Novo porta-aviões britânico junta-se à OTAN com mensagem à China

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Aeronaves F-35B Lightning II são vistas no convés do porta-aviões HMS Queen Elizabeth ao largo de Portugal, em 27 de maio de 2021 (Foto: Bart Biesemans/Reuters).

Aeronaves F-35B Lightning II no convés do porta-aviões HMS Queen Elizabeth ao largo de Portugal, em 27 de maio de 2021 (Foto: Bart Biesemans/Reuters).

A viagem inaugural do novo porta-aviões britânico buscará mostrar aos aliados que a Grã-Bretanha pós-Brexit está pronta para defender os interesses ocidentais e ansiosa para ver a China respeitar as regras internacionais, disse o comandante do navio.

O HMS Queen Elizabeth participou dos exercícios da OTAN no Mediterrâneo esta semana, antes da viagem de oito meses em que cruzará o Mar da China Meridional em um sinal a Pequim de que as rotas marítimas devem permanecer abertas.

O porta-aviões é “uma declaração extremamente poderosa”, disse o comodoro Steve Moorhouse, comandante do navio à agência Reuters, na costa portuguesa, enquanto caças F-35B decolavam ao seu redor.

“Isso mostra que somos uma marinha global e queremos estar de volta”, disse ele. “O objetivo para nós é que este desdobramento seja parte de uma presença mais persistente do Reino Unido naquela região”, acrescentou, referindo-se ao Indo-Pacífico que inclui Índia e Austrália.

A Grã-Bretanha foi o principal aliado dos Estados Unidos no campo de batalha no Iraque e no Afeganistão e, ao lado da França, a principal potência militar da União Europeia. Mas a votação de 2016 para deixar a UE levantou questões sobre seu papel global.

Em parte em resposta a essas preocupações, Londres anunciou seu maior aumento nos gastos militares desde a Guerra Fria no final do ano passado e vem divulgando a influência do porta-aviões, construído a um custo de mais de 3 bilhões de libras (US$ 4,26 bilhões).

Ao longo da rota, o HMS Queen Elizabeth fará exercícios com navios da Marinha dos Estados Unidos, Singapura, Japão e Coréia do Sul, disse Moorhouse na quinta-feira.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

AMEAÇAS E DESAFIOS

A Grã-Bretanha, assim como a China, agora tem dois porta-aviões, ambos os países superados pelos 11 dos Estados Unidos. O novo navio de 65.000 toneladas transporta oito F-35B britânicos e 10 americanos, bem como 250 fuzileiros navais dos EUA.

Seu grupo de batalha inclui dois destroieres, duas fragatas, um submarino e dois navios de apoio em uma jornada de 26.000 milhas náuticas, acompanhados por um destroier norte-americano e uma fragata da marinha holandesa.

Questionado sobre os esforços britânicos para aumentar a influência na região do Indo-Pacífico para conter o poder ascendente da China – uma estratégia também seguida pela União Europeia e apoiada pela OTAN – Moorhouse disse: “Queremos manter as normas internacionais … nossa presença lá fora é absolutamente fundamental.”

A China possui 90% do Mar da China do Sul potencialmente rico em energia, mas Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã também reivindicam partes dele.

Os Estados Unidos há muito se opõem às expansivas reivindicações territoriais da China naquele país, enviando navios de guerra regularmente através da hidrovia para demonstrar a liberdade de navegação. Cerca de US$ 3 trilhões em comércio passam por ali a cada ano.

No Mediterrâneo, o grupo do porta-aviões britânico faz parte dos maiores exercícios da OTAN do ano, o Steadfast Defender, que inclui um exercício marítimo ao vivo com cerca de 5.000 tropas e 18 navios.

“Isso envia uma mensagem da determinação da OTAN”, disse o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, a bordo do porta-aviões.

“Enfrentamos ameaças e desafios globais, incluindo a mudança no equilíbrio de poder com a ascensão da China”, disse ele, acrescentando que embora a China tivesse a maior marinha do mundo, não era considerada um adversário pela OTAN.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também