China pode enviar forças de paz ao Afeganistão após a saída das tropas dos EUA

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Foto: Simon Song.

Foto: Simon Song.

Pequim pode considerar o envio de uma força de paz ao Afeganistão se a situação de segurança no país do sul da Ásia representar uma ameaça para a província chinesa de Xinjiang após a retirada das tropas americanas, disseram analistas.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na quarta-feira que retiraria todas as tropas americanas restantes – cerca de 2.500 – do Afeganistão até 11 de setembro, 20º aniversário do ataque terrorista em Nova York. A retirada pode representar uma ameaça à segurança e estabilidade do Afeganistão, o que pode se espalhar para Xinjiang e atrapalhar os esforços de contraterrorismo da China.

Em 2018, a China treinou tropas afegãs e ajudou a montar uma brigada de montanha. O treinamento ocorreu na China e o objetivo da brigada era conter possíveis ataques da Al-Qaeda e do Estado Islâmico.

“As forças de segurança do governo afegão não são capazes de garantir a segurança afegã”, disse Sun Qi, especialista em relações internacionais da Academia de Ciências Sociais de Xangai. “A situação no Afeganistão pode se tornar ainda mais caótica no futuro. O crime transfronteiriço, o tráfico de drogas e o contrabando de armas podem proliferar”, afirmou.

Embora Pequim não posicione tropas no Afeganistão, pode trabalhar com outros países da região para promover a estabilidade política e reduzir o risco de segurança para a China, disse Sun. “Se a situação de segurança representar uma ameaça significativa, a China pode enviar tropas de paz junto com assistência humanitária para a região sob os termos da Carta das Nações Unidas para garantir a segurança e os interesses do povo chinês e das empresas locais”, disse ele.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse na quinta-feira que as tropas estrangeiras estacionadas no Afeganistão deveriam se retirar de “maneira responsável e ordeira” para evitar que as forças terroristas aproveitem o caos. “Os Estados Unidos são o maior fator externo que afeta a questão afegã. As decisões e ações relevantes dos Estados Unidos devem respeitar plenamente a soberania, independência e integridade territorial do Afeganistão, seriamente assumir a responsabilidade pela manutenção dos resultados da paz e da reconstrução no país”, disse ele.

Logo após o anúncio de Biden, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse que a aliança planejava retirar suas tropas – cerca de 7.000 – do Afeganistão no mês que vem. O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse na quinta-feira que a Austrália também completaria sua retirada militar do Afeganistão em setembro.
Outros especialistas disseram que é improvável que a China pressione demais para ganhar influência no Afeganistão, uma vez que já existe uma competição acirrada na região.

“Vários países, incluindo Paquistão, Índia e Rússia, querem exercer sua influência na região, então a China realmente precisa ter cuidado para não se envolver no caos”, disse Wang Jin, pesquisador do instituto Charhar, um think tank no norte da China.

É improvável que a China e os EUA se envolvam em qualquer cooperação significativa no Afeganistão após a retirada das tropas americanas, devido às tensões entre os dois países, disse ele. “Podemos ver pela retirada das tropas dos EUA que a disposição dos EUA de intervir nos assuntos do Afeganistão está diminuindo”, acrescentou. “Principalmente porque a ideia de resolver conflitos locais estabelecendo uma democracia de estilo ocidental no Afeganistão falhou.”

Sun disse que os Estados Unidos provavelmente retirarão seus posicionamentos militares da Ásia Central e os realocarão na Ásia-Pacífico. “A retirada do Afeganistão permite que os EUA aumentem sua presença militar nas regiões da Ásia-Pacífico e do Oceano Índico, com o objetivo de conter a China”, disse ele.

“É muito provável que os EUA aumentem sua atividade militar no Mar do Sul da China e na península China-Indochina.”

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também