Porta-aviões USS Ronald Reagan opera na 5ª Frota em apoio à retirada do Afeganistão

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O porta-aviões USS Ronald Reagan navegando no Mar do Sul da China em 18 de junho de 2021 (Foto: Rawad Madanat/US Navy).

O porta-aviões USS Ronald Reagan navegando no Mar do Sul da China em 18 de junho de 2021 (Foto: Rawad Madanat/US Navy).

O grupo de ataque do porta-aviões USS Ronald Reagan está agora operando na Quinta Frota da Marinha americana, a primeira vez para este porta-aviões desde 2012.

A US Navy disse que o grupo de ataque do Reagan irá “operar e treinar ao lado de parceiros regionais e da coalizão” e fornecerá poder aéreo para apoiar as forças americanas e da coalizão enquanto os EUA retiram suas tropas do Afeganistão.

“A presença flexível do Ronald Reagan é um elemento-chave para ajudar a garantir aos nossos parceiros regionais que os Estados Unidos continuam comprometidos em garantir a liberdade dos mares”, disse o capitão Fred Goldhammer, oficial comandante do porta-aviões, em um comunicado à imprensa. “A tripulação a bordo do Ronald Reagan busca preservar a ‘paz por meio da força’ e permanece pronta para atender ao chamado.”

O Wall Street Journal relatou pela primeira vez em maio que o Reagan iria se dirigir à área de operações do CENTCOM para ajudar na retirada do Afeganistão, e que o porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower deixaria a região em julho para retornar a Norfolk, na Virgínia.


LIVRO RECOMENDADO

The world’s greatest aircraft carriers: An illustrated history

  • David Ross (Autor)
  • Em inglês
  • Capa dura

A reportagem disse que o porta-aviões Eisenhower não poderia operar com segurança se exceder o prazo de julho, visto que foi implantado em 2020 e novamente em fevereiro de 2021.

No início deste mês, o Reagan e seu grupo de ataque entraram no Mar da China Meridional pela primeira vez em 2021 para conduzir operações de segurança marítima, operações de voo, exercícios de ataque marítimo e treinamento tático coordenado entre unidades de superfície e aéreas.

“Nosso compromisso com a estabilidade regional fortalece aqueles com quem navegamos e desencoraja qualquer pessoa que busque romper as normas internacionais, não importa onde desdobremos no mundo”, disse o contra-almirante Will Pennington, comandante da Força-Tarefa 50 e do Carrier Strike Group 5 em um comunicado à imprensa.

O grupo de ataque do Reagan inclui o cruzador USS Shiloh, o contratorpedeiro USS Halsey, o Carrier Air Wing 5 e as equipes embarcadas da Força-Tarefa 70 e do Destroyer Squadron 15.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também