Talibã pode lançar ofensiva após decisão dos EUA de adiar a retirada das tropas

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Militares americanos (Foto: Jalil Rezayee/EPA-EFE).

Militares americanos (Foto: Jalil Rezayee/EPA-EFE).

Moscou não descarta que o movimento radical Talibã pode lançar uma ofensiva de primavera na sequência da decisão de Washington de adiar a retirada das tropas, disse nesta quinta-feira o Representante Presidencial Especial da Rússia para o Afeganistão, Diretor do Segundo Departamento Asiático no Ministério das Relações Exteriores da Rússia Zamir Kabulov.

“Isso não pode ser totalmente descartado porque os americanos obviamente violaram seus compromissos com o movimento Talibã sob um acordo concluído no ano passado. É por isso que tal possibilidade surge para o Talibã”, disse o diplomata russo.

Moscou gostaria de evitar esse cenário, frisou Kabulov. “Para nós, não é de fundamental importância que os americanos se retirem um pouco mais tarde. Para nós, o processo de paz no Afeganistão é uma prioridade”, destacou.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou em 14 de abril que os Estados Unidos iniciariam a retirada das tropas do Afeganistão em 1º de maio e completariam esse processo em 11 de setembro deste ano.

A administração anterior do presidente Donald Trump dos EUA e o movimento radical Talibã assinaram um acordo de paz em Doha em 29 de fevereiro de 2020. Sob o acordo, os Estados Unidos, seus aliados e as forças da coalizão comprometeram-se a retirar todas as suas tropas do Afeganistão em 14 meses. Por sua vez, o Talibã garantiu que não utilizaria o território do Afeganistão para operações que representassem uma ameaça à segurança dos EUA e seus aliados.

Fonte: Tass.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também