A Escandinávia não será o próximo alvo da Rússia


Jyri-Raitasalo Por Jyri Raitasalo*, publicado no Foreign Policy em 27 de março de 2019 (Traduzido por Albert Caballé Marimón)
SWEDEN-FINLAND-DEFENCE-AIRFORCE-EXERCISE-2019

F-18 finlandeses em Rovaniemi durante exercício conjunto das forças aéreas da Finlândia e da Suécia no Círculo Ártico em março de 2019 (Imagem: Jonathan Nackstrand/AFP/Getty Images)

Em um artigo recente da Foreign Policy, o ex-presidente georgiano Mikheil Saakashvili argumentou que “o alvo mais provável da Rússia no futuro próximo é a Finlândia ou a Suécia”. Como diz Saakashvili, “atacando um país não pertencente à OTAN, [o presidente russo Vladimir] Putin não se arrisca a uma resposta proporcional, de acordo com o Artigo 5º. Mas, tendo como alvo um país europeu, ele pode esperar colher os frutos da aprovação pública de eleitores que estão desesperados por uma vitória”.

Felizmente para a Finlândia e a Suécia, o argumento de Saakashvili baseia-se em inflar ameaças, no hype da Rússia e numa análise equivocada do que num entendimento realista das relações entre estados no norte da Europa.

“O argumento de Saakashvili baseia-se mais na inflação de ameaças, no hype da Rússia e numa má análise do que num entendimento realista das relações entre estados no norte da Europa”

Primeiro, começar uma guerra é sempre um caminho potencial para futuras catástrofes. Analisando os custos das incursões da Rússia na península da Crimeia e no leste da Ucrânia desde 2014, eles são muito altos – e crescentes. Hoje, a Rússia enfrenta crescentes sanções econômicas e isolamento político. Se tanto, em sua própria descrição, o sucesso da Rússia na Ucrânia foi uma vitória de Pirro.

Em segundo lugar, apesar das relações entre a Rússia e o Ocidente serem tensas, existe muita cooperação no dia-a-dia. Esse estado de coisas reflete o fato de que os estados ocidentais – ou a Europa como um todo – não podem estar seguros sem algum tipo de entendimento diplomático de longo prazo com a Rússia. Ambos os lados reconhecem isso. Recentemente, a diplomacia tem sido subestimada, mas isso não significa que alguém deva parar de tentar. A Finlândia tem sido um dos poucos países europeus que envolvem a Rússia no mais alto nível político, a fim de reduzir as tensões. Esperar a Rússia capitular diante de mais e mais sanções econômicas ou esperar que ela se desintegre pacificamente através de um processo de turbulência interna seria um erro. Tanto a Rússia quanto o Ocidente têm interesse em resolver a crise atual sem recorrer à força das armas.

Finalmente, a Finlândia e a Suécia levam muito a sério os seus compromissos de defesa territorial. E no caso da Finlândia, a defesa territorial contra a agressão externa tem sido a razão de ser das Forças de Defesa Finlandesas desde que o país conquistou a sua independência há mais de 100 anos.

“A Finlândia e a Suécia levam muito a sério seus compromissos de defesa territorial”

Isso não mudou com o fim da Guerra Fria 30 anos atrás. Nos anos 90, a maioria dos estados europeus redefiniu sua visão sobre a defesa militar. Entre 1989 e 2013, a maioria dos exércitos europeus tornou-se pequenas forças de voluntários, adequadas para operações expedicionárias multinacionais com contribuições de tropas simbólicas. As estruturas de divisão e brigada foram cortadas. Fogo de longo alcance, guerra eletrônica, defesa aérea terrestre, tanques e múltiplos lançadores de foguetes foram descartados. A gestão militar de crises, a cooperação civil-militar e as operações de contra-insurgência substituíram a guerra de manobras mecanizadas nas doutrinas militares. Em suma, as forças armadas ocidentais – particularmente na Europa – encolheram.

Houve uma exceção: a Finlândia. O país nunca deixou a peteca cair na defesa territorial. Hoje, isso está pagando dividendos. Na área de defesa, não há soluções rápidas. Capacidade militar perdida não pode ser substituída rapidamente. Este é o ponto central do mal-estar militar europeu. Não há necessidade das assim chamadas forças externas de dissuasão quando você tem a casa em ordem. Terceirizar custos relacionados à defesa (por exemplo, para os Estados Unidos) não é a maneira de proceder quando se trata de questões de segurança nacional e sobrevivência. Muitos estados europeus tornaram-se dependentes demais dos Estados Unidos para deter uma agressão militar externa – e, se necessário, defender seu território nacional e o território da aliança da OTAN.

“Muitos países europeus tornaram-se dependentes demais dos Estados Unidos para deter a agressão militar externa”

A Suécia teve seu momento de dividendos de paz após o colapso da União Soviética e o fim da Guerra Fria. Perdeu uma quantidade significativa de capacidade militar para defesa territorial, particularmente no domínio terrestre. Mas ainda assim, a Suécia manteve significativas capacidades de guerra marítima e aérea ao longo do período. E depois de 2014, voltou a concentrar-se na defesa do seu próprio território e áreas adjacentes. Além disso, as compras militares foram impulsionadas. E as perspectivas para futuros aumentos do orçamento de defesa sueco parecem positivas. Além disso, a Finlândia e a Suécia estão envolvidas em acordos bilaterais e multilaterais de cooperação em matéria de defesa. A manutenção e o desenvolvimento de capacidades de defesa territorial confiáveis não restringem as possibilidades de cooperação internacional.

De fato, a Finlândia e a Suécia expandiram suas respectivas agendas de cooperação em defesa, bilateralmente e com outros. Os Estados Unidos são um ator importante nesse sentido, assim como a OTAN. Mas a cooperação em defesa não pode substituir suficiente capacidade militare nacional. Esta é a lógica subjacente ao Artigo 3º do Tratado do Atlântico Norte. Aplica-se à Finlândia e à Suécia, assim como a qualquer outro país – seja ou não um Estado membro da OTAN.

Afinal, mesmo o maior urso não vai engolir um porco-espinho. A Geórgia perdeu parte de seu território para a Rússia, em 2008, quando Saakashvili era presidente. Há muito o que aprender com essa experiência, mas nada sugere que a Rússia vá iniciar uma guerra contra a Suécia ou a Finlândia, como afirma Saakashvili, para aumentar a popularidade de Putin.


*Jyri Raitasalo é professor de Estudos de Guerra na Universidade de Defesa Nacional da Finlândia.


RECOMENDADOS DO VELHO GENERAL

Captura de Tela 2019-03-28 às 09.02.11

Finnish Security and European Security Policy

  • U.S. Department of Defense (Autor)
  • Em inglês
  • eBook Kindle
Captura de Tela 2019-03-28 às 09.02.28

Russia’s Security Relations with Finland, Norway, and Sweden – Role of NATO and United States, Threats from Vladimir Putin, Regional Security, Collective Defense, Seeking NATO Membership

  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle e Capa Comum
  • Rory Hayden, US Military, Department of Defense (Autores)
Captura de Tela 2019-03-28 às 09.02.46

Swedish Jet Fighter Colours

  • Mikael Forslund (Autor), Thierry Vallet (Ilustrador)
  • Em inglês
  • Capa dura
Captura de Tela 2019-03-28 às 09.03.05

European Air Power: Challenges and Opportunities

  • Henrik R. Dam (Autor) e John Andreas Olsen (Editor)
  • Em inglês
  • Versões eBook Kindle e Capa dura

Anúncios

  5 comments for “A Escandinávia não será o próximo alvo da Rússia

  1. 09/04/2019 às 10:11

    “Muitos países europeus tornaram-se dependentes demais dos Estados Unidos para deter a agressão militar externa”. Será assim com a Suécia?! que me parece muito forte na indústria Militar. Albert, seria ótimo ver um levantamento da indústria nacional bélica desses países, inclusive da Noruega.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Ricardo Cezar Lopes Fernandes
    26/04/2019 às 13:18

    O povo finlandês é destemido. Já enfrentaram a URSS. Não sei o que significa o termo “hype”.

    Curtido por 1 pessoa

    • 26/04/2019 às 14:25

      Obrigado por comentar. O termo “hype” significa algo que está na moda, está em alta, uma tendência. Espero ter ajudado.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: