Por dentro do programa secreto de Israel de apoio aos rebeldes sírios

Os combatentes foram armados e pagos para manter as forças ligadas ao Irã longe da fronteira de Israel.

Publicado originalmente na Foreign Policy por Elizabeth Tsurkov em 6 de setembro de 2018. Tradução e adaptação de Albert Caballé Marimón. 


ISRAEL-SYRIA-IRAN-GOLAN

Soldados israelenses perto da fronteira com a Síria nas colinas do Golã ocupadas por Israel em 10 de maio. (Menahem Kahana / AFP / Getty Images)


Israel secretamente armou e financiou pelo menos 12 grupos rebeldes no sul da Síria que ajudaram a evitar que combatentes apoiados pelo Irã e militantes do Estado Islâmico assumissem posições próximas à fronteira israelense nos últimos anos, segundo mais de duas dúzias de comandantes e graduados membros desses grupos.

As transferências militares, que terminaram em julho deste ano, incluíam fuzis de assalto, metralhadoras, lançadores de morteiros e veículos de transporte. Agências de segurança israelenses entregaram as armas através de três portões que ligam as colinas de Golan, ocupadas por Israel, à Síria – as mesmas passagens que Israel usou para fornecer ajuda humanitária aos moradores do sul da Síria que sofrem com anos de guerra civil.

Israel também pagou salários aos combatentes rebeldes, pagando a cada um cerca de US$ 75 mensais, além de dinheiro que os grupos usaram para comprar armas no mercado negro da Síria, segundo os rebeldes e jornalistas locais.

Os pagamentos, junto com o serviço que Israel estava recebendo em troca, criaram entre os rebeldes a expectativa de que Israel intercederia se as tropas leais ao presidente Bashar al-Assad tentassem avançar no sul da Síria.

Quando as forças do regime apoiadas pelo poder aéreo russo fizeram exatamente isso no verão passado, Israel não interferiu, deixando os grupos rebeldes se sentindo traídos.

“Esta é uma lição que não esqueceremos sobre Israel. Não se importa com pessoas. Não se importa com humanidade. Tudo com o que se preocupa são seus próprios interesses”, disse Y., combatente de um dos grupos, o Forsan al-Jolan.

Israel tentou manter seu relacionamento com os grupos em segredo. Embora algumas publicações tenham escrito sobre isso, as entrevistas que a Foreign Policy conduziu com membros da milícia para esta matéria trazem o mais detalhado relato até agora do apoio de Israel aos grupos. Todos os combatentes falaram sob a condição de que seus nomes e facções não fossem revelados.

A quantidade de armas e dinheiro que Israel transferiu para os grupos – que abrangem milhares de combatentes – é pequena se comparada às quantias fornecidas por outros países envolvidos na guerra civil de sete anos, incluindo Qatar, Arábia Saudita, Turquia e Estados Unidos. Mesmo no auge do programa de assistência israelense no início deste ano, os comandantes rebeldes reclamaram que era insuficiente.

Mas a assistência é significativa por vários motivos. Ela marca mais uma maneira pela qual Israel vem tentando impedir o Irã de consolidar sua posição na Síria – juntamente com ataques aéreos aos acampamentos iranianos e a pressão política que Israel suporta através da Rússia, o principal agente de poder na Síria.

Também levanta questões sobre o equilíbrio de poder na Síria quando a guerra civil finalmente se encaminha para seu final. Como as forças iranianas que ajudaram Assad a derrotar os rebeldes não mostram inclinação para deixar a Síria, o potencial para o país se tornar um ponto de conflito entre Israel e o Irã é grande.

Um porta-voz da embaixada de Israel em Washington não quis comentar essa história.

Israel começou a armar grupos rebeldes alinhados com o Exército Livre da Síria em 2013, incluindo facções em Quneitra, Daraa e nas áreas ao sul de Damasco. As armas transferidos na época eram principalmente fuzis de assalto M16 fabricados nos EUA. Mais tarde, Israel passou a fornecer aos rebeldes principalmente armas não americanas – aparentemente para ocultar a fonte da assistência – incluindo armas e munições vindas de um carregamento iraniano para o Hezbollah que Israel confiscou em 2009.

A assistência a esses grupos permaneceu estável por algum tempo, mas se expandiu significativamente no ano passado. Israel passou do apoio a centenas de combatentes para grupos de milhares de rebeldes. O aumento na assistência coincidiu com uma mudança mais ampla nas políticas de Israel na Síria. Depois que apelos ao governo dos EUA e ao Kremlin não conseguiram garantir um acordo que assegurasse que as milícias apoiadas pelo Irã fossem mantidas longe do sul da Síria, Israel adotou uma política mais agressiva.

Sua Força Aérea começou a atacar mais profundamente o território sírio, visando não apenas as remessas individuais de armas do Irã para o Hezbollah, mas também as bases iranianas em todo o país.

Dois dos grupos apoiados por Israel foram publicamente identificados – o Forsan al-Jolan (os Cavaleiros de Golã), uma facção baseada na cidade fronteiriça de Jubata al-Khashab em Quneitra, e o Liwaa Omar bin al-Khatab, com base em Beit Jinn, cidade próxima da fronteira com o Monte Hermon.

Ao contrário de outros apoiadores estrangeiros da oposição síria, Israel fez pouco esforço para organizar e consolidar seu programa de ajuda. Em vez disso, aparentemente dependia de relacionamentos desenvolvidos com comandantes individuais, canalizando a assistência diretamente para eles.

De acordo com os rebeldes no sul da Síria, esses comandantes se comunicariam com as autoridades israelenses por telefone e ocasionalmente os encontrariam pessoalmente no Golã ocupado por Israel. Quando os comandantes trocaram de grupo e localização, a assistência israelense os seguiu. Por outro lado, quando os comandantes foram mortos ou removidos de suas posições devido a lutas internas de poder, a assistência israelense às suas antigas facções foi interrompida.

Forsan al-Jolan era o grupo preferencial de Israel. No ano passado, acrescentou várias centenas de combatentes a suas fileiras devido a um aumento no financiamento israelense, segundo membros da facção. Também serviu como distribuidor de armas fornecidas por Israel para outros grupos. Isso permitiu que o grupo tivesse uma influência descomunal tanto em Quneitra quanto na vizinha província de Daraa.

Israel também forneceu apoio de fogo a facções rebeldes que combatem a afiliada local do Estado Islâmico na bacia do rio Yarmouk. De acordo com rebeldes locais, jornalistas e residentes, Israel realizou ataques aéreos com drones direcionados a comandantes do Estado Islâmico e ataques com mísseis de precisão contra pessoal do grupo, fortificações e veículos durante as batalhas com os rebeldes. Israel não estendeu apoio de fogo semelhante para ataques rebeldes às forças do regime.

Como resultado da ajuda humanitária e militar de Israel, muitos moradores do sul da Síria chegaram a percebe-lo como um aliado. Israel publicou seu programa “Good Neighbor” em árabe, incluindo ações humanitárias no sul da Síria e tratamento de alguns sírios em hospitais israelenses.

Y., o combatente do Forsan al-Jolan, disse há alguns meses: “Israel é o único com interesses na região e um pouco de humanidade e [fornece] assistência aos civis”.

Mas quando as tropas leais a Assad, ajudadas pelas forças russas e iranianas, reafirmaram o controle sobre mais e mais áreas da Síria, Israel buscou outras formas de garantir seus interesses ao longo da fronteira.

Em julho deste ano, as autoridades israelenses aparentemente chegaram a um entendimento com a Rússia que permitiu o retorno das forças do regime a Daraa e Quneitra, as áreas adjacentes às colinas de Golan. Em troca, a Rússia teria prometido manter as milícias apoiadas pelo Irã a 80 quilômetros das colinas de Golã e a não atrapalhar os ataques israelenses contra alvos iranianos em toda a Síria.

“Mesmo depois do início da ofensiva de Assad no sul da Síria, muitos sírios na área esperavam que Israel pelo menos impedisse o regime de recapturar a província adjacente de Quneitra.”

Mesmo depois do início da ofensiva de Assad no sul da Síria, muitos sírios na área esperavam que Israel pelo menos impedisse o regime de recapturar a província adjacente de Quneitra. Milhares de pessoas fugiram para a área adjacente às colinas de Golã, mas Israel não interveio para protegê-las.

Um líder da comunidade local do oeste de Daraa, que concordou em ser identificado apenas como Abu Khaled, disse que logo percebeu que confiar em Israel foi um erro.

“Confie em mim, Israel lamentará seu silêncio sobre o que aconteceu no sul da Síria. Nós, em nossa cidade e cidades vizinhas, concordamos de má vontade com o regime, mas essa reconciliação afetará Israel no futuro próximo”, disse ele.

Enquanto o regime se aproximava, alguns dos rebeldes estenderam a mão aos seus contatos israelenses e pediram asilo, temendo a retaliação das forças de Assad. Autoridades israelenses responderam permitindo que um pequeno número de comandantes rebeldes e seus familiares imediatos entrassem em Israel na noite de 22 de julho. Outros foram rejeitados.

O paradeiro desses comandantes e seus parentes ainda não está claro. De acordo com pessoas na Síria, há boatos de que alguns estão em Israel, outros na Jordânia. Um ex-comandante informou seus subordinados que ele havia chegado à Turquia.

Quanto aos combatentes comuns, a maioria preferiu permanecer em suas casas e se render ao regime, ao invés de fugir para Idlib, o último enclave remanescente das forças rebeldes. Alguns foram presos, aparentemente por trabalhar com Israel, enquanto outros se juntaram às milícias pró-regime ou ao próprio Exército sírio como forma de evitar a perseguição do regime.


Elizabeth Tsurkov é jornalista e pesquisadora do Forum for Regional Thinking, um think tank israelense. Twitter: @Elizrael


Sobre este assunto, o nosso parceiro Canal Arte da Guerra, do Comandante Robinson Farinazzo, fez o vídeo “Israel: Um exército secreto operando na Síria”. Não deixe de ver.


 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: