Radar Semanal 23/12/21

Comboio de tropas russas em deslocamento na direção de Tskhinvali, na Geórgia, em 16 de agosto de 2008 (AFP).

**Exclusivo Assinantes** Um perfil do chanceler alemão Olaf Scholz, bem conhecido do público alemão; Os objetivos franceses no Indo-Pacífico; O pragmatismo das negociações da Índia com a Rússia; Análise: Um compromisso de não expandir a OTAN até as fronteiras da Rússia seria realisticamente possível?

Radar Semanal 10/12/21

Militares das Forças Armadas da Índia desfilam na parada do Dia da Vitória na Praça Vermelha, em Moscou, marcando o 75º aniversário da vitória na Segunda Guerra Mundial (Ramil Sitdikov/Host Photo Agency/Getty Images).

**Exclusivo Assinantes** Preparativos da Rússia sinalizam que Moscou reconhece o perigo de uma área fortificada em sua fronteira; Relações russo-indianas são tradicionalmente boas, mas os laços econômicos estão estagnados e suspeitas mútuas vêm se insinuando; A visão da ministra das Forças Armadas da França sobre os desafios tecnológicos que seu país vem superando; Interesses conflitantes dificultam que Israel e Irã encontrem uma solução diplomática para seu impasse.

“We band of brothers”: a Batalha de Agincourt

A Batalha de Agincourt, uma fragorosa vitória dos ingleses sobre os franceses, foi imortalizada por William Shakespeare em sua obra Henrique V. Ocorreu em um campo enlameado no norte da França em 25 de outubro de 1415, Dia de São Crispim, durante a Guerra dos Cem Anos (1337-1453).

ABIMDE e associadas mostram tecnologia brasileira de Defesa e Segurança na Milipol Paris 2021

Divulgação.

Feira internacional acontecerá em Paris, França, entre os dias 19 e 22 de outubro.

O caso do submarino franco-australiano pode afundar a estratégia indo-pacífica da UE?

Bandeiras da União Europeia e da Austrália (Foto: AIIA).

**Exclusivo Assinantes** A decisão da Austrália de rescindir o contrato de A$ 90 bilhões com a França para forjar uma nova aliança com os EUA e o Reino Unido foi um choque para a Europa. Ironicamente, o anúncio veio poucas horas antes de a UE lançar a sua própria Estratégia Indo-Pacífico.

O acordo Estados Unidos–Austrália e os limites da estratégia anti-China dos EUA

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o então primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, no convés do HMAS Waller, um submarino classe Collins da Marinha Real da Austrália, em Sydney, maio de 2018 (Foto: Brendan Esposito/AFP).

A União Europeia quer um caminho intermediário entre China e EUA, e o anúncio AUKUS, com o cancelamento do acordo australiano com a França, mostra que isso será difícil. A UE geralmente considera os EUA seu aliado mais próximo, mas o bloco tem laços econômicos profundos com a China, tanto como mercado de exportação quanto como fornecedor.

Por que a Austrália rejeitou a França

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, discutiram o projeto do submarino da Austrália durante a XIII Cúpula do G20 realizada em Buenos Aires, Argentina, em novembro/dezembro de 2018 (Foto: Lukas Coch/AAP).

As circunstâncias mudaram desde 2016 e o apoio para a frota de submarinos da Marinha australiana se tornou uma questão de interesse nacional fundamental. Portanto, a decisão da Austrália foi a respeito de geopolítica, e não apenas um contrato comercial.

Com o AUKUS, os anglo-saxões deixaram os europeus em uma sinuca

Montagem com imagens Shutterstock/PNGWing.

*Exclusivo Assinantes* A diplomacia da União Europeia é movida pela emoção e por uma compreensão superficial das políticas dos Estados Unidos e do Reino Unido. Os líderes europeus subestimaram Boris Johnson e superestimaram Joe Biden, uma combinação ruim.

O novo e surpreendente acordo de segurança da Austrália

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, em teleconferência com o presidente americano, Joe Biden, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante o anúncio do AUKUS (Foto: The Australian).

Os líderes dos Estados Unidos, Austrália e Reino Unido anunciaram um novo pacto trilateral de segurança. Suas breves, embora significativas, declarações foram notadas mais pelo que eles não disseram.

Radar Semanal 18/06/21

Imagem: Australian Institute of International Affairs.

O Radar desta semana traz um estudo de qual deve ser a próxima Estratégia de Defesa Nacional dos EUA; uma análise da possibilidade de a China invadir a Ilha Pratas, controlada por Taiwan; Uma avaliação da situação militar da França no Sahel, com a Operação Barkhane; e um analista comenta os atritos entre a China e os países da comunidade de inteligência denominada Five Eyes.