Turquia detém 26 suspeitos por acusações de espionagem no setor de Defesa

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Imagem: Getty Images.

Imagem: Getty Images.

As forças de segurança e inteligência da Turquia detiveram 26 pessoas em uma operação conjunta em 30 de março, acusando os suspeitos de espionagem da indústria de defesa e de pertencerem ao que o governo turco afirma ser uma organização terrorista secreta dirigida pelo clérigo muçulmano exilado Fethullah Gülen.

A polícia turca anunciou as detenções, que ocorreram em cinco províncias diferentes. Um tribunal antiterror libertou sete suspeitos e determinou a prisão de 19.

“Esta investigação visa revelar a infiltração gulenista na indústria de defesa nacional da Turquia”, disse um oficial judicial familiarizado com a investigação. O presidente Recep Tayyip Erdogan acusa Gülen de ser o mentor da tentativa de golpe de julho de 2016. O clérigo mora nos Estados Unidos e o governo turco exigiu sua extradição.

Um oficial de segurança disse que os 26 detidos são ex-funcionários de entidades controladas pelo Estado:

  • 16 ex-funcionários da Turkish Aerospace Industries;
  • Quatro ex-funcionários da especialista em eletrônica militar Aselsan, a maior empresa de defesa da Turquia;
  • Dois ex-funcionários da empresa de software militar Havelsan;
  • Dois ex-funcionários do Conselho de Pesquisa Científica e Tecnológica da Turquia, também conhecido como TUBITAK;
  • Um ex-funcionário do fabricante de mísseis Roketsan;
  • Um ex-funcionário da agência de compras de defesa do governo, anteriormente conhecida como Subsecretaria das Indústrias de Defesa (SSM), mas posteriormente renomeada como Presidência das Indústrias de Defesa (SSB).

O oficial judicial disse que se seguirá um longo processo legal, durante o qual os réus serão julgados. Ele não ofereceu uma previsão dos veredictos. Provavelmente haverá um processo de apelação, acrescentou o funcionário, com todo o processo levando vários anos.

Em dezembro de 2018, várias dezenas de engenheiros e oficiais que trabalhavam para o que as autoridades policiais descreveram como “programas nacionais críticos” foram detidos como parte de uma investigação do governo na Turquia.

Mais recentemente, em janeiro, seis suspeitos foram detidos na Turquia em um suposto esquema de fraude envolvendo contratos da indústria de defesa. As detenções, relatadas pelo governo em 12 de janeiro, ocorreram após uma operação secreta conjunta da força policial turca e da Organização Nacional de Inteligência, ou MIT. Os suspeitos são acusados ​​de vender dados classificados e secretos relativos a programas da indústria de defesa.

O escritório do promotor-chefe em Ancara disse que a operação tinha como alvo “um grupo de pessoas envolvidas em atividades ilegais na indústria de defesa”. O MIT e a polícia disseram que mantêm os suspeitos sob vigilância desde o ano passado, por suspeitarem que eles influenciam programas e contratos de defesa em troca de suborno.

De acordo com a promotoria, os suspeitos compartilharam informações e dados confidenciais sobre os recursos de projetos, preços, especificações técnicas e andamento contratual com empresas de defesa estrangeiras.

“Representantes de empresas estrangeiras compartilharam esses dados com suas empresas e ganharam vantagens em licitações e em seus próprios projetos”, segundo nota da promotoria.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também