Os Ucranianos já têm uma longa tradição de resistência contra os russos

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O Exército Insurgente Ucraniano foi talvez o único movimento clandestino na Segunda Guerra Mundial a lutar contra o Eixo e os Aliados (Military History Now).

O Exército Insurgente Ucraniano foi um dos poucos movimentos clandestinos na Segunda Guerra Mundial a lutar contra o Eixo e os Aliados (Military History Now).

Grupo ucraniano foi um dos movimentos de resistência mais peculiares da Segunda Guerra Mundial, pois não recebeu apoio dos Aliados e lutou contra soviéticos e nazistas.


Apesar dos laços históricos de formação entre a Rússia, a Bielorrússia e a Ucrânia que remontam ao século IX, na história moderna há vários motivos para que exista um forte ressentimento de ucranianos em relação aos russos.

Logo após a criação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, liderada pela Rússia, Vladimir Lênin tomou a iniciativa de reconhecer a Ucrânia como uma nação “autônoma” e soberana. Após a sua morte, surgiram iniciativas que visavam libertar a Ucrânia da submissão ao poder central, que passou a ser exercido por Josef Stalin a partir de Moscou. As iniciativas do ditador Stalin para reprimir os rebeldes foram proibir a utilização do idioma ucraniano, realizar o confisco da produção de alimentos, rejeitar ajuda externa e controlar o movimento populacional.

Como resultado, estima-se que tenham morrido de fome, entre 1932 e 1933, até 10 milhões de pessoas, mesmo estando em tempo de paz. Esse acontecimento é considerado como genocídio por vários países e ficou conhecido como Holodomor, que em ucraniano, significa “matar pela fome”.

A partir de 1942, durante a II Guerra Mundial, com a invasão da União Soviética pelos nazistas, foram criadas condições favoráveis para o surgimento de uma guerra irregular que podemos enquadrar na tipologia de guerra de resistência. Autodenominado como Exército Insurgente da Ucrânia, esse movimento ficou mais conhecido como UPA, abreviatura de Ukrayins’ka Povstans’ka Armiya.

O objetivo dessa força irregular era defender as populações ucranianas que já haviam sido massacradas pelos soviéticos na década anterior e passou também a sofrer com a ocupação dos nazistas e hostilidades da resistência polaca. Eles faziam questão de se diferenciar dos “Partisans” soviéticos que combatiam os nazistas usando o termo “Povstanti”, cujo significado é insurgente. Com a rendição do III Reich, a UPA prosseguiu combatendo contra a União Soviética. Didaticamente, podemos dizer que a UPA era composta por três segmentos distintos: a Força de Guerrilha, a Força Subterrânea e a Força de Sustentação.


LIVRO RECOMENDADO:

A fome vermelha: A guerra de Stalin na Ucrânia

  • Anne Applebaum (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

• A Força de Guerrilha da UPA, braço armado ostensivo e militarmente organizado, operava principalmente na região dos Montes Cárpatos e no Oeste da Ucrânia. Seus integrantes eram normalmente camponeses comprometidos com a causa e que conheciam bem o terreno. O planejamento das operações era normalmente centralizado e a execução ocorria de forma descentralizada, valendo-se dos princípios da oportunidade e flexibilidade. Devido à inferioridade em relação aos exércitos de ocupação, os guerrilheiros evitavam o engajamento em combates decisivos, buscando normalmente conduzir ações de inquietação e emboscadas contra instalações policiais e colunas militares.

Muitas vezes, esses combatentes ocupavam abrigos subterrâneos altamente bem disfarçados e de dificílima identificação, onde também conseguiam proteger-se das baixas temperaturas do inverno na região. As maiores unidades eram os kurins, equivalentes a batalhões e chegavam a ter 700 combatentes; e as menores frações eram semelhantes aos grupos de combate tradicionais, com o efetivo aproximado de oito a dez homens. Com o tempo, a estrutura foi-se sofisticando e foram criadas divisões territoriais e centros de treinamento e formação de oficiais e de combatentes de baixas graduações. Os armamentos utilizados eram os capturados ou desviados dos alemães ou do Exército Vermelho.

• A Força Subterrânea da UPA era integrada por pessoas que viviam nas cidades ocupadas pelos soviéticos ou nazistas com uma vida aparentemente normal. Entretanto, faziam parte de uma rede clandestina altamente sofisticada e organizada em células independentes, que realizavam falsificação de documentos, impressões de propaganda subversiva, assassinatos seletivos, transmissões rádios clandestinas e sabotagens de infraestruturas críticas.

• A Força de Sustentação era encarregada de realizar o apoio logístico clandestino para a Força de Guerrilha e a Força Subterrânea. Essa atividade era desenvolvida através da coleta de informações, determinados tipos de trabalho, como transporte, aquisição, desvio e distribuição de suprimentos, medicamentos, comida, armamentos, munição e rádios. Também poderiam atuar como mensageiros e recrutar novos integrantes após confirmar seu real comprometimento com a causa.

Uma das principais características dos integrantes desse movimento de resistência era a segurança e sigilo nas comunicações, caracterizadas por senhas, contrassenhas, sinais de reconhecimento e mensagens pré-estabelecidas.

Após a capitulação dos nazistas, os soviéticos estimaram que a UPA poderia ter entre 180.000 e 500.000 integrantes e resolveram direcionar seus esforços contra essa força irregular. Como resultado, foram realizadas prisões em massa de suspeitos e suas famílias. Até 1955, ano em que a UPA foi extinta, foram feitas dezenas de milhares de prisões e assassinatos de líderes e colaboradores. Em resposta, os integrantes da força subterrânea da UPA atacavam dezenas de milhares de ativistas soviéticos, colaboradores do regime e suas famílias, e por isso eram chamados de terroristas pelos soviéticos.

Com a extinção da União Soviética e independência da Ucrânia, os veteranos sobreviventes da UPA passaram a participar de desfiles cívicos, os restos mortais dos principais líderes foram transladados para o cemitério de Lychakivsiy, em Lviv, dedicado aos heróis da resistência, e foi criado um Estatuto Oficial dos Combatentes da Independência da Ucrânia, que abrange todas as pessoas que participaram dessas ações desde a década de 1920 até a extinção da União Soviética.


Galeria de imagens

O coronel Montenegro tirou uma série de fotos no Kryivka, um bar temático localizado em Lviv, na Polônia, com material real relacionado à UPA e seus combatentes.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. É gritante a diferença entre o oeste Ucraniano e o oeste Ucraniano. Na minha opinião Vladimir Lenin cometeu um erro ao inserir toda a região leste na nova República Ucraniana que surgia da guerra civil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também