China fecha canal para diálogo diplomático em disputa com a Austrália

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
A China  suspendeu um acordo econômico com a Austrália, piorando a já conturbada relação entre os países em meio a altercações sobre a pandemia do covid-19 e acusações de abusos de direitos humanos (Foto: Lukas Coch/AFP).

A China suspendeu um acordo econômico com a Austrália, piorando a já conturbada relação entre os países em meio a altercações sobre a pandemia do covid-19 e acusações de abusos de direitos humanos (Foto: Lukas Coch/AFP).

A China cortou na quinta-feira o canal para negociações diplomáticas e comerciais com a Austrália em um ato amplamente simbólico de fúria, após confrontos sobre uma ampla gama de questões, incluindo direitos humanos, espionagem e as origens do Covid-19.

As tensões entre os dois lados aumentaram desde que Canberra pediu no ano passado uma investigação independente sobre as origens da pandemia de coronavírus e proibiu a gigante das telecomunicações Huawei de construir a rede 5G da Austrália.

A China – o maior parceiro comercial da Austrália – já impôs tarifas ou interrompeu mais de uma dúzia de indústrias importantes, incluindo vinho, cevada e carvão, dizimando as exportações.

Na última onda, o Diálogo Econômico Estratégico China-Austrália foi elaborado “com base na atitude atual” do governo australiano, disse a Comissão de Reforma e Desenvolvimento Nacional da China em um comunicado na quinta-feira, culpando alguns funcionários de uma “mentalidade da Guerra Fria” e ” discriminação ideológica”. Pequim vai “suspender indefinidamente todas as atividades sob a estrutura” do acordo, acrescentou o comunicado.

A Austrália classificou a decisão como “decepcionante”, e o ministro do Comércio, Dan Tehan, disse que o diálogo proporcionou um fórum importante para os dois países – embora tenha acrescentado que nenhuma dessas negociações havia ocorrido desde 2017.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O dólar australiano caiu 0,6% logo após a notícia, antes de se recuperar no final do dia. Não ficou imediatamente claro se a disputa teria impacto sobre um acordo de livre comércio entre os dois que entrou em vigor em 2015.

Canberra já havia descrito o caminho para negociações, destinadas a impulsionar o comércio entre os dois lados e apresentar grandes investidores chineses, como uma das “principais reuniões econômicas bilaterais com a China”.

Ele considerou a primeira reunião em 2014 uma chance de “laços econômicos mais estreitos”, mas as relações entre os dois desde então congelaram profundamente.

“Dobrando as apostas”

“É principalmente um movimento simbólico, mas ainda assim a tendência (de) discussão e diálogo sendo suspensos em níveis cada vez mais baixos é uma preocupação real”, disse James Laurenceson, diretor do Instituto de Relações Austrália-China da Universidade de Tecnologia de Sydney. “No geral, o que estamos vendo em Canberra e Pequim são os dois lados dobrando as apostas e endurecendo suas posições”, disse ele.

No mês passado, o governo do primeiro-ministro Scott Morrison cancelou um acordo da Iniciativa Belt and Road entre Pequim e o estado de Victoria. A iniciativa, com assinatura do presidente chinês Xi Jinping, é um vasto plano de trilhões de dólares para uma rede de investimentos e infraestrutura na Ásia e no mundo.

Pequim reagiu com fúria à medida do estado de Victoria, alertando que aceitar o acordo causaria “sérios danos” às relações. Mas os críticos afirmam que o impasse entre os dois lados é uma cobertura para que a China crie uma alavancagem geopolítica e financeira.


LIVRO RECOMENDADO

Gallipoli

  • Alan Moorehead (Autor)
  • Em inglês
  • Kindle ou Capa comum

Esta semana, a Austrália colocou lenha na fogueira, dizendo que o controverso contrato de locação de 99 anos de uma empresa chinesa no Porto de Darwin também estava sob revisão e poderia ser descartado.

Darwin é o porto mais importante da costa norte da Austrália, o mais próximo da Ásia e base para os fuzileiros navais americanos em suas rotações no país.

O ministro da Defesa, Peter Dutton, disse ao Sydney Morning Herald que seu departamento foi convidado a “voltar com alguns conselhos” sobre o acordo de 2015 e se recusou a descartar forçar a empresa chinesa Landbridge a desinvestir por motivos de segurança nacional.

O negócio, intermediado pelas autoridades locais no Território do Norte da Austrália, levantou sérias preocupações em Canberra e Washington, onde foi visto como um passivo estratégico.

Os dois lados também estão travados em uma disputa contínua de espionagem, com Pequim acusando a Austrália de invadir casas de jornalistas chineses.

Ao mesmo tempo, a China acusou o escritor australiano Yang Hengjun de espionagem e prendeu o âncora de TV australiano Cheng Lei por “fornecer segredos de Estado no exterior”.

Fonte: France 24.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a ChinaCurso de InteligênciaCurso sobre a RússiaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também