Advertisement
Advertisement

Lockheed Martin F-35: É tão ruim quanto dizem os críticos?

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Capa

Artigo do MiGFLUG, tradução de Albert Caballé Marimón

O Lockheed Martin F-35 Lightning II tem sido amplamente debatido não só desde o seu primeiro voo em 2006. O projeto custou mais de 1 trilhão de dólares até agora e espera-se que alcance mais de 1,5 trilhões em todo o seu ciclo de vida. Mas uma aeronave que custa tanto dinheiro dificilmente pode ser o que as pessoas dizem sobre ela: lixo, limão, não consegue fazer o que aviões faziam há 50 anos, etc. A razão para isso é que ele pode ter sido analisado de forma questionável; quando as pessoas o comparam com outras aeronaves, podem não estar comparando da forma correta. Este artigo tentará descrever o que realmente é o F-35 e por que ele pode ser melhor do que alguns críticos dizem.


F35C-02
F-35C (Foto: MiGFlug)

O QUE É O F-35?

f35b-stealth--fighter (1)
F-35B no primeiro pouso vertical em 18 de março de 2010 (Foto: Damien A. Guarnieri/Lockheed Martin)

Em primeiro lugar, vamos explicar qual é realmente a idéia do F-35 e por que ele se tornou tremendamente caro. O F-35 foi uma ideia inteiramente nova sobre como construir um avião. Ele apresenta características de quinta geração, tais como armas modernas, furtividade e aviônicos super avançados. Mas também foi construído com uma ideia especial em mente. A ideia era usar uma única estrutura (airframe) para o F-35A, o F-35B e o F-35C, que serão usados ​​em diferentes ramos das forças armadas dos EUA – A Força Aérea, os Marines e a Marinha. A ideia por trás dessa estratégia foi a economia de escala – produzir muito da mesma coisa é como uma produção em massa, o que reduziria significativamente o custo unitário. Mas os problemas começaram a se acumular quando se iniciou o trabalho no motor do F-35B, que deve ser capaz de decolar e aterrissar verticalmente, para ser usado em porta-aviões. Projetar esse novo motor e encaixá-lo numa aeronave já super avançada foi uma tarefa complicada. Para construi-lo foram necessários milhares de engenheiros e um enorme orçamento.


Documentário canadense sobre o processo de compra do F-35:


CARACTERÍSTICAS DE UM CAÇA

Uma das principais características de um avião é obviamente a sustentação. Sem sustentação suficiente, o avião simplesmente cairá no chão; poderá usar a potência extra do motor para mantê-lo voando, no entanto, isso diminui tanto a eficiência no consumo de combustível quanto o alcance da aeronave. O que muitos críticos reclamam do F-35 é que ele tem asas muito pequenas (para ser armazenado de forma compacta num porta-aviões), o que lhe daria pouca sustentação. Os críticos dizem que as pequenas asas dão má sustentação ao F-35 porque a área das asas é crucial para que uma aeronave tenha boa sustentação.

Mas o que eles parecem subestimar é que, na verdade, o corpo do caça aumenta muito a sustentação, o que foi testado com o Martin Marietta (agora parte da Lockheed Martin) X-24A. Ele fez seu primeiro voo em 1969 e era basicamente uma fuselagem com motor. A forma do corpo, ao invés das asas (que não tinha), dava-lhe sustentação para voar, o que torna a pequena área da asas do F-35 um número que realmente não importa (mas ainda assim, asas grandes podem melhorar a sustentação). Um dos críticos mais agressivos é Pierre Sprey. Sprey é um ex-projetista de aeronaves e analista de defesa, e ele usa – entre outras coisas – o argumento das asas pequenas para explicar que “o F-35 é um limão”.


6965210969_f9296599cf_b
F-35B com as baias de armamento abertas (Foto: Lockheed Martin)

Outra coisa importante é o arrasto. O arrasto é a resistência do ar que um avião enfrenta quando se move, e essencialmente, um corpo com forma pequena e elegante reduz o arrasto. O F-35 é grande e não tão aerodinâmico como, por exemplo, o Eurofighter Typhoon, mas o que reduz a resistência do F-35 comparado ao Typhoon, afinal, é que ele tem enormes baias internas de armamento. O Typhoon, em comparação, tem muito pouco arrasto sem tanques de combustível ou armas em seus hardpoints, mas quando ele passa a carregar tanques externos (o que normalmente ele faz) e mísseis, o arrasto aumenta tremendamente. Ainda é menor que o arrasto do F-35, mas a diferença de carregar seis mísseis ar-ar internamente (como o F-35) ou externamente como o Eurofighter faz uma boa diferença.


VÍDEO 576 DO CANAL ARTE DA GUERRA: PORQUE OS INTERNAUTAS FALAM TANTA BOBAGEM SOBRE O JATO F-35


QUÃO CARO ELE É?

A única coisa que geralmente diminui o valor do F-35 é o seu alto preço. O custo unitário, atualmente de cerca de US$ 150 milhões* (a versão VTOL) e um custo de manutenção de cerca de US$ 31.000 por hora de voo é extremamente caro em comparação com caças de geração 4.5 muito capazes. Por exemplo, o Eurofighter Typhoon custa cerca de US$ 110 milhões por unidade com um custo de manutenção muito menor (US$ 18.000 por hora). Portanto o preço é atualmente muito alto, mas devemos lembrar que o custo é (parcialmente) tão alto porque os engenheiros basicamente desenvolveram três aeronaves diferentes no mesmo projeto. O preço por unidade será reduzido quando todos os caças planejados forem construídos – atualmente, 2.400 para os EUA e algumas centenas para compradores estrangeiros. Esta foi a ideia original do F-35; produzir muitos, chegando a um custo unitário menor.


Engine_of_F-35
O sistema Rolls-Royce LiftSystem acoplado a um turbofan Pratt & Whitney F135 no Paris Air Show em 2007 (Foto: Duch.seb/Wikipedia)

COMO SE COMPARA A OUTROS CAÇAS?

Mas existem muitos outros fatores que determinam a habilidade e a utilidade de uma aeronave de caça. A tabela abaixo mostra outros dados importantes.

Captura de Tela 2019-04-26 às 12.04.33

*RCS = Radar Cross Section: é uma medida do quanto um objeto é detectável por radar. Um RCS maior indica que um objeto é mais facilmente detectado. Veja mais neste artigo.

O F-35 não foi feito com foco principal em altas velocidades, ele é construído como uma aeronave de ataque (também), como o A-10 Thunderbolt II e, portanto, precisa de baixas velocidades para atirar no inimigo no solo por mais tempo antes de passar por ele. Seu RCS é um dos menores do mundo mesmo sem cargas externas, sem mencionar que quando os demais começam a carregar armas em suas asas, o RCS aumenta ainda mais em comparação com o F-35. Ele não tem as melhores capacidades de dogfight devido ao seu grande tamanho (Sprey o chama de “gordo”) e o grande motor atrás do cockpit que limita a visão traseira, mas os combates ar-ar modernos são principalmente BVR (Beyond Visual Range, além do alcance visual), o que significa que os caças dependerão muito de seus mísseis guiados por radar e infravermelho, ao invés de dependerem tanto de suas habilidades em dogfight.

O QUE DIZEM OS ENGENHEIROS E PILOTOS?

Todo mundo tem opiniões diferentes sobre ele, como pode ser visto abaixo e na mídia. O que no final faz com que seja realmente difícil saber 100% se ele é ou não um bom avião é que até mesmo pilotos e engenheiros (muito) experientes têm pontos de vista divididos.



– Peter Wilson, experiente piloto britânico de Harrier, disse que pilotar o F-35B foi simplesmente “mágico”: “Com o F-35B, você aperta um botão e o jato passa sozinho de 200 nós para a flutuação, o avião cuida de você.”

– “Mesmo antes das críticas, alguns analistas questionaram a capacidade do F-35 de derrotar os novos jatos Sukhoi e Shenyang.” (David Axe, correspondente militar).

– “É como se Detroit de repente lançasse um carro com fluido de isqueiro no radiador e gasolina no sistema hidráulico do freio: é assim que este avião é inseguro …” (Pierre Spray).



Essa é a amplitude de visões do projeto de um jato de um trilhão de dólares, e em quem podemos realmente acreditar? No mundo dos projetos de defesa modernos e super caros, há muitas informações ocultas e experimentos que provavelmente nunca virão à tona. Nós simplesmente temos que olhar para as informações que temos e formar nossa própria opinião sobre o assunto. E a experiência irá lançar um pouco de luz sobre as dúvidas que muitos têm agora.

Para concluir o artigo, gostaríamos de dizer que o F-35 entrou num clima tempestuoso. As pessoas o comparam de formas que não se encaixam no seu propósito e por isso deram-lhe o nome de “desastre de um trilhão de dólares”. Mas ele não pode ser comparado ao F-22 Raptor (que também é freqüentemente criticado principalmente devido ao custo ainda mais alto), já que o F-35 é um jato multimissão que pode ser usado para uma grande variedade de missões, enquanto o F -22 é primariamente um caça de superioridade aérea com capacidade limitada de ataque ao solo e guerra eletrônica.


GEWK3NKBYVE2LLMVB6PAELQOC4
Cap. Andrew “Dojo” Olson, comandante da Equipe de Demonstração F-35 executa uma passagem de alta velocidade num F-35A no Heart of Texas Airshow, 7 de abril de 2019. (Foto: USAF/Senior Airman Alexander Cook)

Como demonstramos, ele não é o melhor jato do mundo em todos os aspectos, mas não é tão ruim quanto muitas pessoas dizem. Ele se encaixa em seu propósito, embora seja no mínimo questionável se vale a pena o preço de US$ 150 milhões. No entanto, quando o preço baixar com o aumento da produção, talvez não seja um investimento tão ruim para seus compradores. Mas não se pode realmente dizer se vale ou não a pena a longo prazo; pode haver, por exemplo, um novo sistema de armas superfície-ar sendo desenvolvido que coloque em risco caças com tecnologia furtiva.

*Nota do tradutor: o custo atual do F-35B, no LRIP 11, é de US$ 115,5 milhões (conforme informação da Lockheed Martin)

Foto de capa: Lockheed Martin


RECOMENDADOS PELO VELHO GENERAL

Captura de Tela 2019-04-26 às 15.50.03

X-35: Progenitor to the F-35 Lightning II

    • Hugh Harkins (Autor)
    • Em inglês
    • Versões eBook Kindle e Capa Comum
Captura de Tela 2019-04-26 às 15.50.18

F-35 Lightning II Illustrated (The Illustrated Series of Military Aircraft)

    • Lou Drendel (Autor, Ilustrador)
    • Em inglês
    • eBook Kindle
Captura de Tela 2019-04-26 às 15.50.33

American Gripen: The Solution To The F-35 Nightmare

    • David Archibald (Autor)
    • Em inglês
    • Versões eBook Kindle e Capa Comum

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

16 comentários

  1. Ainda muito cedo para avaliar no F 35, é um avião caro tem defeitos que tem ser corrigidos ( isso deve ao seu novo conceito e propósito e também a novas tecnologias empregadas), não vejo porque os críticos criticam tanto o F 35 , ninguém diz que era o melhor caça do mundo.
    Excelente artigo, esclareceu umas dúvidas que tinha do F 35.

  2. Esse avião é uma obra de arte. Quando o ser humano inventou a arte, apareceu o seu sub produto: o crítico. Não seria diferente agora.

  3. Mais um excelente artigo! Parabéns a todos! Aprendo sempre com os artigos, apesar de não conseguir ler todos! Quanto ao artigo em específico, até mesmo entre profissionais e especialistas da área de Defesa não existe unanimidade, ou lado A versus lado B, mais uma firmeza de propósito em busca da melhoria, mas olhando de diferentes formas. Um projeto de Defesa sempre é de longo prazo, tanto em manufatura quanto em emprego e a polivalência que se deseja com o F-35 pode dar ao caça uma sobrevida, mas o que deve ou pode abreviar sua vida operacional será o quanto ao longo do tempo o caça pode se adaptar as diversas formas de combater. Bravo Zulu a todos!

    1. Muito obrigado pelo comentário! Um projeto como o F-35 é de uma complexidade gigantesca, além disso, muitas críticas acabam tendo um certo viés ideológico. Mais uma vez obrigado por acompanhar o blog e por comentar!

  4. Já tive oportunidade de falar com vários pilotos de F-35 e outros que enfrentaram (em treino) o F-35 e todos são unânimes: é um avião sem rival atualmente.
    Conheci até pilotos que falavam mal mas mudaram de opinião depois de enfrentarem em voo.
    O erro de análise de quase todos que falam mal, é que ainda não perceberam que o F-35 é o primeiro de um novo conceito de caça: o F-35 será mais um “hub” controlador de várias plataformas de armamento (no ar, mar e terra) do que apenas um dogfighter.
    Mesmo em relação ao preço, criou-se o mito de ser caro, mas a versão F-35A custa já atualmente (90USD), tanto ou menos que o Rafale ou Typhoon.
    A minha dúvida em relação à supremacia do F-35 tem apenas que ver com quando tiver que enfrentar outro caça de 5ª Geração. Mas isso é como tudo na história bélica. Toda a arma tem um prazo de validade.
    Um abraço meu amigo Albert e continue o excelente trabalho!

    1. Excelente comentário, meu caro, concordo em gênero, número e grau. Como tudo o que é novo, atrai detratores, e em tempos de internet, bem, como já disse Umberto Eco…! Um abraço meu amigo, e obrigado por comentar!

Deixe um comentário

Advertisement
Advertisement

Veja também