Radar Semanal 26/03/2021

Foto: Prefectura Naval Argentina.

Nesta edição do Radar, uma análise do SCMP sobre a união de China e Rússia frente às sanções americanas; artigo da Foreign Affairs avalia que a atual competição entre China e EUA, embora perigosa, não configura uma nova Guerra Fria; no Defense News, os exercícios militares greco-sauditas e possíveis impactos nas relações com os turcos; na Time, as estimativas dos impactos globais do bloqueio no Canal de Suez; e uma análise da expansão da influência chinesa na América do Sul, especialmente na Argentina, e a fraca reação dos EUA.

Aldo Rebelo: entrevista no Canal Arte da Guerra

Na semana passada o ex-ministro da Defesa e do Esporte Aldo Rebelo esteve no Canal Arte da Guerra no YouTube onde concedeu uma interessante entrevista, durante a qual respondeu perguntas sobre seu tema favorito: o Brasil. Neste artigo, um sumário dos principais tópicos abordados na conversa.

A questão fronteiriça entre Venezuela e Guiana

A disputa entre a Venezuela e a Guiana pelo território do Essequibo é anterior inclusive à independência desses países. O acordo de 1905, que concedeu 94% da região à Guiana, nunca satisfez realmente a Venezuela. Em 2015, a descoberta de grandes reservas de petróleo na área reacendeu a disputa. Aguarda-se uma decisão da Corte Internacional de Justiça (CIJ), que em breve deverá deliberar sobre o assunto.

Retrospectiva 2020

2020 foi um ano difícil. Além das guerras e questões geopolíticas que, desde sempre, moldam a história da humanidade, a pandemia da COVID-19 acabou se tornando um agravante em diversos aspectos, desde sanitários até políticos. Para o Velho General, foi um ano de muito trabalho e crescimento.

Operação Roraima

Numa história quase desconhecida, em 1969 a Venezuela e a Guiana quase foram às vias de fato devido à questão do território do Essequibo, ainda hoje reivindicado pelo país caribenho. Houve invasão do território brasileiro e a FAB e o EB envolveram-se numa operação dissuasória. Essa história é contada em primeira pessoa pelo Cel Av Motta de Souza, que comandou uma esquadrilha de dois bombardeiros B-26 da FAB durante o episódio.