UE “joga um jogo perigoso” na Ucrânia

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
A eurodeputada Clare Daly (Independent.ie).

A eurodeputada Clare Daly (Independent.ie).

Entrevista com a eurodeputada irlandesa Clare Daly: “esta guerra terminará quando os EUA quiserem que ela termine.”


Este mês, o Parlamento Europeu votou por maioria esmagadora a aprovação da candidatura da Ucrânia à adesão à União Europeia. Apenas alguns dias antes, a Lituânia, estado membro da União Europeia (UE) e da OTAN, decretou um bloqueio ao enclave russo da Europa Oriental, Kaliningrado.

Enquanto isso, os ganhos militares da Rússia no leste da Ucrânia foram recebidos com cada vez mais promessas de ajuda ocidental para a Ucrânia.

Para discutir esses e outros desenvolvimentos, em 23 de junho, James W. Carden conversou com Clare Daly, uma corajosa e sincera Membro do Parlamento Europeu (MEP, Member of European Parliament) da Irlanda, e uma forte oponente do consenso militarista transatlântico que tem Washington e o Parlamento Europeu em Bruxelas firmemente nas suas garras.

James W. Carden: Clare, obrigado por dedicar um tempo para conversar. Nosso timing é, dependendo de como você vê, muito bom ou muito ruim, pois chega até nós aqui nos EUA a notícia de que esta tarde em Bruxelas o Parlamento Europeu votou a favor da candidatura da Ucrânia à União Europeia. A votação foi de 529 votos a favor, 45 contra e 14 abstenções. Você e seu partido de esquerda, os Independents 4 Change (“Independentes pela Mudança”), se abstiveram. Pode explicar por que e o que pensa do momento da votação?

MPE Clare Daly: O nosso ponto de vista é que se as pessoas da Ucrânia ou de qualquer outro lugar querem aderir à União Europeia, e isso é uma escolha livre decidida pela maioria, e é feito em termos que não levam à falência as suas populações, bem, então isso é um assunto para eles. Claro, não é isso que está em cima da mesa no momento. A votação está sendo usada para aumentar a tensão com a Rússia.

Todo mundo sabe que não há como a Ucrânia realmente se juntar à União Europeia em breve. Agora, curiosamente, houve emendas apresentadas pelo grupo de esquerda no Parlamento argumentando que os critérios normais – direitos democráticos, estado de direito, erradicação da influência dos oligarcas, combate à corrupção – também deveriam ser aplicados neste caso.

Mas 423 eurodeputados pensaram que, neste caso, os critérios antigos não importavam – o principal é colocar a Ucrânia no clube. Então é apenas um jogo, mas muito perigoso, na verdade.

JWC: Certo. Parece que há uma lacuna crescente entre o que a UE deveria representar e o que realmente vem acontecendo na Ucrânia nos últimos oito anos. Recentemente, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, havia dito que, em sua opinião, “ucranianos estão prontos para morrer pela perspectiva europeia”.

Parece-me que esta conversa de “perspectivas” ou valores europeus é, particularmente no que diz respeito à Ucrânia, bastante hipócrita, dado que apenas na semana passada, a Rada ucraniana aprovou uma série de leis que proíbem a reprodução de música em língua russa em público e na televisão e no rádio, e proibiu a impressão de livros escritos por cidadãos russos. Portanto, isso parece ser uma rejeição do pluralismo e não necessariamente um bom reflexo dos valores europeus.

CD: Bem, eu não acredito muito nos valores europeus, para ser honesta. A UE é brilhante em ensinar a todos como viver e depois ignorá-los quando se trata de si mesma. Os comentários de Von der Leyen foram incríveis. No plenário hoje eu a chamei de narcisista iludida.

Muitas pessoas na Ucrânia estão lutando para defender seu país, e isso é legítimo de várias maneiras. Mas duvido muito que algum deles esteja lutando ou morrendo pelos valores europeus – em certo sentido, porque não está parando a guerra, a Europa está forçando-os a morrer.

O presidente da Zâmbia entrou… e criticou a guerra. Ele disse que deveríamos ser pela paz. Ele falou sobre a insegurança alimentar na África e as consequências globais desta guerra. Ele obviamente simpatizava com as vítimas na Ucrânia e disse que precisamos trabalhar juntos como comunidade internacional para acabar com a guerra e negociar a paz.

No entanto, a esmagadora maioria, como 95% do Parlamento, ficou de braços cruzados e não aplaudiu esse sentimento. Estes são belicistas. E o tom no Parlamento Europeu, liderado principalmente pelos bálticos, é que eles querem que a guerra continue.

Eles estão iludidos. Qualquer um que defenda a paz está sendo acusado de apaziguar a Rússia, de ser um fantoche de Putin, quando na verdade a continuação da guerra está matando e prejudicando os ucranianos mais do que qualquer outra pessoa. Então é uma loucura total.

E está muito claro agora que o objetivo da União Europeia parece ser manter a guerra, que na verdade é exatamente o que impedirá a Ucrânia de ingressar na UE, porque eles certamente não podem ingressar enquanto estão no meio da guerra, uma guerra ativa, pois isso colocaria toda a Europa em conflito.

Portanto, é um jogo que está sendo jogado com a população da Ucrânia. Está conduzindo-os. É fingir que a Europa é amiga deles, quando na verdade a Europa provavelmente está dividida sobre o assunto. Mas é um jogo nojento que eles estão jogando, que só beneficiará a indústria de armas e a OTAN, e provavelmente os EUA, mas mais ninguém.

JWC: Qual é o estado da oposição à guerra na Europa? Por isso tenho estado a ver os discursos que a senhora e o seu colega no Parlamento, eurodeputado Mick Wallace, fizeram no plenário do Parlamento Europeu. E posso lhe dizer que nada disso é dito no plenário do Congresso dos EUA.

Portanto, é ao mesmo tempo uma coisa esperançosa, mas também profundamente deprimente, porque não temos nada disso e não tivemos nada assim desde que Tulsi Gabbard deixou o Congresso. E, claro, a máquina de Clinton, em conjunto com a mídia aqui, tentou destruir sua reputação e carreira quando ela concorreu à presidência.

E parece que você e Wallace estão se tornando alvos do mesmo tipo de campanha de difamação que tentou arruinar Gabbard. Esta semana, um think tank chamado VoteWatch Europe divulgou um relatório que acusava partidos de esquerda como o seu de serem “soft” com a Rússia. E eles checaram o seu nome e o de Wallace, então eu queria saber sua reação a isso.

CD: Quando fiz comentários recentemente na câmara sobre os pontos que estávamos fazendo sobre a adesão da Ucrânia à UE, um verde alemão respondeu gritando: “Que merda, que merda!” … o que obviamente não é uma linguagem parlamentar normal.

A primeira coisa que devemos perceber é que o abismo entre os partidos, os partidos políticos em todo o mundo e as pessoas é absolutamente enorme. Veja toda a propaganda, como você disse com razão, demonizando qualquer um que se levante e defenda a paz como se fosse um fantoche de Putin.

E, no entanto, uma pesquisa com europeus divulgada na semana passada descobriu que a esmagadora maioria dos entrevistados acreditava que era mais importante ter paz do que punir a Rússia. A única exceção foi a Polônia, mas isso é outra história. Então o abismo é enorme. Todos os dias recebemos pessoas de todo o mundo, de toda a Europa, dizendo o que você disse: “Gostaríamos que houvesse pessoas em nosso país assim”.

Então, obviamente, há um monte de pessoas em todo o mundo, a maioria, eu diria, que pensa assim – que quer paz. O problema é que não há um palco em que eles possam dar essa voz, porque a maioria do establishment político foi intimidado à submissão.

Algumas pessoas vieram até nós, outros eurodeputados, que dizem: “Oh Deus, eu adoraria votar da maneira que você votou. Na verdade, concordo com o que você está dizendo, mas, meu Deus, se eu falasse, estaria absolutamente aniquilado em casa.”

E o que eles precisam perceber é que, na verdade, esta é uma campanha internacional orquestrada para silenciar o movimento antiguerra. É esta absolutamente a mensagem. Em todos os Estados Unidos, Reino Unido e Europa, as mensagens são as mesmas.

As primeiras foram: “Precisamos colocar armas, precisamos colocar armas”. A segunda foi: “Putin é louco, Putin é louco”. E essa histeria e emoção não davam espaço para um debate racional. Foi então, pela primeira vez, suponho, que senti e compreendi que a verdade é a primeira vítima da guerra.

A crítica da mídia contra nós tem sido tão intensa. Quer dizer, estou na vida política há muito tempo, mas nunca sofri o abuso e o tipo de abuso repugnantemente hostil e irracional que recebo agora.

Então teve um certo impacto. Mas eu ainda diria que a maioria das pessoas, mesmo que tenham medo de expressar suas opiniões, estão desconfortáveis ​​com o que está acontecendo. Embora estejam obviamente devastadas ao ver o que está acontecendo na Ucrânia, elas não estão acreditando totalmente na narrativa. Elas simplesmente não sabem como podemos chegar a uma situação de trazer a paz.

JWC: Parece difícil escapar da sensação de que os países da Europa Oriental e do Báltico, com o incentivo imprudente dos EUA e do Reino Unido, realmente parecem estar ansiosos pela Terceira Guerra Mundial. Gostaria de saber sua opinião sobre o que a Lituânia acabou de fazer em relação ao bloqueio, que em si é um ato de guerra, do enclave russo de Kaliningrado.

O movimento deles, e isso não surpreenderá ninguém, ganhou apoio entusiástico entre os elementos mais sanguinários de Washington. O ex-redator de discursos de George W. Bush, David Frum, perguntou no Twitter: “Por que Kaliningrado ainda é território russo?”

Parece que eles estão prontos para ter um confronto no estilo do bloqueio de Berlim sobre isso. Então parece que há um impulso insano, você recentemente chamou de “pulsão de morte”, para expandir a guerra por parte dos europeus orientais e suas servas na mídia ocidental.

Você pode falar sobre como você vê o bloqueio de Kaliningrado?

CD: Polônia e Europa Oriental. Bem, lembre-se de que apenas alguns meses atrás, esses eram os bad boys, os párias da Europa, por causa de sua discriminação contra a comunidade LGBTI, porque estavam cortando o acesso ao aborto e seus ataques aos direitos das mulheres. Mas agora eles são os melhores meninos da classe.

E não apenas isso, eles estão realmente liderando e definindo políticas, o que é realmente assustador. Mas o mais assustador para mim foi a ação da Lituânia em relação a Kaliningrado.

Isso é chocante, mesmo para eles. Esta é uma escalada realmente séria do conflito. É, como você disse, um ato de guerra contra a Rússia. O objetivo é arrastar a OTAN para o conflito e intensificá-lo. É disso que se trata. Essas pessoas são loucas.

Mas para mim, a parte mais assustadora disso é que esta não é a história de primeira página em todos os meios de comunicação da Europa. Que não há uma única voz na comunidade internacional dizendo: “Pessoal, vocês absolutamente controlariam isso agora? Porque isso está realmente ficando fora de controle.”


LIVRO RECOMENDADO:

A nova Guerra Fria e o prisma de um desastre: Ucrânia e o voo MH17

  • Kees Van Der Pijl (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

É assustador. A ONU, onde estão? A comunidade internacional? Estou realmente chocada que ninguém em nenhum lugar está pedindo um fim para isso. É uma loucura total.

Eu tive, suponho, discussões e desacordos em muitas reuniões de segurança e defesa com essas pessoas desde que fomos eleitos para o Parlamento Europeu, e os antigos estados soviéticos estão agora definindo a política externa da Europa, provavelmente com as cordas sendo puxadas pela OTAN e os EUA, que foi, convenhamos, a razão pela qual eles estavam se juntando à UE em primeiro lugar.

Para eles, é a hora do retorno. E é assustador. Eu costumava dizer a eles: “Ouçam, rapazes, com o que vocês estão todos entusiasmados? O militarismo leva ao militarismo. Vocês precisam desescalar a retórica.” Eles me diziam: “Oh, está tudo bem para você. Você mora do outro lado da Europa, muito, muito longe da Rússia. Você não sabe como é ser ocupado pela Rússia como nós.”

E nós dissemos: “Bem, na verdade, curiosamente, agora que você mencionou, não sabemos como é ser ocupado pela Rússia, mas sabemos como é ser ocupado por um grande vizinho ao nosso lado por cerca de 800 anos. E não vejo ninguém dizendo que deveríamos rearmar o IRA.”

Claro que não. Fizemos um acordo de paz e deu certo.

E, na verdade, a comunidade internacional, incluindo os EUA, desempenhou um papel muito bom na negociação desse acordo de paz. E agora temos paz na Irlanda. Essa é a única alternativa. E é o mesmo para eles. Enterrem os histriônicos, rapazes. Enterrem o ódio. Eles são seus vizinhos, você não pode mudar a geografia, e você tem que sentar e fazer um acordo.

Não há outro caminho. Não podemos aniquilar a Rússia da face da Terra. Embora alguns deles obviamente queiram fazer isso. Mas é assustador. Eu realmente não posso acreditar, a escalada lituana é nojenta além da crença.

JWC: Pessoalmente, acredito que a UE tem muita responsabilidade pela crise na Ucrânia.

A seção 2.3 da Associação UE-Ucrânia, que o então presidente ucraniano Viktor Yanukovych rejeitou e que, por sua vez, acabou levando à sua destituição em fevereiro de 2014, teria exigido que os signatários “tomassem medidas para promover a cooperação militar e a cooperação de técnicos entre a UE e a Ucrânia e encorajar e facilitar a cooperação direta em atividades concretas identificadas conjuntamente por ambas as partes, entre as instituições ucranianas relevantes e a Agência Europeia de Defesa” entre outras agências da UE.

Por outras palavras, se a Ucrânia aderir à UE, e se a Geórgia aderir à UE, e se a Moldávia aderir à UE, as suas forças armadas terão de se tornar interoperáveis ​​com os estados membros da OTAN. E a Rússia vê isso, com ou sem razão, como uma ameaça. Portanto, isso me parece parte da razão pela qual alguém pode ficar alarmado com a votação de hoje no Parlamento Europeu. Você concorda?

CD: Em parte sim e em parte não. Quer dizer, você está totalmente certo, o acordo de associação entre a União Europeia e a Ucrânia foi definitivamente um fator contribuinte – particularmente a ideia de cooperação militar ucraniana com a OTAN.

Já mencionamos antes: se o governo canadense se unisse à Rússia, os Estados Unidos não demorariam muito para resolver isso. Mas o que também diríamos é que, no momento, seus militares não são interoperáveis.

Veja, há cinco ou seis países neutros na Europa. E um dos pontos que colocamos na UE é, bem, se a Ucrânia algum dia se juntar à União Europeia, bem, então só poderia ser um país neutro. E é por isso que acreditamos que é muito importante preservar nossa neutralidade, na Irlanda, para manter um espaço para países neutros. Porque a Moldávia também é orgulhosamente neutra.

Portanto, a questão deve ser: você vai forçá-los a desistir de sua neutralidade militar para ingressar na UE? E claramente essa é a direção em que eles estão indo. Isso não tira a responsabilidade da Rússia, mas ignorá-lo é entender mal as origens da guerra e depois entender mal como você pode resolver isso.

JWC: Você mencionou a importância da neutralidade. Recentemente, houve uma discussão Swords to Ploughshares* online muito boa organizada na Irlanda, e um cavalheiro chamado Eamon Rafter estava perguntando se a Irlanda poderia assumir a liderança de um bloco europeu neutro, embora ele tenha expressado preocupações de que a neutralidade irlandesa esteja sob ameaça, citando o papel controverso que o Aeroporto dex Shannon desempenha na facilitação de voos militares dos EUA para o Oriente Médio.

*Swords to Ploughshares (“espadas em arados”) é um conceito pelo qual armas ou tecnologias militares são convertidas para aplicações civis pacíficas.

Ele se perguntou se era possível ser neutro dentro das atuais estruturas da Europa. A neutralidade da Irlanda está em perigo?

CD: Quando eu estava no parlamento irlandês, o governo da época nunca quis falar sobre neutralidade. Mas Wallace e eu tínhamos centenas de perguntas exatamente sobre essa questão de permitir que os militares dos EUA usassem nosso aeroporto civil todos os dias a caminho dos teatros de guerra no Oriente Médio. Sabemos que facilitaram isso no Iraque e no Afeganistão, o que violou absolutamente a nossa neutralidade e contra a vontade da maioria do povo irlandês.

E eles [o governo irlandês] sempre fingiam e diziam: “Não, não, não, não, não, não, não. Eles não estão realmente trazendo nada. Temos um acordo. E eles nos disseram que não há armas nele.” Eles estavam apenas se fazendo de burros, o que foi realmente vergonhoso.

E nós realmente invadimos o Aeroporto de Shannon para revistar a aeronave militar. Quando estávamos no parlamento irlandês, houve um processo judicial sobre isso que durou três dias, e realmente levamos o imperialismo dos EUA a julgamento em defesa de nossa neutralidade. Então agora todos eles querem ter uma conversa sobre isso quando nunca quiseram tê-la antes.

Mas, na verdade, eles querem se livrar dela. Eles nunca gostaram, sempre tentaram miná-la… Provavelmente você poderia dizer que os irlandeses têm um apego romântico à neutralidade, mas acho que é mais do que isso. Acho que faz parte da nossa identidade. E é algo que poderia ser muito poderoso, porque éramos um país que esteve ocupado por muitos anos.

Então sabemos como é. E me deixa doente, na verdade, saber que poderíamos estar desempenhando esse grande papel, porque somos um país muito identificado como uma democracia ocidental. Estamos firmemente incorporados, se quiser. Somos amigos dos EUA, todo mundo costumava gostar dos irlandeses. Mas somos um ex-país colonizado, enquanto a maioria das potências da União Europeia são ex-colonizadores.

JWC: Acho que estamos começando a ver lentamente um movimento de oposição a essa loucura, pelo menos na Europa Ocidental. Uma nova pesquisa do Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR, European Council on Foreign Relations) descobriu que 61% das pessoas temem que a guerra possa se transformar em uma guerra nuclear, e 61% temem que o custo de vida, especialmente os preços da energia, continue subindo. O ECFR alertou para uma lacuna crescente entre as posições declaradas de muitos governos europeus e os humores públicos em seus países.

Então, essa é uma notícia esperançosa em um momento em que não há muita. E eu estou querendo saber se você pode identificar talvez alguns caminhos para a paz aqui. Parece-me que o reconhecimento dos riscos, ou seja, a catástrofe nuclear, é um deles.

Mas então em um nível básico, o que fazemos? Tentamos ressuscitar o formato da Normandia e manter os EUA e o Reino Unido o mais longe possível desse formato? Temos falado muito sobre países neutros e sua importância. Quem podemos identificar como um corretor confiável e honesto entre os dois lados?

CD: A resposta simples é que esta guerra terminará quando os EUA quiserem que ela termine. Você pode ter pensado que a Europa, por estar se envolvendo em uma espécie de suicídio coletivo, pelo menos economicamente, com essa guerra, pode estar pressionando para que ela termine. Neste momento, há toda uma onda de greves em toda a Europa, que só aumentará quanto mais a guerra continuar. Acho que a turbulência no Sul Global deve ser motivo de preocupação para todos esses atores.

Suponho que a Itália, a França e a Alemanha tenham sido menos belicistas do que as outras, e estão sendo muito maltratadas por isso, a propósito, por seus amigos europeus. Você esperaria que talvez eles pudessem assumir a liderança.

Eles obviamente tentaram fazer um pouco isso visitando a Ucrânia na semana passada. Obviamente, isso foi seguido por [o primeiro-ministro britânico Boris Johnson] indo para lá depois disso e dizendo, na verdade, “Não tenham nenhuma conversa agora, ou qualquer paz, rapazes, apenas aumentem o conflito”.

Então ainda está no ar. É muito difícil saber. Quero dizer, se você olhar para isso, mesmo o movimento antiguerra globalmente, ninguém está nas ruas. E as pessoas provavelmente têm medo de que, se você saísse para as ruas, seria atacado.

Mas tem havido alguma oposição por parte dos sindicatos, por exemplo, os sindicatos italianos estão se recusando a entregar armas para a Ucrânia, e parece haver algum movimento por parte dos gregos para fazer isso também. Mas é um nível muito baixo em comparação com o que era antes.

O outro lado do debate não foi totalmente refletido na grande mídia. Quero dizer, o Papa foi ótimo com seus comentários sobre como trazer a paz – e a mídia não poderia simplesmente acusá-lo de ser um fantoche de Putin. Então, em vez disso, eles simplesmente o ignoraram.

E ele disse o que nós dissemos: a OTAN contribuiu para isso. Sim, a Rússia é responsável, eles não deveriam ter feito isso, mas temos que conversar com a Rússia, e temos que sentar e negociar uma paz.

Talvez venha de fora das potências europeias e das chamadas ocidentais, talvez a comunidade internacional de fora se afirme. Enquanto isso, a ONU é uma desgraça absoluta, uma desgraça absoluta, inadequada para o propósito. Eles também deveriam intervir, mas talvez algumas nações africanas, talvez alguns países não alinhados, a Índia e todos aqueles que não aplicaram as sanções meio que dizer: “Rapazes, parem com isso aqui agora.”

Em relação ao formato Normandia: Você pode manter os EUA e o Reino Unido de fora? Bem, eu definitivamente manteria o Reino Unido de fora, e não estou dizendo isso apenas por razões nacionais. Mas acho que os EUA, por serem tão responsáveis ​​por isso, provavelmente têm algum papel nisso, pelo menos nos bastidores. Mas acho que aqueles que se sentaram e negociaram Minsk II provavelmente terão que negociar Minsk III.

E sabemos que Hillary Clinton disse: “Oh meu Deus, este poderia ser o Afeganistão da Rússia”. E parece estar indo nessa direção. E que pesadelo absoluto isso é antes de tudo para o povo da Ucrânia.

Mas a narrativa mudou agora para longe de: “Ah, os ucranianos estão vencendo, estão martelando aqueles russos”, como se esse absurdo estivesse meio fora de controle agora, mas agora é: “Vai ser uma longa guerra. Vai continuar por eras agora. Temos que lutar aqui embaixo. Dê-lhes as armas agora apenas até certo ponto para mantê-la.” E, obviamente, os lituanos estão tentando valentemente escalar isso para que possamos aniquilar o mundo inteiro.

Mas eu não acho que isso vai acontecer, espero. Mas, infelizmente, essas coisas quando começam, podem sair do controle.

Não é fácil de resolver, mas talvez uma combinação de todos esses fatores venha junto. E uma das coisas que impedem isso é a falta de uma mídia independente.

Mas você pode ter certeza de que, em todos os cantos do globo, as pessoas pensam como nós. Eu ouço isso todos os dias. De todos os continentes, tivemos pessoas entrando em contato com essas questões. Todas as pessoas que estiveram no lado receptor do imperialismo norte-americano conhecem o placar.

Então, sim, talvez disso surja a razão, juntamente com a devastação econômica que os europeus estão enfrentando, em que eles terão que se levantar e dizer: “Pare, chega”.


Artigo distribuído pela Globetrotter.


*James W. Carden é ex-assessor da Comissão Presidencial Bilateral EUA-Rússia no departamento de Estado dos EUA. Seus artigos e ensaios apareceram em uma ampla variedade de publicações, incluindo The Nation, The American Conservative, Responsible Statecraft, The Spectator, UnHerd, The National Interest, Quartz, Los Angeles Times e American Affairs.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também