Chefe do US Army diz que força ainda é pequena e retirada do Afeganistão não vai ajudar muito

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Tropas americanas protegem perímetro em um local não revelado no Afeganistão, em 17 de março de 2020 (Foto: Sargento Joel Pfiester/USAF).

Tropas americanas protegem perímetro em um local não revelado no Afeganistão, em 17 de março de 2020 (Foto: Sargento Joel Pfiester/USAF).

Acabar com a presença militar dos EUA no Afeganistão não será de muita utilidade para os planejadores do US Army, que se preocupam com o tamanho da força, já que as restrições fiscais se agravam ao longo do serviço nos próximos anos.

O crescimento da força final do US Army, que antes chegava a 500.000 soldados na ativa, desacelerou nos últimos anos e atualmente conta com cerca de 485.000 soldados.

“Este Exército é do mesmo tamanho que tínhamos em 11 de setembro, e quando vejo quais são os requisitos, quando vejo o que historicamente precisávamos, e agora que estamos em uma época de grande poder competição, estou muito, muito preocupado com o tamanho do Exército”, disse o general James C. McConville, chefe do Estado-Maior, durante uma discussão na terça-feira no Center for a New American Security.

Grande parte da pressão sobre o tamanho do US Army vem dos comandos combatentes, onde os soldados constituem a maior parte do pessoal militar implantado em todo o mundo. Mas a retirada iminente do Afeganistão, na área de responsabilidade do Comando Central dos EUA, não fará muita diferença.

“O número de soldados no Afeganistão não é realmente uma quantidade significativa”, disse McConville quando questionado sobre como a retirada seria um fator para os problemas de força final.

O crescimento do US Army também não parece estar acontecendo no ambiente fiscal atual, a menos que o serviço reduza o financiamento de preparação e modernização. “O secretário [do Exército] e eu concordamos que não podemos fazer as coisas, no que diz respeito à prontidão e quando se trata de modernização, se crescêssemos o Exército ao nível que pensamos que reduziria o estresse dos desdobramentos para nossas tropas”, disse McConville. “O que estamos tentando fazer é produzir o melhor Exército que pudermos com os recursos que vamos conseguir.”

O pedido de orçamento fiscal do presidente Joe Biden para 2022 é de US$ 715 bilhões para o Departamento de Defesa. A linha superior do US Army ainda não foi revelada, mas oficiais de defesa disseram que estão se preparando para um possível corte no orçamento.

Mesmo orçamentos fixos têm exigido que os líderes do US Army financiem suas principais iniciativas de modernização, como fogo de longo alcance, eliminando programas de menor prioridade e movimentando bilhões de dólares.

O US Army realizou esse processo nos últimos anos, mas os líderes ficaram sem gordura para cortar, de acordo com o secretário interino do US Army, John Whitley.

“Nós reconstruímos a prontidão. Estamos em um bom estado de prontidão, mas isso é frágil e pode ser revertido”, disse Whitley. “Estamos em uma boa posição para avançar na modernização, mas isso requer financiamento consistente e sustentado para ver e entregar produtos aos nossos soldados.”

Se o orçamento diminuir, observou Whitley, o ritmo das operações atuais terá que ceder.

“Há uma quantidade enorme de risco no orçamento do Exército hoje”, acrescentou Whitley. “O fato é que arriscamos no orçamento para chegar onde estamos hoje, então não há muito excesso que possa ser usado.”

O US Army é responsável por cerca de 25% do orçamento do Departamento de Defesa e cerca de 35% da força final do serviço ativo do departamento.

“Mas estamos com mais de 50% do ritmo operacional atual do Departamento de Defesa”, disse Whitley. “Somos dois terços das demandas e das prioridades de prontidão para a guerra do Departamento de Defesa.”

“O US Army não pode sustentar esse nível de compromisso, ritmo operacional e prontidão para uma gama tão ampla de coisas em um ambiente de orçamento em declínio – e essa é a matemática simples”, disse Whitley.

Fonte: Army Times.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também