Militares chineses testam sistema de radar de Taiwan com incursão à baixa altura na zona de defesa aérea

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Um avião de reconhecimento tático do PLA entrou na zona de identificação de defesa aérea da ilha na segunda-feira (Foto: SCMP).

Um avião de reconhecimento Y-8 do PLA entrou na zona de identificação de defesa aérea da ilha nesta segunda-feira (Foto: SCMP).

Uma aeronave de reconhecimento do Exército de Libertação Popular, voando baixo, entrou na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan nesta segunda-feira para testar sua resposta de radar e coletar informações enquanto o chefe de segurança da ilha alertava que Pequim estava alimentando tensões na região.

Um avião de reconhecimento tático Y-8 entrou na zona de identificação de defesa aérea do sudoeste de Taiwan na manhã desta segunda-feira, voando a uma altitude tão baixa quanto 30 metros (100 pés), de acordo com o Southwest Airspace of TW, uma página do Facebook que registra as atividades de aviação no sudoeste de Taiwan.

Foi o vôo mais baixo registrado desde que o Ministério da Defesa de Taiwan começou a tornar públicas as incursões do PLA em setembro do ano passado. Os militares taiwaneses responderam enviando aeronaves militares e emitindo avisos de rádio para afastar o Y-8.

Pouco antes da incursão, um outro Y-8, de guerra eletrônica, também entrou na mesma zona. O ministério da defesa da ilha posteriormente confirmou as incursões, mas não especificou as altitudes de vôo de ambos os aviões.

Lin Yin-yu, professor do Instituto de Assuntos Estratégicos e Internacionais da Universidade Nacional Chung Cheng, no sul de Taiwan, disse que o vôo de baixa altitude de segunda-feira serviu para testar a capacidade de resposta do radar militar taiwanês.

“Normalmente, os sinais de radar podem ser obstruídos por determinada topografia, como uma montanha. Ao voar a uma altitude de 30 metros, o avião do PLA estava testando se poderia voar abaixo da área de cobertura das ondas de rádio ”, disse Lin. Ele disse que radares móveis menores, como os usados ​​pelos EUA e militares taiwaneses, teriam um papel importante na detecção desses voos.

Lin disse que os mares nessa área são profundos o suficiente para submarinos e outras atividades subaquáticas, e isso explica porque o PLA costuma enviar aviões anti-submarinos e outros aviões de reconhecimento para reunir inteligência e investigar as características hidrológicas da área.

“A maioria desses voos são para treinamento e exercícios com o objetivo principal de permitir que o PLA comande e controle melhor as águas daquela região”, disse Lin, referindo-se ao Canal de Bashi que é a porta de entrada para o Pacífico ocidental e o disputado Mar da China Meridional.

Chang Yen-ting, um ex-vice-comandante da Força Aérea, disse que voar tão perto da superfície testava a habilidade de um piloto porque havia o risco de que ilusões de ótica fizessem o piloto avaliar mal a altura do avião. “É por isso que a maioria desses voos são realizados durante o dia”, disse ele, acrescentando que o céu claro e a boa visibilidade pela manhã possibilitaram que o avião do PLA voasse a uma altitude tão baixa.

As incursões de segunda-feira foram o 82º incidente neste ano, com o PLA fazendo mais de 270 incursões na zona de identificação de defesa aérea da ilha até agora, de acordo com o Ministério da Defesa de Taiwan.

Pequim considera Taiwan como parte de seu território que deve ser reunida ao continente, se necessário pela força. Suspendeu trocas oficiais e organizou jogos de guerra perto de Taiwan para tentar aumentar a pressão sobre a presidente da ilha, Tsai Ing-wen, para pressioná-la a aceitar o princípio de Uma China, que afirma ser uma base política para os dois lados retomarem intercâmbios.

Na segunda-feira, Chen Ming-tong, chefe do Departamento de Segurança Nacional da ilha, disse que Pequim aumentou as tensões na região ao aumentar suas forças no Mar do Sul da China. “O Escritório de Segurança Nacional está observando de perto o comissionamento da frota comunista chinesa em Sanya, que serve apenas para criar mais tensão no Mar da China Meridional e na região”, disse ele.

Na semana passada, três novos navios – uma doca de helicópteros Tipo 075, um destroier Tipo 055 e um submarino Tipo 094 – foram entregues ao PLA durante uma cerimônia de comissionamento em Sanya em Hainan na sexta-feira.

Chen também disse que seu escritório tomará nota do último aviso feito pelo ministro da Defesa australiano, Peter Dutton, de que um conflito pela ilha não pode ser descartado. “A China foi muito clara sobre a reunificação e esse é um objetivo antigo deles. Eles foram muito claros sobre esse objetivo”, disse ele à Australian Broadcasting Corporation no domingo.

“As pessoas precisam ser realistas sobre a atividade. Há militarização de bases em toda a região. Obviamente, há uma atividade significativa e há animosidade entre Taiwan e China”, disse ele.

Dutton acrescentou que “ninguém quer ver um conflito entre a China e Taiwan, ou qualquer outro lugar” e disse que a Austrália deseja manter boas relações com Pequim. Na segunda-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, respondeu alertando Canberra para “evitar o envio de quaisquer sinais errados” para Taipei.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também