Estratégia Militar Nacional dos Estados Unidos: Apoio do Exército dos EUA aos Objetivos Militares Nacionais

Banner-ADG

Por Major Andrew Sanders, Exército dos EUA1 (traduzido por Albert Caballé Marimón)


Baixar-PDF


CAPA

Militares da 101ª Divisão do Exército dos EUA na cerimônia de transferência de autoridade da missão de treinamento JMTG-U na área de treinamento do Yavoriv em 2 de maio de 2019 (Foto: Ministério da Defesa da Ucrânia)


Este documento explicará a Estratégia Militar Nacional (NMS, National Military Strategy) dos Estados Unidos e suas implicações para o Exército dos EUA. Para tanto, devemos responder às seguintes questões: o que é uma Estratégia Militar Nacional? como esta estratégia é desenvolvida e como ela suporta outras estratégias nacionais; qual é a estratégia atual; e como o Exército dos EUA contribui para alcançar os Objetivos Militares Nacionais (NMOs, National Military Objectives) estabelecidos nos NMS.

O que é uma Estratégia Militar Nacional dos EUA?

A Estratégia Militar Nacional (NMS) é a contribuição do Chefe do Estado Maior Conjunto para o cumprimento dos objetivos estabelecidos na Estratégia Nacional de Segurança (NSS, National Security Strategy) e na Estratégia Nacional de Defesa (NDS, National Defense Strategy). Além disso, o NMS fornece orientação estratégica para os serviços*, especialmente como os serviços devem trabalhar juntos no ambiente conjunto para atender a esses fins (US Joint Chiefs of Staff, 2013). O NMS mais recente é datado de junho de 2015 e alinhado com o NSS datado de fevereiro de 2015. O NMS aconselha o Presidente e dirige os serviços sobre como empregar o instrumento militar do poder nacional, o “M” no DIME (Diplomatic, Informational, Military, Economic) para atingir os objetivos de segurança nacional. Para efetivamente fornecer orientação aos serviços, a NMS define o ambiente estratégico. Isso inclui as principais ameaças e características da situação política e econômica internacional que afetará o emprego da força militar. Além disso, a NMS estabelece os Objetivos Militares Nacionais e prioriza as missões que se espera que os militares realizem em apoio a esses objetivos. Finalmente, a NMS explica como a Força Conjunta apoiará a execução de missões nacionalmente priorizadas de acordo com o quadro de formulação da estratégia.

Além de ser um documento de estratégia interna para os Serviços Armados, o NMS também aconselha o Presidente de quais recursos serão necessários para a estratégia. Isso, por sua vez, impulsiona a solicitação de orçamento do Presidente ao Congresso, permitindo que o poder legislativo tome decisões sobre o recurso adequado para atingir os fins desejados. Finalmente, a NMS dá às forças armadas uma oportunidade de explicar ao público, aos aliados dos americanos e aos adversários como a Força Conjunta planeja empregar seus recursos para alcançar as metas de defesa dos EUA. Assim, os NMS estabelecem os fins, as formas e os meios que os militares usarão para alcançar os objetivos de segurança dos EUA.

*Nota do tradutor: “Serviços” é a forma pela qual os americanos se referem aos ramos de suas forças armadas (exército, marinha, força aérea, fuzileiros e guarda costeira).

2. Como é que o NMS é desenvolvido e como se enquadra no mosaico das estratégias nacionais?

A Estratégia Militar Nacional procura aplicar conceitos estratégicos (formas) e recursos militares (meios) para atingir os Objetivos Militares Nacionais (fins). Para desenvolver esta estratégia, a NMS conta com a orientação dos principais documentos estratégicos dos EUA, incluindo a Estratégia Nacional de Segurança do Presidente, a Estratégia Nacional de Defesa e Orientação Estratégica de Defesa do Secretário da Defesa, bem como a Revisão Quadrienal de Defesa (QDR, Quadrennial Defense Review). Os NMS serão então utilizados para informar o planejamento operacional nos Comandos de Combate regionais e para fornecer orientação aos serviços sobre capacidades e conceitos para a guerra conjunta. A Figura 1 demonstra como os vários documentos estratégicos estão aninhados e como eles são traduzidos em planos militares.


Figura-1

Figura 1 – Estratégia Nacional (Army War College Defense Strategy Course, 2016)


3. Estratégia Militar Nacional Atual

A NMS descreve o ambiente estratégico como cada vez mais complexo, com uma rápida difusão de tecnologias informacionais e militares que corrói as vantagens militares de longa data. Além da difusão tecnológica e das mudanças demográficas globais, os estados revisionistas procuram mudar os equilíbrios regionais de poder e o estado da ordem internacional.


Figura-2

Figura 2 – O Continuum do Conflito


Entre esses desafios, os principais são Rússia, Irã e Coréia do Norte (Joint Chiefs of Staff, 2015). Além disso, o ambiente estratégico explica e acolhe a crescente China, mas ressalta que a China também possui interesses que podem entrar em conflito com a ordem internacional existente. Embora nenhum desses atores possa desafiar diretamente os EUA em um conflito armado convencional, os EUA devem estar preparados para responder aos desafios de segurança impostos pelas políticas dessas nações. Além dos desafios apresentados pelos atores estatais, o ambiente estratégico inclui desafios apresentados por atores não-estatais, como as Organizações Extremistas Violentas (VEO, Violent Extremist Organizations), exemplificada pela Al-Qaeda e pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL). Esses atores injetam volatilidade adicional, incerteza, complexidade e ambiguidade ao ambiente de segurança internacional. Entre o estado convencional e os atores não estatais não convencionais está a área cinzenta do conflito híbrido em que os atores estatais podem empregar elementos de forças ou táticas não-estatais para alcançar objetivos políticos limitados.

Esse ambiente apresenta ao instrumento militar uma ampla gama de possibilidades de conflito. A NMS postula uma “abordagem integrada” para lidar com o complexo ambiente de segurança internacional. Esta abordagem integrada produz três objetivos militares nacionais (NMO): Deter, Negar e Derrotar ameaças baseadas em estados; Perturbar, Degradar e Derrotar ameaças não estatais; e fortalecer nossa rede global de aliados e parceiros.

4. Como o Exército dos EUA contribui para a consecução dos objetivos militares nacionais

A NMS atual indica que a Força Conjunta será convocada para lidar com ameaças de alta capacidade baseadas em estados, ameaças híbridas e atores não estatais, a fim de atender aos Objetivos Militares Nacionais (NMO), os “fins” dos NMS. Das doze missões prioritárias da Força Conjunta para atender às OMN, as forças terrestres têm um papel significativo em onze. Os desafios associados ao emprego do exército para atender às NMOs são semelhantes ao fato de estar preparado para jogar futebol, hóquei e basquete quase simultaneamente, ao mesmo tempo em que se está equipado apenas com um time de rúgbi.


Figura-3

Figura 3 – Interesses Estratégicos e Objetivos Militares Nacionais


Isso requer uma força terrestre, e especificamente um exército, que seja flexível, adaptável e inovador para lidar com uma ampla gama de missões. Portanto, o Exército dos EUA deve estar preparado para compelir um adversário, dissuadir uma agressão e assegurar aliados (Briefing do Comandante do TRADOC, Gen Perkins, no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, 2014). Compelir inclui estar preparado para derrotar um adversário em um campo de batalha convencional de alta intensidade com manobras articuladas e combinadas. Deter inclui impedir os adversários de tomarem medidas agressivas contra aliados na tentativa de interromper o status quo. Garantir inclui demonstrar aos aliados com tratados com os EUA que os EUA estão dispostos e são capazes de cumprir seus compromissos internacionais de defesa. O plano do Exército para atender a esses requisitos, os “caminhos” da estratégia, incluem maior prontidão, desenvolvimento de novos conceitos operacionais e doutrina. Finalmente, os “meios” da estratégia incluem os sistemas atuais e os esforços de modernização da força.


Figura-4

Figura 4 – Missões de Forças Conjuntas onde o Exército dos EUA tem um papel significativo (Estratégia Militar Nacional)


5. Deter, Negar, Derrotar os Adversários do Estado

No curto prazo, o Exército dos EUA deve manter um alto nível de prontidão de pessoal para o nível de Brigada de Combate (BCT, Brigade Combat Team) a fim de deter a agressão adversária, negar objetivos adversários e, se necessário, derrotar adversários em combate intenso de alta intensidade. Para este fim, o Chefe do Estado-Maior do Exército dos EUA, General Mark Milley, fez com que a prontidão seja a prioridade número um do Exército. Esse foco no aumento da prontidão inclui treinamento adicional nos Centros de Treinamento de Combate (CTC, Combat Training Centers), exercícios e desdobramentos. O aumento dos requisitos de prontidão se aplica ao Exército Total, o que inclui a Reserva do Exército dos EUA e a Guarda Nacional do Exército. O componente de reserva deve estar preparado para mobilizar-se rapidamente em apoio a operações convencionais em grande escala. A Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA, National Defense Authorization Act) de 2017 aprovou um aumento da força final do Exército para 476.000 (Harrison e Todd, 2017) de um plano de 460.000. Este aumento da força final melhorará a prontidão ao permitir que o exército responda mais rapidamente às ameaças, devido a um aumento de unidades de combate disponíveis para desdobrar em apoio a contingências. A NMS exige forças terrestres treinadas e preparadas para se deslocarem dos Estados Unidos continentais (CONUS, Continental United States) para um teatro de operações e vencer. O recente desdobramento de um BCT de Fort Carson, Colorado, para a Europa Oriental, como parte da Operação Atlantic Resolve, treinou unidades não apenas para lutar, mas também para implantar vários modos de transporte em um teatro de operações. O Exército dos EUA planeja rotações adicionais de BCT para exercitar essa capacidade de desdobramento e assegurar aos aliados da OTAN a capacidade e o compromisso dos EUA, além de deter mais agressões russas em sua fronteira ocidental (Freeburg, Sydney J., 2017). Isso garantirá que o Exército dos EUA esteja bem treinado e preparado para se posicionar em um teatro de operações e conduzir manobras de forças combinadas (multinacionais), conjuntas e coordenadas. Todos esses fatores contribuem para a capacidade do Exército de atingir a NMO de dissuadir, negar e derrotar como parte da força conjunta.

Além da prontidão, o Exército deve desenvolver conceitos, doutrina e táticas para se adaptar às novas realidades do moderno campo de batalha. Os desafios mais recentemente expostos nos campos de batalha do leste da Ucrânia incluem operar em um ambiente degradado, ser submetido a ataques de guerra eletrônica, ciber-ataques, observação constante de sistemas inimigos não tripulados e fontes humanas, e sob ameaça constante de fogo inimigo tanto de precisão direcionado como indireto e em massa. Novos conceitos articulados no Conceito de Operação do Exército “Vencer em um Mundo Complexo” (Folheto TRADOC 525-3-1) e Batalha em Múltiplos Domínios (Multi-Domain Battle: Combined Arms for the 21st Century) visam tratar lacunas em doutrinas e táticas para operar em todo o espectro de operações, com foco renovado em ameaças de alto nível. O Comando de Treinamento e Doutrina do Exército dos EUA (TRADOC) e o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA estão apoiando o desenvolvimento de batalha Multiplos Domínios, publicando um documento no início de 2017. Embora o conceito ainda esteja em desenvolvimento, as decisões tomadas agora na doutrina e as táticas terão um grande impacto na capacidade do Exército de contribuir para o sucesso da NMO e derrotar um estado agressor.

Além de maior prontidão e do desenvolvimento da nova doutrina, o Exército dos EUA deve inovar para usar seus equipamentos existentes de novas maneiras e desenvolver novos sistemas para derrotar táticas e sistemas adversários emergentes. As operações na Ucrânia demonstraram a necessidade de melhores defesas aéreas, guerra eletromagnética cibernética (CEW, Cyber Electromagnetic Warfare), travamento preciso de alvos e ataque em massa, bem como tanques e veículos de combate de infantaria blindados (Karber Phillip, 2017). O Exército dos EUA está atualmente desenvolvendo esses sistemas, mas eles não estarão disponíveis a curto prazo. Os sistemas de substituição para os “Big 5” não serão utilizados até os anos 2020 e além. No entanto, a curto prazo, o exército está implantando sistemas de veículos aéreos não-tripulados (UAV), melhorando os sistemas táticos de CEW e integrando um canhão automático de 30 milímetros no veículo blindado com rodas Stryker. A melhoria contínua dos sistemas legados, como os Stryker e tanques M1, bem como o desenvolvimento de novos recursos, como o CEW e lasers de alta energia, permitirão que o Exército dos EUA contribua para alcançar as NMOs no domínio terrestre.

6. Interromper, degradar e derrotar as organizações extremistas violentas

Além de estar preparadas para enfrentar os adversários de estado no futuro próximo, as forças terrestres devem estar preparadas para operar contra ameaças em rede e assimétricas na extremidade inferior do espectro de combate nas operações atuais. A fim de contribuir para a ruptura, degradação e derrota das VEOs, o Exército trabalha como parte de uma equipe conjunta, inter-organizacional e multinacional. Em apoio à NMO, o Exército dos EUA mobiliza forças de combate convencionais, unidades de operações especiais, aconselha e auxilia unidades e equipes de treinamento em apoio a operações de contingência e países aliados que enfrentam ameaças internas de VEO. Um exemplo claro disso é o apoio do Exército dos EUA à Operação Inherent Resolve no Iraque e na Síria. Em apoio à Operação Enduring Freedom contra a ameaça VEO no Afeganistão, o Exército continua conduzindo operações de contra-insurgência (COIN, Counter Insurgency), apoiando missões de segurança em grandes áreas e conduzindo operações de consultoria e combate em conjunto com forças afegãs.

Além de operações de combate e assessoria em apoio a operações contra organizações extremistas violentas (VEOs), o Exército dos EUA trabalha com parceiros e forças aliadas em todo o mundo. As atividades de cooperação em segurança incluem a realização de exercícios de interoperabilidade, fornecimento de material e apoio a aquisições de equipamentos dos EUA e a realização de treinamento de forças militares e de segurança de nações parceiras. As atividades de cooperação de segurança não apenas trabalham para interromper, degradar e derrotar as VEOs, criando aptidões e capacidades no país parceiro, mas também garantindo interoperabilidade ao conduzir operações combinadas contra VEOs. Essas atividades também apoiam os esforços relacionados ao terceiro objetivo militar da nação, fortalecer a rede global de aliados e parceiros.

7. Fortalecer nossa rede global de aliados e parceiros

Como afirmado no Conceito Operacional do Exército, as futuras operações serão não apenas conjuntas e inter-organizacionais, mas também multinacionais. Isso significa que o Exército dos EUA deve estar preparado para construir parcerias mais fortes com os países aliados e estar preparado para fornecer assistência técnica e treinamento às forças de segurança das nações parceiras. Além do objetivo de fortalecer a rede de aliados e parceiros, o Exército dos EUA planeja criar uma Academia de Assistência à Forças de Segurança (Security Force Assistance Academy) e seis Brigadas de Assessoria e Assistência de Forças de Segurança (SFAB, Security Force Advise and Assist Brigades) em Fort Benning, Geórgia (2017). A academia se concentrará em fornecer as habilidades de consultoria necessárias para trabalhar de forma eficaz com as forças das nações parceiras. Os SFABs serão administrados por oficiais experientes e por oficiais não comissionados (NCO, Non-Comissioned Officer). Além disso, esses oficiais e NCOs terão treinamento adicional na cultura e idioma necessários para trabalhar com nações parceiras. O resultado final serão unidades SFAB dedicadas melhor preparadas para auxiliar as unidades de forças combinadas, devido ao nível de experiência e conhecimento técnico das operações de forças combinadas em nível de BCT (Brigade Combat Team).

A rede do Exército não inclui apenas parceiros internacionais, mas também a colaboração interinstituições americanas. A Estratégia Militar Nacional afirma que “o sucesso dependerá cada vez mais de quão bem o nosso instrumento militar pode apoiar os outros instrumentos do poder nacional e habilitar nossa rede de aliados e parceiros” (NME, National Military Establishment). Assim, o Exército deve estar preparado para operar em ambiente interinstituições. A fim de melhorar as operações interinstitucionais, o Exército dos EUA convida parceiros interinstitucionais a participar da Educação Militar Profissional (PME, Professional Military Education), integra assessores políticos nos teatros de outros exércitos e assessores em embaixadas em todo o mundo como adidos militares e oficiais de cooperação em segurança.

8. Risco Estratégico para Forças Terrestres

As contribuições do Exército dos EUA para alcançar os Objetivos Militares Nacionais não estão isentas de riscos. Há uma compensação nos esforços do Exército dos EUA para atender aos requisitos atuais. A fim de manter níveis mais altos de prontidão e aumento da força final, o Exército está preparado para assumir um risco estratégico de longo prazo em termos de modernização da força. Quase todos os principais sistemas de armas do Exército dos EUA têm mais de 30 anos e não terão possibilidade de substituição até os anos 2020 ou além. Esse risco torna-se consideravelmente maior quando confrontado com uma Rússia agressiva que começou a modernizar seus principais sistemas e a aplicar novas tecnologias de maneiras inovadoras aos sistemas legados, como evidenciado nas operações do Exército russo na Ucrânia. A Rússia atualmente possui tanques de batalha (MBT, Main Battle Tanks) com sistemas de proteção ativa (APS, Active Protection Systems) e integrou aeronaves não tripuladas com sistemas legados de foguetes de artilharia (Karber, palestra no MWI, Modern Warfare Institute). O Exército dos EUA atualmente não está no campo da APS e está mal equipado para enfrentar ameaças aéreas tripuladas e não tripuladas por causa da falta de sistemas modernos de defesa aérea de curto alcance no nível de BCT. Se o Exército dos EUA não resolver suas deficiências de modernização, pode ser confrontado com a superação localizada em combate próximo com um adversário igual ou quase semelhante.

As principais atenuações do risco estratégico são o alto nível de treinamento e prontidão que o Exército dos EUA mantém, bem como o aumento da presença avançada para deter adversários e o poder da força combinada. Além disso, melhorias incrementais nos sistemas legados, bem como desdobramentos em pequena escala de novos sistemas, também contribuem para mitigar os riscos estratégicos de um potencial conflito com um adversário de mesmo nível ou de nível quase igual.

9. Conclusão

A Estratégia Militar Nacional é a estratégia do Chefe do Estado Maior Conjunto que articula como o “M” do DIME apoiará a Estratégia Nacional de Segurança. Ela é desenvolvida de maneira totalmente aninhada à Estratégia Nacional de Segurança e a Estratégia Nacional de Defesa, descrevendo como os militares apoiarão os objetivos de segurança nacional. Além disso, a NMS fornece objetivos militares nacionais claros que a Força Conjunta deve estar preparada para atingir. As NMO são Deter, Negar e Derrotar Estados Adversários; Interromper, Degradar e Derrotar Organizações Extremistas Violentas; e fortalecer a rede global de aliados e parceiros. O Exército dos EUA está bem posicionado dentro da Força Conjunta para atender a esses objetivos por meio de forças com prontidão, desdobramentos de combate e atividades de cooperação de segurança. Embora o Exército dos EUA esteja preparado para aceitar algum risco na modernização de médio a longo prazo, isso é amplamente compensado pelo aumento da prontidão e melhorias incrementais nos sistemas legados. A Lei de Autorização de Defesa Nacional de 2017 (National Defense Authorization Act of 2017) desenvolveu algumas novas exigências para a Defesa Nacional e Estratégias Militares Nacionais, e ambas estão atualmente em revisão. Com base nesses requisitos, a nova Estratégia Nacional de Defesa será publicada em meados de 2017 e a nova Estratégia Militar Nacional será produzida em 2018.

“As opiniões expressas neste documento de pesquisa acadêmica são do autor e não refletem a política ou posição oficial do Departamento do Exército, do Departamento de Defesa ou do Governo dos Estados Unidos.”


Texto publicado originalmente na Revista PADECEME v. 10 n. 19 – 02/2017, republicado aqui sem alterações via licença Creative Commons atribuição BY-NC-SA 4.0. A PADECEME é uma publicação semestral da Divisão de Doutrina da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), de natureza acadêmica, sem fins lucrativos, baseada na política de acesso livre à informação.


1 O Major Andrew Sanders é oficial do exército dos Estados Unidos designado como instrutor da ECEME.


REFERÊNCIAS

Briefing by TRADOC Commander, GEN Perkins at The Center for Strategic and International Studies, 29 April 2014 https://www.youtube.com/watch?v=tDlNNckJzTY (Accessed 23 May 2017).

Freeburg, Sydney J. Over Where? Army Struggles To Relearn Rapid Deployment, Breaking Defense Web Site; http://breakingdefense.com/2016/03/over-where-army-struggles-to- relearn-rapid-deployment/ (accessed 23 May 2017).

Harrison, Todd, What to Expect in the FY 2018 Defense Budget, Center for Strategic and International Studies web site https://www.csis.org/analysis/what-expect-fy-2018-defense-budget (accessed 23 May 2017).

Karber, Phillip, Lecture on Russian Operations in Ukraine given at Modern War Institute (MWI), West Point, NY 13 April 2017; https://mwi.usma.edu/video-dr-phillip-kar- ber-explains-russian-operations-ukraine/ (accessed 23 May 2017)

National Military Strategy, 11. United States Congress, The National Defense Authorization Act of 2017; https://www.congress.gov/114/bills/s2943/BILLS-114s2943enr.pdf (accessed 23 May 2017)

U.S. Joint Chiefs of Staff. “Chapter III: Functions of the Department of Defense and Its Major Components.” Joint Pub 1, Doctrine for the Armed Forces of the United States. Washington, DC: U.S. Joint Chiefs of Staff, 25 Mar 2013

U.S. Joint Chiefs of Staff, The National Military Strategy of the United States of America 2015 (Washington, DC: U.S. Joint Chiefs of Staff, June 2015). http://www.jcs.mil/Portals/36/Documents/Publications/2015_National_Military_Strategy.pdf (accessed 2 February 2017).

US Army Public Affairs, Army creates Security Force Assistance Brigade and Military Advisor Training Academy at Fort Benning, February 16, 2017; https://www.army.mil/article/182646/army_creates_security_force_assistance_brigade_and_military_advisor_training_academy_at_fort_benning (accessed 22 May 2017).

US Army War College Defense Strategy Course. https://usawc.blackboard.com/webapps/blackboard/content/listContent.jsp?course_id=_2071_1&content_id=_111980_1&mode=reset (accessed 21 November 2016).

US Army War College Defense Strategy Course; https://usawc.blackboard.com/ (Accessed 21 November 2016).

US Army Training and Doctrine Command, TRADOC Pamphlet 525-3-1 The Army Operating Concept: Win in a Complex World 2020-2040;

US Army Training and Doctrine Command, Multi-Domain Battle: Combined Arms for the 21st Century http://www.tradoc.army.mil/MultiDomainBattle/docs/MDB_WhitePaper.Pdf (accessed 23 May 2017).


RECOMENDADOS PELO VELHO GENERAL

Captura de Tela 2019-06-15 às 14.25.55 U.S. Army Special Forces Guide to Unconventional Warfare: Devices and Techniques for Incendiaries

  • por Department of the Army (Autor)
  • Em inglês
  • Capa Comum
Captura de Tela 2019-06-15 às 14.26.08 This Day in U.S. Military History

  • por Paul Brandus (Autor)
  • Em inglês
  • Capa dura
Captura de Tela 2019-06-15 às 14.26.29 Patch Bordado – Estrela do Exército Norte-Americano

  • por Talysma
  • Termocolante

  2 comments for “Estratégia Militar Nacional dos Estados Unidos: Apoio do Exército dos EUA aos Objetivos Militares Nacionais

  1. 15/06/2019 às 16:45

    Republicou isso em OSROC7 – Segurança & Defesa.

    Curtir

  2. 16/06/2019 às 00:55

    Resumo da estratégia: Figura 3… Não à toa pensam e se sentem como os pilares dos valores universais… Complicado para os povos, países que pensam diferente…

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: