Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Submarino Great Wall 236 da Marinha do Exército de Libertação Popular da China participa de desfile naval comemorativo do 70º aniversário da fundação da Marinha chinesa perto de Qingdao, Shandong, em 23 de abril de 2019 (Mark Schiefelbein/AFP via Getty Images).

Tradução e adaptação de original publicado pela DIA*

Submarino Great Wall 236 da Marinha do Exército de Libertação Popular da China participa de desfile naval comemorativo do 70º aniversário da fundação da Marinha chinesa perto de Qingdao, Shandong, em 23 de abril de 2019 (Mark Schiefelbein/AFP via Getty Images).

Um apanhado das capacidades nucleares da China, de acordo com a avaliação de 2018 da Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos.


Visão geral

A China continua a modernizar e adicionar novas capacidades militares às suas forças nucleares, aprimorando ICBMs (Intercontinental Ballistic Missile, míssil balístico intercontinental) baseados em silos e adicionando mais sistemas de entrega móvel de sobrevivência, incluindo quatro submarinos de mísseis balísticos da classe Jin.

A China tem o mais ativo e diversificado programa de desenvolvimento de mísseis do mundo. Sua força de mísseis balísticos está se expandindo em tamanho e tipos de mísseis, e o país está desenvolvendo novos ICBMs móveis e de propulsão sólida. O número de ogivas em ICBMs chineses capazes de ameaçar os Estados Unidos provavelmente continuará crescendo.

Além das forças nucleares estratégicas, a China mantém há muito tempo forças nucleares de teatro de operações e está no processo de melhorar as capacidades de entrega dessas forças.


IMAGEM 1: ICBM Rodoviário CSS-10 (DIBMAC Report).

História

A China iniciou seu programa de armas nucleares em meados da década de 1950, detonando com sucesso seu primeiro dispositivo no local de testes nucleares em Lop Nur em 1964. No total, a comunidade internacional detectou 45 testes de explosivos nucleares em larga escala originados na China, o maior dos quais teve um rendimento estimado na ordem de vários megatons. A China continua a pesquisa, desenvolvimento, manutenção e produção de ogivas nucleares.

Controle de armas nucleares

A China é parte do Tratado de Não-Proliferação, mas não é parte de nenhum tratado bilateral de limitação de armas com os Estados Unidos.

Doutrina

A China mantém uma política de “não usar primeiro” (NFU, Non-first use) que consiste em dois compromissos declarados: a China nunca será a primeira a usar armas nucleares, e a China não usará ou ameaçará usar armas nucleares contra qualquer estado sem armas nucleares ou em zonas livres de armas nucleares. Uma política NFU que é consistente com uma força nuclear modesta, capaz de sobreviver e que provavelmente pode desferir um ataque nuclear prejudicial e responsivo.

Embora a China tenha reafirmado frequentemente seu compromisso com a NFU, com o lançamento em 2015 da “Estratégia Militar da China” pelo Ministério da Defesa Nacional, o programa nuclear chinês tem consistentemente contado com opacidade e incerteza em sua postura de dissuasão. Não podemos excluir a possibilidade de circunstâncias em que a China abandonaria sua doutrina NFU, particularmente se suas forças nucleares – e, portanto, sua capacidade de resposta – ou a sobrevivência política do país estivesse em risco.

Capacidade/estoque Nuclear

A China provavelmente mantém um estoque operacional de ogivas nucleares na casa das centenas. O urânio e plutônio altamente enriquecidos da China são provavelmente suficientes para um estoque potencial de ogivas nucleares de centenas a milhares.


IMAGEM 2: O CSS-4, ICBM baseado em silo, pode alcançar a maioria dos locais nos EUA (Wikimedia Commons).

Infraestrutura

A China tem a capacidade industrial necessária para enriquecer urânio e produzir plutônio para necessidades militares. A China National Nuclear Corporation, a maior empresa nuclear da China, opera várias instalações de enriquecimento de urânio organizadas em três usinas (usinas 405, 504 e 814) que apoiam principalmente a florescente indústria de energia nuclear do país, mas o país poderia dedicar alguma capacidade de enriquecimento para atender às necessidades militares. Os reatores de produção de plutônio da China (usinas 404 e 821) provavelmente pararam de operar na década de 1980; no entanto, as instalações de reprocessamento da usina 404 podem extrair plutônio do combustível usado do reator, se necessário.

A única organização chinesa de projeto e produção de armas nucleares – a Academia Chinesa de Engenharia Física – é fundamental no desenvolvimento e manutenção da força nuclear chinesa. Tem dezenas de milhares de funcionários e seus cientistas são capazes de todos os aspectos da pesquisa de projetos de armas nucleares, incluindo física nuclear, ciência dos materiais, eletrônica, explosivos e modelagem computacional.

Sistemas de entrega

A China tem cerca de 75 a 100 ICBMs com missões nucleares em seu inventário, incluindo o CSS-4 Mod 2 e Mod 3 baseados em silo (designador chinês DF-5), o CSS-10 Mod 1 e Mod 2 movido a combustível sólido e móvel rodoviário (DF-31 e DF-31A), e o CSS-3 de menor alcance (DF-4). O CSS-10 Mod 2, com um alcance superior a 11.000 quilômetros, pode alcançar a maioria dos locais no continente americano. O restante da força nuclear da China inclui mísseis balísticos de médio alcance (MRBM, Medium-Range Ballistic Missile) com mobilidade rodoviária e combustível sólido CSS-5 (DF-21) para missões regionais.


IMAGEM 3: Submarino de mísseis balísticos movido a energia nuclear classe Jin (Wikimedia Commons).

Esforços para melhorar a capacidade

A China está desenvolvendo e produzindo armas nucleares com novas capacidades militares para aumentar sua capacidade de sobrevivência, confiabilidade e capacidade de penetrar nas defesas antimísseis. A China está desenvolvendo e testando mísseis ofensivos, formando unidades de mísseis adicionais, atualizando qualitativamente sistemas de mísseis e desenvolvendo métodos para combater as defesas de mísseis balísticos.

A força de mísseis balísticos nucleares chineses está se expandindo em quantidade e tipos de mísseis, e o número de ogivas nucleares ICBM chinesas capazes de atingir os Estados Unidos provavelmente aumentará em breve. Além disso, cada um dos quatro SSBN (Submersible Ship Ballistic Missile Nuclear, submarino nuclear lançador de mísseis balísticos) classe Jin da China é capaz de transportar 12 SLBMs JL-2, cujo alcance estimado poderia permitir o direcionamento de porções dos Estados Unidos a partir de áreas operacionais próximas à costa chinesa.


IMAGEM 4: IRBMs Rodoviário-Móveis DF-26 (MDAA – Missile Defense Advocacy Alliance).

O Exército de Libertação Popular (PLA) provavelmente tem vários projetos de ogivas nucleares com décadas de idade, e as armas armazenadas provavelmente exigem observação, manutenção ou reforma contínuas para manter a confiança em sua eficácia.


TABELA 1: As capacidades nucleares da China (DIA, 2018; tradução e adaptação VG).

A China provavelmente continua sua pesquisa, desenvolvimento, manutenção e produção de ogivas nucleares, dado o desenvolvimento de novos sistemas de lançamento de armas nucleares, como o míssil balístico de alcance intermediário DF-26 (IRBM, Intermediate Range Ballistic Missile), bem como o ICBM móvel rodoviário DF-41 com MIRV (Multiple Independent Reentry Vehicle, Míssil de Reentrada Múltipla Independentemente Direcionada).


Instalações relacionadas a armas nucleares da China

MAPA 1: O programa de armas nucleares da China tem sido apoiado por uma série de instalações que incluem produção, processamento, pesquisa e desenvolvimento e testes (DIA, 2018; tradução e adaptação VG).

O desenvolvimento de armas nucleares inclui plataformas de lançamento para novos sistemas de armas, como sistemas de transporte-montador-lançador mais móveis, possíveis plataformas de lançamento de trilhos e um SSBN de próxima geração, que supostamente carregará o JL-3 SLBM (Sea-Launched Ballistic Missile, míssil balístico lançado do mar).

A China testou um veículo planador hipersônico em 2014, embora as declarações oficiais não façam referência à sua missão pretendida ou à sua capacidade de transportar uma ogiva nuclear. Em 2016, o comandante da Força Aérea do PLA se referiu publicamente aos esforços dos militares para produzir um bombardeiro estratégico avançado de longo alcance, uma plataforma de observadores ligada a armas nucleares. Textos anteriores do PLA expressaram a necessidade de desenvolver um “bombardeiro estratégico furtivo”, sugerindo aspirações de desenvolver um bombardeiro estratégico com capacidade de entrega nuclear.


Extraído do paper “Global Nuclear Landscape 2018”, da Defense Intelligence Agency (DIA). Traduzido e adaptado por Albert Caballé Marimón* para o Velho General.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. E mesma empresa que faz submarinos nucleares é a mesma que começará a vender carros aqui no Brasil ? Confere ? Se for…ta bom 👍

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também