O relatório do Pentágono sobre a China

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
capa-16

Fuzileiros Navais chineses em exercício militar (Foto: Xinhua).

Recente relatório anual do Pentágono sobre a China para o congresso americano analisa em profundidade as políticas, estratégias, doutrinas e meios materiais do Exército de Libertação Popular da China, e conclui que a o crescimento e a modernização chinesa já equiparam ou ultrapassam as forças armadas americanas em diversos aspectos.


Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas.

Sun Tzu


Os EUA construíram a mais poderosa máquina de guerra que o mundo já conheceu. E todo o Exército, para se manter no topo, precisa conhecer perfeitamente seus possíveis inimigos. Aliás, isso já era ensinado pelo chinês Sun Tzu, há 2,5 mil anos.

O Ministério da Defesa dos EUA acaba de enviar ao Congresso seu relatório anual sobre a China. É a 20ª edição do estudo, que analisa cuidadosamente as políticas e estratégias chinesas na área de Defesa e acompanha o desenvolvimento material e doutrinário do Exército de Libertação Popular (ELP).

Com 200 páginas, o documento constata que o ELP se fortaleceu e se modernizou em quase todas as dimensões possíveis. Há alguns aspectos, inclusive, em que as capacidades militares chinesas já superam as capacidades norte-americanas.

De início, o relatório descreve a estratégia chinesa, que tem por objetivo levar o país, no ano de 2049, centenário da revolução que levou o Partido Comunista ao poder, ao “Sonho Chinês”, descrito pelo presidente Xi Jinping: uma posição de prosperidade, força e liderança no cenário internacional.

Para atingir esse objetivo, a estratégia define que a completa “reunificação” da nação chinesa é inegociável, o que significa o retorno de Taiwan à plena soberania da China e a total reintegração de Hong Kong e Macau. O relatório também destaca uma postura crescentemente assertiva no campo da política exterior chinesa, em especial nos últimos anos, momento em que o poder militar chinês passou a ter melhores condições de respaldar as aspirações do país.

O desenvolvimento econômico chinês é central para que o país atinja seus objetivos de modernização em todas as áreas, inclusive a militar. Sempre segundo o entendimento do Pentágono, o governo chinês utilizaria como principais ferramentas de indução econômica as iniciativas “One Belt, One Road”, de investimento em infraestrutura, “Made in China 2025”, de fomento ao desenvolvimento tecnológico e industrial, bem como políticas protecionistas, além de ferramentas de “coerção econômica”.

LIVRO RECOMENDADO

Sobre a China

  • Henry Kissinger (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e capa comum

Ao se concentrar nas forças armadas chinesas, os analistas norte-americanos destacam seus esforços de modernização, com vistas a se tornarem forças de “classe mundial”, em 2049. Isso significa ser proficiente no combate terrestre, naval, aéreo, bem como nos ambientes espacial, de guerra eletrônica e cibernética. O documento alerta que a China já teria alcançado paridade – e mesmo ultrapassado – as capacidades militares norte-americanas em várias áreas, em especial nas capacidades de construção naval, de mísseis balísticos convencionais e de cruzeiro e nos sistemas integrados de defesa antiaérea.

São seis as forças armadas chinesas, todas elas integrantes do ELP e subordinadas diretamente ao Comitê Militar Central do Partido Comunista Chinês. Além do exército, marinha e força aérea, o país conta com a “Força de Foguetes”, responsável pelos mísseis balísticos convencionais e nucleares; com a “Força de Apoio Estratégico”, encarregada de centralizar as operações espaciais, cibernéticas, eletrônicas e psicológicas e a “Força Conjunta de Apoio Logístico”, incumbida do apoio logístico integrado a todo o ELP.

Nos últimos anos, o esforço chinês em aumentar o nível de prontidão para o combate é evidente. Os exercícios conjuntos e em larga escala têm alcançado níveis cada vez mais altos de complexidade. Os cenários dos treinamentos são cada vez mais realistas, com utilização de tecnologias de simulação e a presença de uma “força azul” inimiga que avalia com rigor e exige cada vez mais do desempenho dos comandantes em todos os níveis.

Além disso, a China mantém uma capacidade nuclear suficiente para dissuadir qualquer ataque ao seu território. Essa capacidade está baseada na crença de que o país seria capaz de preservar seu armamento nuclear de um primeiro ataque e, em retaliação, contra-atacar com seu arsenal.

O ELP tem ampliado sua atuação global. Uma maior presença em missões de ajuda humanitária, escoltas navais de comboios mercantes, operações de paz da ONU, intercâmbios militares, venda de armamentos e exercícios militares multinacionais são as ferramentas mais visíveis dessa projeção de poder.

A análise detalhada do documento elaborado pelo Pentágono para o Congresso norte-americano é um exercício interessante para todos aqueles que se dispõem a entender a dinâmica das relações entre os dois países, em especial as preocupações do estamento de defesa dos EUA. É evidente que um documento dessa natureza sempre é redigido com a intenção de demonstrar a grande quantidade de recursos necessária para se manter as forças armadas norte-americanas na posição de liderança global em que se encontra hoje. E é o congresso daquele país que detém a chave do cofre. Mas trata-se de um estudo baseado em dados e argumentos sólidos, que desvela de forma acurada o poderio militar chinês.


*Paulo Roberto da Silva Gomes Filho é Coronel de Cavalaria do Exército Brasileiro. Foi declarado aspirante a oficial pela Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) em 1990. É especialista em Direito Internacional dos Conflitos Armados pela Escola Superior de Guerra (ESG) e em História Militar pela Universidade do Sul de Santa Catarina; possui mestrados em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado Maior do Exército (ECEME) e em Defesa e Estratégia pela Universidade Nacional de Defesa, em Pequim, China. Foi instrutor da AMAN, da EsAO e da ECEME. Comandou o 11º RC Mec sediado em Ponta Porã/MS. É autor de diversos artigos sobre defesa e geopolítica e atualmente exerce a função de assistente do Comandante de Operações Terrestres, além de ser o gerente do Projeto Combatente Brasileiro (COBRA). E-mail: paulofilho.gomes@eb.mil.br.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

11 comentários

  1. Bom, não sei se sinto medo ou respeito pela China. Cada vez mais estamos nas mãos deles. Tudo que vestimos e usamos está vindo de lá. Enquanto isso, vemos galpões industriais fechados.

  2. A China realmente é um gigante em expansão, mas depende de suas rotas marítimas para se abastecer, tudo que eles precisam vem por navios, apesar da gigantesca capacidade de produzir sem a matérias primas e combustíveis causaria um colapso em sua estrutura, os EUA sabem e num eventual conflito será a estratégia para usar contra suas FA. Existe vários aliados que vão apoiar na região e isso enfraquece as chances chinesas de sucesso num eventual conflito com os EUA.

  3. Belo artigo. Engrandece o “portfólio” de excelência. O autor foi muito eficiente na forma de abordar o assunto.
    Ainda penso que o verdadeiro “inimigo” seja a Rússia.
    Pequim têm volume/massa. Moscou é mais enxuta e objetiva. E, colada aos países europeus…
    Parabéns, Velho (e bom) General pela busca sem fim pelos melhores artigos.
    Abraços a todos que ajudam a disseminar a boa semente do Velho (e bom) General.

  4. A Arte da Guerra serve a todos, chineses ou não! Em relação ao Brasil, cabe ao país posicionar-se de forma a que os seus próprios interesses sejam fomentados, ainda que a mídia velha e carcomida insista em dizer que não somos capazes, que somos incendiários, etc, etc; e nada de ser aliado “incondicional” dos EE.UU., tampouco ser mero “fornecedor de baixo custo” da China. Somos grandes sim!

  5. Os EUA gastam tem um orçamento 3 vezes maior que o chineses, considerando os últimos anos. Mas a décadas que EUA investem muito mais que os chineses.
    Os EUA possuem muita mais experiência em combate e suas armas e doutrina são aperfeiçoadas conforme a experiência no campo de batalha, possuem 11 porta aviões nucleares em operação, 2 caças de 5a geração, o único bombardeiro stealth, além de fazerem parte da maior aliança militar do planeta.
    É inegável a evolução chinesa, mas qual arma chinesa já foi testada em combate?
    Eu acho que esses relatórios do pentágono tem como objetivo arrancar mais dinheiro do contribuinte americano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também