Dez dicas para trabalhar bem com seu Chefe nas Forças Armadas

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
capa-11

Por Cap Fr (FN) RM1 Robinson Farinazzo*

Baixar-PDF

Capa-PDF.jpg
Reunião do grupo de planejamento conjunto durante o Global Strike Workshop na Base da Força Aérea Americana de Barksdale, Louisiana (Foto: USAF/1º Tenente Christopher Mesnard).

Logo-VG-300px.pngPara trabalhar bem com seu chefe nas forças armadas (ou mesmo em grandes instituições civis) e abrir portas em sua carreira, entenda o funcionamento de sua organização e as necessidades do seu chefe. Concentre-se em encontrar soluções e não em meramente apontar problemas; apoie-o e seja paciente e eficiente – assim demonstrará seu valor.


1. Nunca discorde de seu chefe em público – ninguém é obrigado a concordar com seu encarregado, mas as opiniões contrárias às orientações emanadas pelo dirigente devem ser ponderadas de forma respeitosa e em particular;

2. Evite enviar relatórios longos e prolixos para seu chefe – faça memorandos curtos e concisos, com no máximo uma folha e meia de Word;

3. Jamais apresente um problema ao seu chefe sem ter previamente preparado “na manga” uma ou duas soluções plausíveis – autoridade não gosta de ser encurralada;

4. Se o seu chefe for responsável por muitas pessoas ou por decisões que terão grande impacto na instituição, como é o caso da maior parte dos oficiais-generais, evite levar problemas comezinhos para o mesmo (a não ser que expressamente orientado nesse sentido) – dai a César o que é de César, ou seja, leve até ele apenas o que for pertinente para a tomada de decisões estratégicas;

5. Quando conseguir uma audiência com ele, vá preparado: tenha uma pauta, grife os pontos chaves, tenha à mão as referências que ele pode solicitar e principalmente: ANOTE AS DÚVIDAS DELE, procurando responde-las da maneira mais assertiva e no prazo mais breve possível;

Este barco também é seu por [Abrashoff, D. Michael] LIVRO RECOMENDADO:

Este barco também é seu

  • D. Michael Abrashoff (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e Capa Comum

6. Evite aborrecer seu chefe a toda hora com seus problemas particulares – o muro das lamentações fica em Jerusalém, e não do gabinete do seu comandante;

7. Estude previamente o assunto cujo assessoramento está sendo solicitado pelo seu chefe, evitando emitir opiniões baseadas no achismo – lembre-se que a confiança que ele deposita em Você é como o saldo de uma conta bancária: sucessivos saques podem deixa-la no negativo…

8. Repita para si mesmo todos os dias quem é o chefe e quem é o subordinado – por mais inteligente e capaz que Você seja, entenda qual é o seu lugar na cadeia de comando e espere chegar a sua vez de chefiar;

9. No contraponto de tudo o que foi dito, é importante entender que as pessoas se opõe a Você na mesma intensidade que Você resiste à elas. Assim sendo, vá de espírito aberto às reuniões, esteja pronto para ouvir, fazer concessões e a criar um clima colaborativo e

10. Por fim lembre-se que seu chefe é uma pessoa como Você, com planos, sonhos, preocupações e angústias. Busque, na medida do possível, ajuda-lo de forma humana e generosa. Será bom para ambos e para a instituição!


*Robinson Farinazzo é Capitão de Fragata (FN) RM1, expert em tecnologia aeronáutica e articulista de Defesa. Com mais de trinta anos de carreira militar, extensa experiência de campo e formação superior em Administração de Empresas, é Editor do Canal Arte da Guerra. E-mail: robinsonfarinazzo@gmail.com.


[simple-payment id=”4897″]


Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

5 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também