Advertisement

Aldo Rebelo: entrevista no Canal Arte da Guerra

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Capa-Aldo-Rebelo

Aldo Rebelo em 2013, como Ministro do Esporte, em visita à cidade de Passo Fundo, RS (Foto: Prefeitura Municipal de Passo Fundo).

Na semana passada o ex-ministro da Defesa e do Esporte Aldo Rebelo esteve no Canal Arte da Guerra no YouTube onde concedeu uma interessante entrevista, durante a qual respondeu perguntas sobre seu tema favorito: o Brasil. Neste artigo, um sumário dos principais tópicos abordados na conversa.


A entrevista foi extremamente esclarecedora, enriquecida pela erudição do ex-ministro, que conhece como poucos a História do Brasil. Além disso, sua experiência acumulada nos diversos postos que ocupou no executivo e legislativo também contribuiu para comentários bastante relevantes para contextualizar a situação atual do país em questões como Defesa e Soberania.

  • Comentou a projeção de consultorias internacionais (sem citar nomes), sobre quais serão as maiores potências do séc. XXI: China, Índia, EUA, Indonésia e Brasil;
  • Mencionou que a ONU acredita que o Brasil será responsável por atender a 40% da demanda mundial por alimentos;
  • Disse que a maior fronteira mineral do mundo está no Brasil, citando o exemplo dos municípios de Autazes-AM, com a segunda mina de fosfato, e Espigão do Oeste-RO, com a maior mina de diamantes (inclusive maior do que as africanas);
  • Fez menção aos estudos de Euclydes da Cunha sobre infraestrutura, e comentou o fato de que, no ano 2000, houve um encontro de Chefes de Estado da América Latina, no qual foram definidas as obras fundamentais para integração da região, como estradas de rodagem e linhas férreas, diversos projetos ainda no papel e sem nenhuma perspectiva de continuidade;
  • Fez críticas ao antropologismo europeu e a mentalidade colonialista de países como a França e a Alemanha;
  • Teceu comentários sobre as riquíssimas reservas de água doce na Amazônia e sobre a água como uma commodity;

LIVRO RECOMENDADO

Raposa-serra do Sol: O índio e a questão nacional

  • Aldo Rebelo (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

  • Mencionou sua experiência como Ministro durante a recepção a uma comitiva oficial da Alemanha, quando ofereceu diversas opções de visitas, inclusive ao acelerador de partículas (Projeto Sirius), mas todos insistiram em visitar Amazônia;
  • Mencionou a “Maldição do Tratado de Tordesilhas”: as dificuldades do Brasil em incorporar a Amazônia vêm desde os tempos do descobrimento. Aldo lembrou a frase do Pe. Antonio Vieira: “Não querem nosso bem, mas nossos bens.”;
  • Fez uma explanação sobre o surgimento das ONG´s, com origem no Império Britânico e a contratação de pesquisadores alemães no caso da Guiana (atuação da ONG Sociedade Geográfica Britânica). Falou sobre a questão do “Caso do Pirara”, quando Joaquim Nabuco foi o diplomata brasileiro envolvido;
  • Falou sobre as ações do Rei Leopoldo da Bélgica no Congo e o genocídio de 10 milhões de pessoas; o país foi administrado como propriedade privada do rei, e muitas das ações genocidas foram perpetradas através de uma ONG de proteção dos povos aborígenes;
  • Mostrou indignação com o fato de todos os brasileiros serem obrigados a declarar Imposto de Renda, frente à decisão do STF de proibir abertura do sigilo de ONG´s;
  • Comentou sobre o caso de reis da Suécia e Noruega visitando índios brasileiros em território nacional sem sequer avisar o Governo do Brasil, mencionando também a retirada de amostras de sangue de indígenas resistentes a doenças tais como a malária.

Assista à entrevista:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

4 comentários

  1. Excelente iniciativa do VG. Transcrever as principais entrevistas / lives do canal aqui no Blog ajuda a divulgar as ideias debatidas. Forte abraço!

  2. Não simpatizo com as ideias econômicas do Aldo Rebelo, mas tenho respeito por ele.
    Assim como nunca votei no Lula, mas reconheço seus feitos sociais e seu desejo de um Brasil grande, líder regional.

    1. Pois é Dedé, tampouco concordo necessariamente com todas as idéias dele, mas Aldo Rebelo é um patriota, e o Brasil está precisando dos que o amam verdadeiramente. Forte abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement
Advertisement

Veja também