Conflito Armênia-Azerbaijão: a Índia observa e diz que apenas drones não vencem guerras

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Capa

Artigo publicado no The Economic Times em 9 de outubro de 2020. Traduzido e adaptado por Albert Caballé Marimón*


Veículo aéreo não tripulado MQ-9 Reaper em missão no Afeganistão (Foto: tenente-coronel Leslie Pratt/USAF).

O marechal-do-ar indiano Rakesh Kumar Singh Bhadauria disse que a Índia tem capacidade semelhante, referindo-se aos drones suicidas Harop/Harpy de origem israelense, mas observa que UAV são muito suscetíveis à ação inimiga e devem fazer parte de um mix mais amplo de armas em qualquer conflito.


A Índia está acompanhando de perto o conflito Armênia-Azerbaijão, repleto de dramáticas imagens de ataques aéreos com drones, mas a liderança militar observa que apenas UAVs (Unmanned Aerial Vehicle, veículos aéreos não tripulados) não podem vencer guerras e são mais importantes nas fases iniciais das tensões.

O marechal-do-ar Rakesh Kumar Singh Bhadauria, chefe do estado-maior da Força Aérea da Índia, disse que o país tem capacidade semelhante disponível – referindo-se aos drones suicidas Harop/Harpy de origem israelense em serviço na força aérea indiana – mas que os UAV são muito suscetíveis à ação inimiga e devem fazer parte de um mix mais amplo de armas qualquer que seja o conflito.

“Sempre haverá limitações quando os drones forem usados ​​para atacar da maneira como foram usados ​​neste conflito. Alguns cairão por ação do inimigo e uma porcentagem terá sucesso. Deve-se ter uma combinação de tais recursos, mas não podemos planejar ganhar uma guerra apenas com eles”, disse o militar em entrevista ao jornal indiano The Economic Times.

LIVRO RECOMENDADO

Drone Strike!: UCAVs and unmanned aerial warfare in the 21st Century (ilustrado)

  • Bill Yenne (Autor)
  • Em inglês
  • Capa dura

Ele descreveu o conflito Armênia-Azerbaijão como interessante de assistir e disse que o papel desempenhado pela mídia na cobertura da crise também está sendo observado de perto. O chefe da força aérea disse que os drones têm limitações e que seu papel é mais importante na construção de um conflito.

“Os drones são uma parte importante para a vigilância e coleta de inteligência. Seu papel no desenvolvimento de um conflito é muito importante. No entanto, uma vez iniciado o conflito, eles se tornam suscetíveis à ação inimiga, o que é um fato conhecido”, disse ele.

Sobre o custo exorbitante de aquisição de drones armados – a Índia está em negociações com os Estados Unidos para adquirir 20 unidades do MQ-9 Reaper armados por cerca de US$ 3 bilhões – o chefe da força aérea disse que as finanças precisam ser levadas em conta antes de buscar tal capacidade.

“No caso do custo dos drones, há um problema. A capacidade tem seus próprios custos. Na avaliação final, antes de prosseguirmos, vamos levar em consideração todos os aspectos”, disse o militar, sem entrar em detalhes sobre as aquisições planejadas.

Se o acordo de US$ 3 bilhões com os EUA por drones armados for aprovado, será a plataforma não tripulada mais cara já comprada pela Índia, que até agora contou com tecnologia israelense. Além de um programa de desenvolvimento interno para drones armados, a Índia também está armando seus UAV de origem israelense com sistemas de armas convencionais.


*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing. Depois de atuar trinta e sete anos em empresas nacionais e multinacionais, há cinco anos dedica-se à atividade de pesquisador nas áreas de História Militar, Defesa e Geopolítica. É fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Já atuou na cobertura de eventos como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX, a Operação Acolhida e proferiu palestras na AFA, Academia da Força Aérea. É colaborador do Canal Arte da Guerra. Pode ser contatado pelo e-mail caballe@gmail.com.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

12 comentários

  1. Saudações! Eu acompanho na medida do possível o trabalho do Albert no canal ARTE DA GUERRA do Comandante Farinazzo. É um canal muito sério mas, a gente dá muita rizada também. Tem outros combatentes relevantes também como o Caiafa, o Salles, o Mário Sérgio, o Cel Blaso, Fontoura, um grande abraço para ele. Eu tenho notado a ausência do Caiafa no canal e tenho notado que o Cel Blaso tem postado poucos vídeos no canal dele. Enfim! É uma equipe que eu considero professores de um curso sobre conhecimento e educação na área militar e Geopolítica. O Albert marca mais presença no canal e é mais assistido por nós. Um grande abraço!

    1. Eduardo, agradecemos muito por nos acompanhar. Infelizmente a dinâmica do dia a dia e das demais atividades de cada um impede uma maior interação, mas na medida do possível vamos fazendo. Comentários como o seu são muito importantes e nos animam a continuar. Mais uma vez obrigado e um forte abraço!

  2. Excelente artigo. O marechal-do-ar indiano faz um bom contra-ponto para a utilização única de drones em batalhas.

    1. Exatamente Paulo. Drones são e serão peças cada vez mais importantes, mas não a panacéia miraculosa que muitos pensam. Grato por comentar, forte abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também