Isaac Herzog, trabalhista de centro-esquerda, é eleito presidente de Israel

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Isaac Herzog, eleito presidente israelense (Foto: Manuel Balce Ceneta/AP).

Isaac Herzog, eleito presidente israelense (Foto: Manuel Balce Ceneta/AP).

Isaac Herzog, político veterano e descendente de uma proeminente família israelense, foi eleito presidente na terça-feira, um papel amplamente cerimonial que deve servir como bússola moral da nação e promover a unidade.

A votação anônima foi realizada entre os 120 membros do Knesset, ou parlamento. Herzog será o 11º presidente de Israel, sucedendo Reuven Rivlin, que deve deixar o cargo no mês que vem, após sete anos.

Herzog, 60, é ex-líder do Partido Trabalhista de Israel e líder da oposição que concorreu sem sucesso contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu nas eleições parlamentares de 2013.

Ele é descendente de uma importante família sionista. Seu pai, Chaim Herzog, foi embaixador de Israel nas Nações Unidas antes de ser eleito presidente. Seu tio, Abba Eban, foi o primeiro ministro das Relações Exteriores de Israel e embaixador nas Nações Unidas e nos Estados Unidos. Seu avô foi o primeiro rabino-chefe do país.

Herzog derrotou Miriam Peretz, uma educadora vista como forasteira com os pés no chão. Ela também era vista como mais próxima do campo político conservador e nacionalista dominante do país.


LIVRO RECOMENDADO

Israel: Uma história

  • Anita Shapira (Autora)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Laços profundos com o establishment político

Herzog serviu como chefe da Agência Judaica, uma organização sem fins lucrativos que trabalha em estreita colaboração com o governo para promover a imigração para Israel, nos últimos três anos, desde que renunciou ao parlamento. Ele era amplamente considerado favorito devido a seus laços profundos com o establishment político. Permanecerá no cargo por um único mandato de sete anos a partir de 9 de julho.

O presidente, embora seja basicamente um chefe de estado cerimonial, tem a tarefa de formar coalizões de governo após as eleições parlamentares. Israel realizou quatro eleições nacionais nos últimos dois anos em meio a uma prolongada crise política.

Os oponentes de Netanyahu enfrentaram um prazo de meia-noite nesta quarta-feira para formar um novo governo de coalizão. Se eles falharem, o país pode mergulhar em outra campanha eleitoral.

O presidente também tem o poder de conceder perdões – criando uma situação potencialmente delicada enquanto Netanyahu é julgado por uma série de acusações de corrupção.

Fonte: France 24/AP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também