A participação da China em Missões de Paz

Militares chineses em formatura pouco antes de sua implantação na missão da ONU em Juba, capital do Sudão do Sul. (Foto: PLA Daily/Weibo).

A participação da China nas missões de paz da ONU saiu de praticamente zero até uma posição de indiscutível liderança, em apenas três décadas. Isso ocorre por diversas razões, desde econômicas até políticas, geopolíticas e militares. Todas apontam para um maior protagonismo do gigante asiático no sistema internacional.

EUA saúdam forças de paz da China na África, mas desconfiam das incursões de Pequim

Militares chineses participam da cerimônia de abertura da base militar da China no Djibuti (Foto: AFP).

O Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA foi informado que o recém-concluído cais da China no Djibuti acomodaria um porta-aviões; analistas alertam que as operações de manutenção da paz da China na África são percebidas como possível desculpa para construção de bases militares no continente.

Com pouco alarde, o Japão mudou a maneira como usa suas forças armadas

Pela primeira vez desde 1945, o país está enviando suas forças de autodefesa a uma missão no exterior não patrocinada pela ONU.