Primeiro-ministro australiano Scott Morrison diz que país manterá sua política para Taiwan

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison (Foto: AFP).

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison (Foto: AFP).

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, disse que seu país manterá sua política em relação a Taiwan, após apelos do ministro das Relações Exteriores da ilha por apoio contra a “expansão do autoritarismo” de Pequim.

Questionado sobre o apoio australiano a Taiwan na quinta-feira, Morrison disse que seu governo “sempre honrou todos os nossos acordos no Indo-Pacífico” – mas pareceu confundir erroneamente a posição de Canberra sobre a política de “uma China” em relação a Taiwan com “um país, dois sistemas ”modelo de semi-autonomia em Hong Kong.

O governo australiano mantém a ambigüidade estratégica em Taiwan, reconhecendo as reivindicações de Pequim à ilha autônoma, ao mesmo tempo que apóia uma maior presença taiwanesa na arena internacional, inclusive na Organização Mundial da Saúde.

“Sempre entendemos o arranjo de um sistema, dois países, e continuaremos a seguir nossas políticas lá … um país, dois sistemas, devo dizer”, disse Morrison à estação de rádio local 3AW.

“Não sou de falar longamente sobre essas coisas, porque não desejo aumentar nenhuma incerteza. Mas é por isso que temos os arranjos de segurança que temos em vigor.” Ele acrescentou que “Sempre defendemos a liberdade em nossa parte do mundo”.

Os comentários de Morrison vieram depois que o ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, disse ao The Australian Financial Review que Pequim parecia estar “se preparando para um ataque final contra Taiwan” e pediu à Austrália para intensificar suas relações com a ilha e continuar seu apoio em meio a ameaças de Pequim.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

As relações entre Pequim e Canberra têm sido cada vez mais tensas, com Pequim decretando uma série de restrições punitivas ao comércio sobre produtos australianos após apelos de Canberra para uma investigação independente sobre as origens do Covid-19 e a proibição da Huawei de participação na rede 5G australiana.

Nos últimos meses, Pequim intensificou as táticas de guerra de “zona cinzenta” contra Taiwan, que prometeu colocar sob seu domínio pela força, se necessário. Um avião de guerra antissubmarino Y-8 do Exército de Libertação Popular entrou na zona de identificação de defesa aérea do sudoeste de Taiwan (ADIZ) na tarde de quinta-feira, de acordo com o ministério da defesa de Taiwan.

Esta foi a terceira vez que aeronaves chinesas entraram no ADIZ de Taiwan em maio, e houve quase 90 ocorrências desde janeiro. Tem havido preocupações crescentes de que Taiwan possa se tornar um foco de conflito militar entre a China e os Estados Unidos, com o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, alertando no mês passado que seria um “grave erro” se Pequim tentasse “tentar mudar status quo pela força”.

Na semana passada, Peter Dutton, o novo ministro da defesa da Austrália, disse que não achava que um conflito sobre Taiwan “deveria ser descartado” e que a Austrália continuaria a “trabalhar com nossos parceiros e aliados” para evitar tal conflito.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse após as observações de Dutton que a Austrália deveria reconhecer que a questão de Taiwan era “altamente sensível” e “ser prudente em suas palavras e ações para evitar enviar quaisquer sinais errados às forças separatistas da independência de Taiwan”.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

traco

Veja também