em uma entrevista à Sky News da Grã-Bretanha, o ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, reiterou os recentes avisos de que a ameaça militar da China está crescendo por meio de “campanhas de desinformação, guerra híbrida e … atividades da zona cinza” – algo que ele disse que parece fazer parte preparativos para um “ataque militar final contra Taiwan”.

A China vem alertando repetidamente que qualquer movimento em direção à independência formal de Taiwan é uma linha vermelha que pode desencadear uma invasão. Essa linha vermelha pode ficar bem aquém de uma declaração formal e real de independência, no entanto, e pode, em vez disso, ser desencadeada pela atividade dos EUA que a China vê como um apoio à independência de Taiwan, de acordo com Collin Koh, pesquisador do Instituto de Estudos de Defesa e Estratégia da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam em Singapura.

Koh disse que o estacionamento de forças americanas na ilha é um exemplo de ação que pode irritar os líderes chineses. Um cenário em que Taiwan é invadido é amplamente visto como um dos principais impulsionadores do enorme esforço de modernização do Exército de Libertação do Popular chinês.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

No entanto, o consenso – entre os especialistas que testemunharam em audiências de fevereiro realizadas pela Comissão de Revisão Econômica e de Segurança do Congresso EUA-China – é que a própria China seria incapaz de montar uma invasão em grande escala da ilha através do Estreito de Taiwan, principalmente devido à sua incapacidade de enviar forças suficientes por mar ou de garantir um desembarque inicial bem-sucedido, mesmo requisitando embarcações civis.

No entanto, a China está trabalhando para resolver uma lacuna de capacidade anfíbia, com seis navios-docas plataforma de pouso Tipo 071 já em serviço às quais recentemente se juntou por um porta-helicópteros maior, Tipo 075, com pelo menos mais dois sendo construídos.

Acúmulo no mar

Olhando mais para o sul, o White Paper da China diz que “a situação do Mar do Sul da China está geralmente estável e melhorando, já que os países regionais estão gerenciando adequadamente os riscos e diferenças”. No entanto, não foi abordado o fato de que a China completou em grande parte suas ilhas fortificadas. Essas ilhas agora têm aeródromos, portos, radares de alerta antecipado e defesas contra ataques aéreos e marítimos, atendendo bem aos interesses de Pequim, disse Koh. Elas também permitem que a China mantenha uma presença sustentada na Zona Econômica Exclusiva do Vietnã.

Ele admitiu que o tamanho de cada posto avançado exigiria um acúmulo significativo de munições para neutralizá-los em um conflito. Outros observadores questionaram se os EUA têm munições suficientes para gastar contra essas instalações durante um conflito de alta intensidade, quando há muitos outros alvos potencialmente mais importantes.

Em um discurso à noite no Congresso em 28 de abril, Biden não abordou diretamente as ameaças militares da China, mas enfatizou que a nação asiática e outras estavam “se aproximando rapidamente” em termos econômicos e tecnológicos.

“Estamos em uma competição com a China e outros países para vencer no século XXI”, disse ele.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também