Talibã declara cessar-fogo afegão de três dias

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Militantes do Talibã (Foto: Ishtiaq Mahsud/AP).

Militantes do Talibã (Foto: Ishtiaq Mahsud/AP).

O Taleban anunciou um cessar-fogo nacional no Afeganistão que entrará em vigor quando o festival muçulmano anual de três dias de Eid-al-Fitr começar na quinta-feira, marcando o fim do mês de jejum islâmico do Ramadã.

O anúncio segue-se a um aumento nos ataques do grupo insurgente islâmico contra as forças do governo em muitas províncias afegãs. Também acontece um dia depois que várias explosões do lado de fora de uma escola para meninas em Cabul mataram mais de 60 pessoas, a maioria estudantes.

O Taleban disse no domingo que sua liderança instruiu todos os combatentes insurgentes “a interromper todas as operações ofensivas contra o inimigo” em todo o país para permitir que os afegãos celebrem as festividades em uma “atmosfera pacífica e segura”.

Os combatentes insurgentes foram instruídos a quebrar o cessar-fogo apenas para autodefesa e não visitar áreas inimigas ou hospedar forças de segurança afegãs durante as comemorações de três dias do Eid.

O Taleban já havia declarado cessar-fogo em todo o país, mas retomou os combates imediatamente após as festividades. Não houve reação imediata do governo afegão, mas esperava-se que retribuísse como no passado.

Saída de tropas é elogiada

Em uma declaração separada emitida horas antes em conexão com os feriados do Eid, o chefe do Talibã, Mawlawi Hibatullah Akhundzada, elogiou a retirada em curso das tropas dos EUA e da OTAN do Afeganistão.

“Consideramos a retirada das forças dos Estados Unidos e de outros países estrangeiros um bom passo e instamos com veemência que todas as partes do acordo de Doha sejam implementadas”, disse Akhundzada.

Ele estava se referindo ao marco do pacto de construção da paz de fevereiro de 2020 que os Estados Unidos negociaram com os insurgentes na capital do Catar, Doha, para retirar todas as tropas dos EUA e da coalizão do país para encerrar a guerra mais longa da América, agora em seu 20º ano.

“Infelizmente, o lado americano violou repetidamente o acordo assinado e causou enormes perdas humanas e materiais a civis”, alegou Akhundzada.


LIVRO RECOMENDADO

12 Heróis

  • Doug Stanton (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O líder insurgente novamente instou os EUA a cumprirem suas promessas e garantir a libertação de cerca de 7.000 prisioneiros do Talibã que permanecem nas prisões afegãs. Ele também exigiu a remoção das sanções das Nações Unidas e dos EUA contra membros do Talibã em linha com o acordo.

A retirada militar estrangeira deveria ser concluída em 1º de maio, mas o presidente dos EUA, Joe Biden, estendeu o prazo, citando razões logísticas e anunciando no mês passado que todas as tropas americanas seriam retiradas até 11 de setembro. Esse seria o 20º aniversário dos ataques terroristas contra os EUA.

O Talibã denunciou o atraso e ameaçou romper o cessar-fogo com as forças internacionais que está em vigor desde a assinatura do acordo. Os comandantes dos EUA dizem que a redução de tropas está ocorrendo sem problemas.

Washington também alegou que o grupo insurgente não cumpriu seu compromisso de diminuir a violência e se envolver em um “processo de paz genuíno” com os rivais afegãos.

O Talibã intensificou os ataques ao campo de batalha desde o início da retirada das tropas estrangeiras, infligindo pesadas baixas às forças do governo afegão e capturando novos territórios. O chefe do Exército afegão disse no sábado que suas forças “mataram e feriram 1.000” combatentes do Talibã na semana passada. Os adversários afegãos costumam inflacionar as perdas do outro lado, que são impossíveis de verificar por fontes independentes.

As autoridades americanas culparam o Talibã pelo último aumento da violência e apelaram a todas as partes em conflito para reduzir as hostilidades e retomar as negociações de paz paralisadas, conhecidas como negociações intra-afegãs.

O processo de paz, que se originou do acordo EUA-Talibã, começou em Doha em setembro passado, mas em grande parte ficou em um impasse, com os rivais afegãos se acusando mutuamente de atrasar e tentar subverter o diálogo.

“Priorizamos negociações e entendimento … No entanto, o governo de Cabul tentou várias vezes sabotar o processo político em andamento por vários meios e continua a se envolver em tal atividade”, disse Akhundzada no domingo.

Um porta-voz do presidente afegão Ashraf Ghani rejeitou as acusações enquanto respondia à declaração do chefe do Talibã. “Se o Taleban é sincero no que diz, deve parar de matar civis afegãos e retornar à mesa de negociações para discutir a paz”, disse Mohammad Ameri.


LIVRO RECOMENDADO

Calor Afegão: Operações SAS no Afeganistão

  • Steve Stone (Autor)
  • Em português
  • eBook Kindle

Aumenta o número de mortos em bombardeios

Enquanto isso, as autoridades e as famílias das vítimas disseram à mídia que o número de mortos aumentou para pelo menos 63 com as múltiplas explosões de sábado do lado de fora de uma escola para meninas no bairro de Dasht-e-Barchi, no oeste de Cabul, povoado principalmente por muçulmanos da etnia Hazara xiita.

Mais de 150 pessoas ficaram feridas, algumas delas gravemente. As vítimas eram, em sua maioria, estudantes que voltavam para casa depois de terminar as aulas.

O porta-voz do Ministério do Interior afegão, Tariq Arian, disse que os agressores detonaram um carro-bomba e dois artefatos explosivos improvisados ​​durante a hora do rush da noite.

Ninguém assumiu a responsabilidade pela carnificina em Dasht-e-Barchi, que já passou por tais incidentes antes, reivindicada pelo Estado Islâmico.

Autoridades afegãs acusaram o Talibã de planejar o ataque à escola feminina. Foi um dos mais mortíferos em Cabul nos últimos meses. O grupo insurgente negou envolvimento, dizendo que condena qualquer violência contra civis afegãos.

Em uma mensagem de vídeo divulgada no domingo, Ghani apontou novamente o dedo para o Talibã, dizendo que os insurgentes “deveriam saber que não alcançarão seus objetivos malignos por meio da guerra”. Ele disse que o Talibã “será esmagado” pelas forças de segurança afegãs.

O presidente declarou terça-feira um dia nacional de luto pelas vítimas do ataque a Cabul e de outros atentados recentes contra civis.

Fonte: Global Security.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também