Honeywell multada em US$ 13 milhões por violações em exportações de defesa

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Visitante da feira Asian Aerospace 2006 em Singapura  examina um modelo de motor de aeronave da Honeywell em exposição (Foto: Roslan Rahman/AFP/Getty Images).

Visitante da feira Asian Aerospace 2006 em Singapura examina um modelo de motor de aeronave da Honeywell em exposição (Foto: Roslan Rahman/AFP/Getty Images).

O Departamento de Estado dos EUA anunciou que chegou a um acordo de US$ 13 milhões com a empresa de defesa americana Honeywell sobre alegações de ela que exportou desenhos técnicos de peças para os caças F-35 e outras plataformas de armas para a China e outros países estrangeiros.

A empresa, sediada em Charlotte, Carolina do Norte, enfrentou 34 acusações envolvendo desenhos compartilhados com a China, Taiwan, Canadá e Irlanda, de acordo com o documento de acusação do Bureau de Assuntos Político-Militares.

O Departamento de Estado alegou que algumas das transmissões prejudicaram a segurança nacional, o que a Honeywell reconhece com a ressalva de que a tecnologia envolvida “está disponível comercialmente em todo o mundo. Nenhum conhecimento detalhado de fabricação ou engenharia foi compartilhado”.

Os materiais pertenciam ao F-35 Joint Strike Fighter, ao bombardeiro estratégico de longo alcance B-1B Lancer, ao caça F-22, à aeronave de transporte C-130, à aeronave A-7H Corsair, ao A-10 Warthog, o helicóptero Apache Longbow, o tanque M1A1 Abrams, o míssil tático Tomahawk, o caça F/A-18 Hornet e os motores turboeixo F135, F414, T55 e CTS800.

O Departamento de Estado disse que não excluiria a Honeywell porque revelou voluntariamente suas supostas violações em conformidade com a Lei de Controle de Exportação de Armas e os Regulamentos do Tráfego Internacional de Armas. Além disso, $5 milhões da multa foram suspensos para que a Honeywell possa aplicá-la aos custos de conformidade e medidas corretivas.


LIVRO RECOMENDADO

A guerra na era da informação

  • Alessandro Visacro (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“A Honeywell também reconheceu a natureza grave das supostas violações, cooperou com a revisão do Departamento e instituiu uma série de melhorias no programa de conformidade durante o curso da revisão”, disse o Departamento de Estado em um comunicado. “Por essas razões, o Departamento determinou que não é apropriado excluir administrativamente a Honeywell neste momento.”

Entre 2011 e 2015, a Honeywell supostamente usou uma plataforma de compartilhamento de arquivos para transmitir indevidamente impressões de engenharia mostrando layouts, dimensões e geometrias para fundições de fabricação e peças acabadas para várias aeronaves, eletrônicos militares e motores de turbina a gás. Sua primeira divulgação de violações ao governo ocorreu em 2015.

“O governo dos EUA revisou cópias dos 71 desenhos e determinou que as exportações e retransferências na RPC [República Popular da China] de desenhos de certas peças e componentes para as plataformas de motor do F-35 Joint Strike Fighter, o bombardeiro estratégico de longo alcance B-1B Lancer, e a aeronave de caça F-22 prejudicaram a segurança nacional dos Estados Unidos”, dizia o documento de acusação.

Embora a Honeywell tenha informado ao Departamento de Estado em 2016 sobre as ações corretivas tomadas para evitar que tais violações ocorram, ela revelou outras violações por exportação envolvendo desenhos controlados em 2018. Funcionários usando “um processo alternativo” para enviar dois desenhos para o Canadá, dois para a China e 23 para o México.



“O governo dos EUA revisou cópias dos desenhos e determinou que as exportações e retransferências na [China] de desenhos de certas peças e componentes do motor de turbina a gás CTS800 prejudicaram a segurança nacional dos EUA”, dizia o documento de cobrança.

Em um comunicado, a Honeywell disse que desde então tomou medidas para garantir que não haja incidentes repetidos.

“Sob um acordo firmado com o Departamento de Estado para resolver esses problemas, a Honeywell pagará uma multa, envolverá um funcionário de conformidade externo para supervisionar o Acordo de Consentimento por um mínimo de 18 meses e conduzirá uma auditoria externa de nosso programa de conformidade”, disse Honeywell em declaração sobre o assunto.

“Como a Honeywell relatou voluntariamente essas divulgações, tomamos várias medidas para garantir que não haja incidentes repetidos. Essas ações incluíram o aprimoramento da segurança de exportação, o investimento em pessoal de conformidade adicional e o aumento do treinamento em conformidade”.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também