Insegurança à Espreita (Inteligência de Segurança X Intervenção em Ambiente Hostil)

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
capa-6

Foto: John Salvino/Unsplash.

Eficiência e rapidez nos sistemas de comunicação, transportes e informação eliminaram tradicionais barreiras para o crime, globalizando atividades ilícitas. No contraponto, a contra-inteligência e o desenvolvimento de sistemas de informação auxiliam na tomada de decisões e intervenção nos acontecimentos. Ainda assim é relevante ressaltar que a gestão, integração e difusão de informações são aspectos de fundamental importância.


A inteligência de segurança é uma atividade especializada de monitoramento do ambiente social. Ela interpreta os fatos decorrentes da violência, visando dar proteção e o seu ciclo de ação percorre, preliminarmente, as fases da identificação e percepção de problemas (demanda), planejamento de obtenção de dados e informações, gerenciamento de meios técnicos (especialmente os eletrônicos e os da tecnologia da informação), processamento, análise e interpretação de dados e informações, e a disseminação do conhecimento.

Na era da globalização, a eficiência, a rapidez dos sistemas de comunicação, transportes e acesso à informação, eliminaram de vez divisas e fronteiras que seriam as barreiras tradicionalmente consideradas para as atividades criminosas. Esta condição vem abrindo espaço para uma situação que pode ser denominada “globalização do crime”. Tal fenômeno resulta na junção e engrenagem de vários tipos de crimes e sem limites territoriais de atuação. Neste recorte, sistemas de informação têm sido desenvolvidos para otimizar o fluxo de informação, desencadeando um processo de distribuição e disseminação do conhecimento para a tomada de decisões e intervir nos acontecimentos.

Como contraponto ao fato do crime ser um fenômeno complexo e em constante mudança, coloca-se a contra-inteligência, que atua na implementação de medidas de proteção e detecção das situações adversas como a infiltração, corrupção e vínculos de pessoas com organizações ilícitas. Abrange por isso, a realização de ações de segurança ativa, que visam identificar e impedir ações hostis dirigidas à infraestrutura, imagem e valores institucionais, bem como bloquear a disseminação de boatos nocivos à organização, ameaças e atos de sabotagem.

LIVRO RECOMENDADO

Negociação de Reféns: Sistematização e manejo das ações do negociador no contexto da segurança pública

  • Wanderley Mascarenhas de Souza (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A partir destas considerações é relevante ressaltar que a gestão, integração e a difusão de informação ou conhecimento são os aspectos mais importantes a serem discutidos. Pode-se dizer que o produto da Inteligência (conhecimento) visa principalmente auxiliar na proposição de políticas e formulação de estratégias de uma organização. Desenvolvida por meio de métodos analíticos, realiza diagnósticos e prognósticos, executa ações operacionais sistemáticas, avalia conjunturas, impulsionando as empresas para um comportamento adaptativo.

Finalmente, a inteligência de segurança permite flexibilizar os seus objetivos e desenvolver novos métodos para atuar na complexidade e mudanças do crime, constantemente à espreita do vácuo do poder de resposta às crises em segurança.


*Wanderley Mascarenhas de Souza, coronel da reserva da PMESP, é bacharel em Direito e Educação Física, doutor em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública pelo Centro de Altos Estudos de Segurança, pós-graduado em Políticas de Gestão em Segurança Pública pela PUC/SP e professor dos cursos de pós-graduação de Políticas de Gestão em Segurança Pública na PUC/SP e dos cursos de doutorado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública no CAES. Serviu à ROTA, foi fundador e 1º comandante do GATE e do Esquadrão Antibomba e chefe da Divisão de Treinamento da Diretoria de Ensino. Comandou o Centro de Capacitação Físico Operacional/Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de SP. É autor dos livros “Radiografia do Sequestro”, “Contra-ataque: medidas antibomba”, “Gerenciando Crises em Segurança, “Como se comportar enquanto refém” e “Negociação de Reféns” (conheça: http://www.radiografiadosequestro.com.br).

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também