Unidade das forças especiais alemãs sobreviverá a “escândalo de extrema direita”

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Soldados do Comando das Forças Especiais da Alemanha (KSK) participam de exercício perto de Putgarten, Alemanha, em setembro de 2015 (Foto: Hannibal Hanschke/Reuters).

Soldados do Comando das Forças Especiais da Alemanha (KSK) participam de exercício perto de Putgarten, Alemanha, em setembro de 2015 (Foto: Hannibal Hanschke/Reuters).

A unidade de forças especiais de elite do KSK (Kommando Spezialkräfte, Comando de Forças Especiais) da Alemanha deve sobreviver apesar de uma série de incidentes que levaram a pedidos de desmantelamento, decidiu a ministra da Defesa na terça-feira.

A unidade do Comando das Forças Especiais continuará existindo porque as reformas começaram há um ano, quando o escândalo estourou e estava dando resultados, disse a ministra da Defesa, Annegret Kramp-Karrenbauer, em um comunicado.

Estabelecido em 1996, a reputação do KSK foi manchada em 2003 quando seu então comandante foi forçado a se aposentar mais cedo após ser acusado de ser próximo a extremistas de extrema direita – ligações que continuaram a perseguir a reputação da unidade.

No verão passado, Kramp-Karrenbauer dissolveu uma companhia do KSK depois que a polícia apreendeu armas e munições durante uma operação na propriedade de um soldado do KSK no estado oriental da Saxônia. As investigações estão em andamento desde então.


LIVRO RECOMENDADO

Continente selvagem: O caos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial

  • Keith Lowe (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“Está claro que precisamos das capacidades militares exclusivas fornecidas pelo KSK”, disse Kramp-Karrenbauer um dia depois de uma visita à unidade na base na cidade de Calw, na Floresta Negra, na segunda-feira.

Ela deixou claro que o KSK terá que implementar adequadamente as reformas iniciadas há um ano. A “mudança positiva” que ela viu em Calw foi um fator significativo em sua decisão de deixar a unidade sobreviver, disse Kramp-Karrenbauer.

Os militares alemães foram abalados por vários incidentes de extrema direita nos últimos anos. Em maio, um jovem oficial do exército foi a julgamento em Frankfurt, acusado de planejar atacar um ou mais políticos enquanto se passava por um solicitante de asilo sírio para tentar aumentar o ódio contra os imigrantes.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também