Balão de radioamadores está entre os OVNIs abatidos pela USAF

Compartilhe:
Representação gráfica de um caça perseguindo um OVNI (The Eurasian Times).

Representação gráfica de um caça perseguindo um OVNI (The Eurasian Times).

Os balões PICO dão à volta ao mundo à grandes altitudes e transmitem dados telemétricos que alimentam um site de livre acesso para monitoração em tempo real; no entanto, o NORAD e a USAF desconheciam a existência de ambos.


Desde o advento da Internet e dos satélites, as transmissões de rádio convencionais praticamente desapareceram. É difícil para a geração mais jovem imaginar que no início da década de 1980 as comunicações de um continente para outro eram feitas com um transceptor que exigia uma antena relativamente grande e que estabelecer o link poderia ser difícil e demorado. Também não vamos falar da qualidade, que às vezes era muito ruim, o que exigia operadores com ouvidos particularmente sensíveis.

Hoje basta tirar um smartphone do bolso e usar um aplicativo para se comunicar com o mundo todo, instantaneamente. Esse uso é tão difundido que os serviços oficiais e até as forças armadas abandonaram o uso do rádio convencional para usar o digital e uma mistura inteligente de Internet e estações de satélite. Tanto que esquecemos a vulnerabilidade do processo, dependente de um cabo de fibra ótica atravessando oceanos e/ou imponentes antenas parabólicas. Cabos que podem ser sabotados e antenas que podem ser objeto de atos maliciosos, até mesmo de ataques inimigos. Sem falar, é claro, no risco cada vez maior de ataques cibernéticos.

No entanto, ainda há quem sinta saudades dos tempos antigos, quem seja suficientemente prudente para superar as deficiências do sistema atual em caso de crise, ou simplesmente entusiastas que continuam a explorar as ondas do rádio. Se ninguém mais se surpreende com o estabelecimento de um link de rádio com correspondentes em pontos opostos, tendo a Internet amplamente popularizado a coisa toda, os radioamadores continuam fazendo suas próprias pesquisas e experimentos no campo espacial com a colocação em órbita de satélites exclusivamente dedicado a amadores, mas recorrendo também a “balões PICO”.

Esses balões, geralmente com menos de um metro de diâmetro, carregam pequenos painéis solares que alimentam módulos muito simples destinados a transmitir dados telemétricos, incluindo sua posição em tempo real; o conjunto todo geralmente não pesa mais do que algumas dezenas de gramas. Embora rudimentares, esses balões são capazes de dar várias voltas ao redor da Terra antes de cair. Este tipo de aeróstato pequeno e muito leve geralmente voa em altitudes muito altas e não representa perigo para o tráfego aéreo.

Apesar de privilegiarem o rádio, esses entusiastas também sabem utilizar os recursos tecnológicos modernos. Assim, os dados transmitidos por esses balões são compilados e analisados. Eles são então usados ​​para alimentar um site de livre acesso que permite que sejam monitorados em tempo real [1].

Site este cuja existência parece ser ignorada pelo NORAD [2] assim como pela Força Aérea dos Estados Unidos. Porque, como indicam vários artigos de imprensa que dão conta do disparo de mísseis contra objetos voadores não identificados, pelo menos um dos objetos em questão não era outro senão um desses “balões PICO” lançados pelos americanos [3]. Aliás, o próprio John Kirby – porta-voz do Pentágono – acabou reconhecendo que um ou mais dos objetos derrubados eram utilizados para pesquisas por “entes privados” e que é claro que não representavam nenhum perigo militar ou qualquer risco para a segurança nacional.

O fato de um “balão PICO” custar pouco mais de cem dólares, e o míssil que o derrubou custar várias centenas de milhares, dispensa comentários.


Publicado no Cf2R.


*Alain Charret serviu mais de 25 anos na Força Aérea francesa, onde atuou em vários centros de escuta na França, mas especialmente na Alemanha antes da queda da URSS. Apaixonado pela audição de rádio, é membro do conselho editorial do jornal Les Nouvelles d’Addis, onde escreve as seções “Terrorisme dans la zone Afrique de l’Est/Mer Rouge” e “Vu à la radio”.


Notas

[1] https://amateur.sondehub.org

[2] Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte

[3] https://aviationweek.com/defense-space/aircraft-propulsion/hobby-clubs-missing-balloon-feared-shot-down-usaf;
https://www.rtl-sdr.com/the-us-airforce-may-have-shot-down-an-amateur-radio-pico-balloon-over-canada/;
https://www.passion-radio.org/blog/un-des-3-ovni-abattu-par-us-air-force-etait-ballon-pico-radioamateur-k9yo/79902.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

V-UnitV-UnitPublicidade
AmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também