Competição, e não guerra com a China, é o futuro, diz chefe dos US Marines

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O comandante dos US Marines, general David H. Berger, em coletiva de imprensa no Pentágono em 26 de março de 2020 (Foto: Lisa Ferdinando/DoD).

O comandante dos US Marines, general David H. Berger, em coletiva de imprensa no Pentágono em 26 de março de 2020 (Foto: Lisa Ferdinando/DoD).

A guerra com a China não é inevitável, mas será necessária uma abordagem de todo o governo para detê-la, disse o comandante dos US Marines, general David Berger, na terça-feira.

O Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos está atualmente passando por um período maciço de experimentação e reorganização com foco em acompanhar a “ameaça de ritmo” que a China representa e, finalmente, vencer uma guerra, se vier.

O comandante disse que passou a última década estudando a China, que adotava metas de política externa cada vez mais agressivas.

“Você pode olhar um mapa de 10 anos atrás e um mapa de hoje você pode ver o que eles estão tentando fazer”, disse Berger em um evento online sobre o futuro da guerra do US Marines realizada pela Brookings Institution em Washington. “Precisamos estar em posição de manter a liberdade tanto do mar quanto do ar e realmente em todos os domínios.”

Usar os fuzileiros navais como uma força presente próxima dos pontos de interesse geográfico da China pode desacelerar a disposição do país de expandir suas fronteiras territoriais e intimidar seus vizinhos, disse Berger.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

“Você precisa de uma força expedicionária muito avançada, bastante leve e móvel, o tempo todo nas áreas certas”, disse Berger. Os olhos vigilantes dos fuzileiros navais naquela força expedicionária “muito avançada” provavelmente impedirão a China de ser tão regionalmente agressiva quanto poderia ser sem o olhar dos militares americanos sobre ela, disse Berger.

Além disso, a força de reserva estaria preparada para lutar imediatamente se a dissuasão falhar e se a guerra com a China começar muito rápido para o resto da força combinada se mobilizar.

Para cumprir totalmente a missão de dissuadir a China ou derrotá-la no caso de uma guerra, os EUA devem construir em suas relações com aliados regionais – um papel para o qual o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA é adequado, disse Berger. “Não teremos sucesso sozinhos, temos que reconhecer o valor de nossos aliados e parceiros”, disse Berger.

No final das contas, porém, Berger não vê a guerra com a China como inevitável, mas está claro para ele que os EUA estarão competindo com a China em um futuro próximo. “Eles claramente têm uma estratégia, têm um plano e estão investindo em recursos para esse plano”, disse Berger.

Fonte: Marine Times.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também