O verdadeiro equilíbrio militar entre a Rússia e a OTAN

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Fuzileiros navais dos EUA da 22ª Unidade Expedicionária da Marinha e Comandos da Marinha Real atribuídos à Companhia M, 42º Comando de Fuzileiros Navais Reais, durante o exercício Northern Viking 2022 na Base Aérea de Keflavik, Islândia, 8 de abril de 2022 (Cpl. Yvonna Guyette/US Marine Corps).

Por Anatol Lieven*

Fuzileiros navais dos EUA da 22ª Unidade Expedicionária da Marinha e Comandos da Marinha Real atribuídos à Companhia M, 42º Comando de Fuzileiros Navais Reais, durante o exercício Northern Viking 2022 na Base Aérea de Keflavik, Islândia, 8 de abril de 2022 (Cpl. Yvonna Guyette/US Marine Corps).

A Aliança Atlântica classificou Moscou como sua “ameaça mais significativa e direta”, mas como os militares de ambos os lados realmente se comparam?


A invasão russa da Ucrânia e as atrocidades que a acompanharam naturalmente causou profunda ansiedade em toda a Europa. O novo Conceito Estratégico da OTAN para a próxima década chama a Rússia de “a ameaça mais significativa e direta à segurança dos Aliados e à paz e estabilidade na área euro-atlântica”.

Mas antes de dedicar enormes recursos adicionais para enfrentar a Rússia, seria uma boa ideia dar uma olhada sensata nos recursos militares russos e na natureza e extensão da ameaça militar russa à OTAN. Não devemos esquecer como, após o colapso da URSS, as agências de inteligência ocidentais concluíram que suas estimativas da Guerra Fria sobre o poder militar soviético eram muito exageradas (assim como, vale a pena notar, foram as previsões ocidentais de uma vitória russa fácil sobre a Ucrânia este ano). Afinal, os recursos dos EUA e do Ocidente não são ilimitados, e dedicá-los à defesa contra a Rússia significa limitá-los em outros lugares.

Em termos de gastos militares, os Estados Unidos e a OTAN são esmagadoramente superiores à Rússia. Em 2021, a Rússia gastou cerca de US$ 66 bilhões em suas forças armadas. Só os membros europeus da OTAN gastaram mais de quatro vezes isso. Os Estados Unidos gastaram mais de onze vezes mais (US$ 801 bilhões), embora, é claro, tenham enormes compromissos militares fora da Europa. Além disso, os governos europeus, incluindo a Alemanha, prometeram aumentos acentuados nos gastos militares, embora os detalhes ainda estejam longe de serem claros.

Só as frotas europeias da OTAN têm quase quatro vezes o número de navios de guerra de superfície da Rússia, deixando de lado as enormes forças destacadas pelos Estados Unidos com a Sexta Frota no Mediterrâneo e a Segunda Frota no Atlântico. A afirmação no Conceito Estratégico da OTAN de que a Rússia pode representar uma séria ameaça à OTAN no Mediterrâneo não parece convincente. O esquadrão mediterrâneo da Rússia geralmente consiste em apenas três fragatas e seis submarinos convencionais da classe Varshavyanka. Somente a Sexta Frota dos EUA costuma ter cerca de 40 navios de guerra, incluindo um porta-aviões e cruzadores, apoiados não apenas pelas outras marinhas da OTAN, mas também por suas forças aéreas.

A grande frota de submarinos da Rússia é outra questão. Isso representa as mesmas duas ameaças à OTAN que os submarinos soviéticos já foram. Primeiro, há a ameaça nuclear dos 12 submarinos de mísseis balísticos da Rússia e 10 submarinos de mísseis de cruzeiro. Em segundo lugar, há os 15 submarinos nucleares de ataque da Rússia (cinco dos quais foram, pelo menos até este ano, implantados no Pacífico) e 20 submarinos convencionais de ataque (seis no Pacífico).

Seus principais objetivos têm sido ajudar a proteger a implantação de submarinos de mísseis balísticos e atacar os navios da OTAN através do Atlântico, a fim de impedir que os reforços dos EUA cheguem à Europa em caso de guerra. Quão eficazes eles seriam realmente não está claro – os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França juntos têm pelo menos 35 submarinos nucleares de ataque implantados no Atlântico para proteger os comboios – mas deve-se presumir que eles poderiam causar danos consideráveis.

Mas seriam necessários reforços dos EUA para a Europa para derrotar uma invasão russa da OTAN? Um exército russo que teve que lutar por meses para capturar cidades relativamente pequenas no Donbass dificilmente parece capaz de capturar Varsóvia, muito menos Berlim. A Rússia também não pode impedir que a Força Aérea dos EUA cruze o Atlântico para ajudar a repelir uma invasão.

Em termos de números absolutos de tropas e armas, os membros europeus da OTAN mais as tropas dos EUA atualmente estacionadas na Europa têm uma vantagem considerável. Em 2021, as forças terrestres ativas (sem contar as reservas) dos cinco principais membros europeus da OTAN somavam mais de 500.000 soldados, em comparação com os 280.000 da Rússia; e a maioria destes últimos estão atualmente presos na Ucrânia (ou em dezenas de milhares de casos, mortos ou feridos). Os Estados Unidos têm seis brigadas de combate estacionadas na Europa; muito menor do que as forças russas em geral, mas o suficiente para endurecer seriamente a resistência europeia.

No papel, a Rússia tem 22.000 veículos blindados em comparação com os 16.000 da OTAN. No entanto, a evidência da guerra na Ucrânia sugere que muitos desses veículos russos mantidos em armazenamento de fato se deterioraram a ponto de não poderem ser efetivamente implantados; e a superioridade restante da Rússia em blindados sobre a Ucrânia foi amplamente anulada por uma combinação de coragem ucraniana e armas antitanque da OTAN. O mesmo aconteceu com a superioridade ainda mais esmagadora da Rússia no ar quando confrontada com mísseis antiaéreos dos EUA.


LIVRO RECOMENDADO:

A nova Guerra Fria e o prisma de um desastre: Ucrânia e o voo MH17

  • Kees Van Der Pijl (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

No futuro próximo, uma parte muito grande do exército russo estará presa lutando na Ucrânia ou se protegendo contra contra-ataques ucranianos. Estimativas de inteligência americana e britânica sugerem que a Rússia já perdeu cerca de um quarto de sua força de combate efetiva na Ucrânia. Portanto, não há comparação entre a ameaça representada pelas forças terrestres russas à OTAN hoje com os dias em que enormes exércitos de tanques soviéticos estavam no Elba e no Danúbio.

Quanto às forças europeias da OTAN, as questões que pairam sobre elas são tanto de coordenação como de vontade. O desejo dos países europeus de preservar suas próprias indústrias militares levou a uma enorme multiplicação de sistemas de armas às vezes incompatíveis, e militares separados têm estruturas de comando sobrepostas e contraditórias. A prometida criação da OTAN de uma força de reação rápida conjunta de 300.000 homens, se realmente se materializar, deve ajudar a reduzir o problema de coordenação e certamente será suficiente para derrotar qualquer ataque russo à OTAN como um todo.

Quanto à vontade de lutar dos membros europeus da OTAN, isso é extremamente difícil de prever com antecedência, uma vez que é influenciado por tantos fatores diferentes. Muitos acreditam que apenas os militares britânicos e franceses estão realmente dispostos a lutar – e deve-se dizer que o desempenho singularmente inexpressivo da maioria dos militares da OTAN no Afeganistão e nos Bálcãs contribuiu muito para apoiar essa crença. No entanto, as imagens da invasão da Ucrânia pela Rússia tiveram um efeito galvanizador na opinião pública europeia, que presumivelmente seria replicada com muito mais força se a Rússia realmente atacasse um estado membro da OTAN.

Acima de tudo, em quase qualquer cenário concebível para uma guerra terrestre com a Rússia, a Polônia estaria na linha de frente – e a disposição dos poloneses de lutar contra a Rússia dificilmente está em dúvida. A Polônia tem 111.000 soldados ativos e 32.000 reservistas imediatamente mobilizáveis. Seis meses atrás, isso teria parecido pequeno em comparação com o exército russo, mas os ucranianos mostraram como um número menor de soldados bem treinados, bem equipados e motivados pode lutar contra exércitos muito maiores até paralisá-lo. E se a Rússia atacasse a Polônia, seria inconcebível para o resto da OTAN se conter.

A Polônia, sem dúvida, também ajudaria os Estados Bálticos se fossem atacados. O Báltico – mesmo após a adesão da Suécia e da Finlândia – é o ponto mais vulnerável da OTAN. Mesmo com os compromissos da Rússia na Ucrânia, a Rússia poderia concentrar forças muito superiores contra os Bálticos, enquanto, por razões geográficas, o reforço da OTAN seria desafiador. Em uma batalha nas fronteiras, os Bálticos seriam esmagados.

Mas então, os Bálticos não lutariam nas fronteiras. Eles quase certamente se retirariam para as cidades de Tallinn, Riga, Vilnius e Kaunas e lutariam rua por rua como os ucranianos fizeram, negando assim à Rússia uma vitória rápida antes que forças maiores da OTAN pudessem intervir.

Uma invasão russa do Báltico seria, em qualquer caso, um ato profundamente irracional em termos puramente militares; e, embora a invasão da Ucrânia por Putin tenha sido totalmente criminosa, não foi insana – afinal, como observado, as suposições de Moscou de uma vitória fácil a curto prazo foram compartilhadas pela inteligência ocidental. A única circunstância em que a Rússia poderia se sentir compelida a invadir a Lituânia seria se os lituanos bloqueassem o acesso ao enclave russo de Kaliningrado; é por isso que a UE seria sensata em seguir o exemplo da Alemanha, isentando Kaliningrado das sanções da UE.

Resta o que parece ser a ameaça realmente plausível de um ataque russo à OTAN. Diante da perspectiva de uma derrota militar real na Ucrânia, Moscou pode disparar mísseis convencionais (dos quais ainda tem um grande arsenal, apesar de gastar muitos na Ucrânia) em linhas de comunicação na Polônia que estão sendo usadas para fornecer armas ocidentais à Ucrânia. A intenção provavelmente não seria interromper seriamente esses suprimentos, mas sim aterrorizar os europeus para que apoiem um acordo de paz na Ucrânia em termos aceitáveis ​​para a Rússia. O medo seria gerado não pelos ataques em si, mas pela crença de que levariam a um ciclo de escalada mútua que aumentaria drasticamente o risco de uma guerra nuclear acidental; e, em armas nucleares, a Rússia continua sendo uma superpotência igual aos Estados Unidos.

Este seria um passo muito arriscado do ponto de vista da Rússia, porque haveria uma chance significativa de que, longe de intimidar a OTAN, levasse de fato ao engajamento da Força Aérea dos EUA no lado ucraniano, levando, por sua vez, à derrota de Moscou ou uma verdadeira escalada para um apocalipse nuclear em que a Rússia também seria destruída. No entanto, esse – não uma invasão russa ou bloqueio naval da OTAN – parece ser o perigo real de conflito direto entre a Rússia e a OTAN que enfrentaremos nos próximos meses ou anos.

Artin Dersimonian contribuiu para a pesquisa deste artigo.


Publicado no Responsible Statecraft.


*Anatol Lieven é bacharel e PhD pela Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e pesquisador sênior sobre Rússia e Europa no Quincy Institute for Responsible Statecraft. Ele foi anteriormente professor na Universidade de Georgetown, no Catar, e no Departamento de Estudos de Guerra do King’s College de Londres. É membro do comitê consultivo do Departamento da Ásia Meridional do Ministério das Relações Exteriores e da Commonwealth britânico. Trabalhou como jornalista no sul da Ásia, na antiga União Soviética e na Europa Oriental e cobriu as guerras no Afeganistão, na Chechênia e no sul do Cáucaso. De 2000 a 2007 trabalhou em think tanks em Washington. É autor de vários livros sobre a Rússia e seus vizinhos, incluindo “The Baltic Revolutions: Estonia, Latvia, Lithuania and the Path to Independence” e “Ukraine and Russia: A Fraternal Rivalry”. Seu livro “Pakistan: A Hard Country” está nas listas oficiais de leitura para diplomatas americanos e britânicos que servem naquele país. Seu último livro é “Climate Change and the Nation State”.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

2 comentários

  1. Acho que este artigo supervaloriza o poder da otan, sabemos que a maior parte dos membros da otan se encontra em solo europeu, dentro do raio de ação dos mísseis russos, estes podendo atingir simultaneamente os centros de decisões e alvos estratégicos em poucos minutos, muitos destes hipersonicos de difícil interceptação.
    Claro que a Rússia também sofreria ataques nucleares, mas até aí os membros da otan já estariam destruidos, devido ao seu tamanho geográfico e populacional e sobraria pouca coisa para os americanos usarem contra a China em uma futura e inevitável guerra.
    Na verdade quem se beneficiária com isso tudo seria a China, que emergêria como a maior potência militar e econômica do mundo e a otan sabe muito bem disso, então ela pensará duas vezes antes de tentar um embate com os Russos.

  2. Esse artigo demonstra algumas limitações que a Rússia também sabe que possui. Então por que eles atacaram na Ucrânia? Porque foram impelidos e provocados a esse ponto; é sonho pensar que eles continuariam em expansão em direção a Europa ocidental.
    O articulista também esqueceu de citar a dependência energética da Europa em geral em relação a Rússia.
    E assim como a Rússia sabe que não é um bom negócio entrar em guerra com a OTAN a Europa deveria saber que, pelo fator nuclear e tecnologia de mísseis, também não teria como vencer contra a Rússia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também